Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) revela que os custos estimados de adaptação nos países em desenvolvimento são de cinco a dez vezes maiores do que os atuais fluxos de financiamento público de adaptação

Por Nações Unidas Brasil em Nações Unidas Brasil O Relatório sobre a Lacuna de Adaptação 2021 também demonstra que menos de um terço dos 66 países pesquisados financiaram medidas de recuperação da COVID-19 para enfrentar os riscos climáticos.

O documento conclui que é necessária mais ambição no financiamento e na implementação da adaptação climática. Os custos de adaptação estão estimados em cerca de 140-300 bilhões de dólares por ano até 2030 e 280-500 bilhões de dólares por ano até 2050 apenas para os países em desenvolvimento. No entanto, em 2019, o fluxo de financiamento climático para esses países foi de apenas 79,6 bilhões de dólares.

80 / 5000 Resultados de tradução Um canguru e seu filhote que sobreviveram aos incêndios florestais em Mallacoota, na Austrália
Legenda: Mesmo que as emissões fossem zeradas a partir de agora, os impactos da mudança climática – como secas, tempestades e incêndios florestais – permaneceriam por muitas décadas aindaFoto: © Jo-Anne McArthur/Unsplash

Um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), lançado nesta quinta-feira (4), apela para esforços urgentes para aumentar o financiamento e as ações de adaptação aos impactos crescentes da mudança climática.

Relatório sobre a Lacuna de Adaptação 2021: Tempestade que se Aproxima (The Adaptation Gap Report 2021: The Gathering Storm), divulgado durante a nova rodada de negociações climáticas em Glasgow, destaca que enquanto a política e o planejamento para a adaptação às mudanças climáticas estão crescendo, o financiamento e a implementação ainda estão atrasados.

Além disso, o relatório revela que está sendo perdida a oportunidade de usar a recuperação fiscal da pandemia da COVID-19 para priorizar o crescimento econômico verde que também ajuda as nações a se adaptarem aos impactos climáticos, tais como secas, tempestades e incêndios florestais

“Como o mundo procura intensificar os esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa – esforços que ainda não são suficientemente fortes em nenhum lugar – ele também deve melhorar profundamente o desempenho na adaptação às mudanças climáticas”, disse a diretora executiva do PNUMA, Inger Andersen.

“Mesmo que a torneira de emissões fosse fechada hoje, os impactos da mudança climática permaneceriam por muitas décadas ainda. Precisamos de uma mudança radical na ambição de adaptação, para que o financiamento e a implementação reduzam significativamente os danos e perdas causados pelas mudanças climáticas. E precisamos disso agora”, acrescentou a chefe da agência de meio ambiente da ONU.

Financiamento insuficiente –  Os compromissos atuais sob o Acordo de Paris apontam para um aquecimento global de 2,7°C até o final do século. Mesmo que o mundo limite o aquecimento a 1,5°C ou 2°C, conforme delineado no acordo, muitos riscos climáticos permanecem. Embora a melhor maneira de reduzir os impactos e os custos a longo prazo seja uma forte mitigação, o aumento da ambição na adaptação, em particular no financiamento e na implementação, é fundamental para evitar que as lacunas existentes se ampliem.

O relatório conclui que os custos de adaptação estão estimados em cerca de 140-300 bilhões de dólares por ano até 2030 e 280-500 bilhões de dólares por ano até 2050 apenas para os países em desenvolvimento. O fluxo de financiamento climático para os países em desenvolvimento para o planejamento e implementação da mitigação e adaptação atingiu 79,6 bilhões de dólares em 2019. Em geral, os custos estimados de adaptação nos países em desenvolvimento são cinco a dez vezes maiores do que os atuais fluxos públicos de financiamento da adaptação, e a lacuna está aumentando.

Uma oportunidade perdida – 16,7 trilhões de dólares de estímulos fiscais foram aplicados em todo o mundo, mas apenas uma pequena parte deste financiamento foi focada na adaptação às mudanças climáticas. Menos de um terço dos 66 países pesquisados havia financiado explicitamente as medidas COVID-19 para enfrentar os riscos climáticos a partir de junho de 2021. Ao mesmo tempo, o aumento do custo do serviço da dívida, combinado com a diminuição das receitas governamentais, pode dificultar os gastos futuros do governo com a adaptação, particularmente nos países em desenvolvimento.

Progressos – Embora as evidências preliminares sugiram que os processos de desenvolvimento de planos nacionais de adaptação tenham sido interrompidos pela COVID-19, estão sendo feitos progressos nas agendas nacionais de planejamento da adaptação.

Cerca de 79% dos países adotaram pelo menos um instrumento de planejamento de adaptação em nível nacional, tal como um plano, estratégia, política ou lei. Isto representa um aumento de 7% desde 2020. Entre os países que não possuem tal instrumento, 9% estão em processo de desenvolvimento de um. Pelo menos 65% dos países têm um ou mais planos setoriais em vigor, e pelo menos 26% têm um ou mais instrumentos de planejamento subnacional.

Enquanto isso, a implementação de ações de adaptação continua a crescer lentamente. Dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revelam que os dez maiores doadores financiaram mais de 2.600 projetos com foco principal na adaptação entre 2010 e 2019. Os projetos também estão ficando maiores, com um número crescente de iniciativas atraindo financiamentos superiores a 10 milhões de dólares.

Mais ações necessárias – Apesar deste progresso, o relatório conclui que é necessária mais ambição no financiamento e na implementação.

O mundo precisa ampliar o financiamento público da adaptação através de investimentos diretos e da superação das barreiras ao envolvimento do setor privado. São necessárias mais e mais fortes ações de implementação e de adaptação para evitar ficar para trás na gestão dos riscos climáticos, particularmente nos países em desenvolvimento. O mundo também precisa considerar os cenários climáticos mais avançados projetados pelo Sexto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O relatório também concluiu que os governos deveriam usar a recuperação fiscal da pandemia para priorizar intervenções que alcancem tanto o crescimento econômico quanto a resiliência à mudança climática. Eles deveriam estabelecer abordagens integradas de gerenciamento de risco e estabelecer estruturas flexíveis de financiamento de desastres. As economias avançadas também deveriam ajudar os países em desenvolvimento a liberar espaço fiscal para os esforços de recuperação verde e resiliente da COVID-19 através de condições de financiamento favoráveis e alívio substancial da dívida.

Este texto foi originalmente publicado por Nações Unidas Brasil de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original.