Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Resultados mostram alterações pós-morte que podem lançar luz sobre estudos importantes do cérebro

Imagem de Gerd Altmann em Pixabay

Algumas horas depois de morrermos, certas células do cérebro humano ainda estão ativas. Algumas células até aumentam sua atividade e crescem em proporções gigantescas, por mais estranho que possa parecer. Essa foi a conclusão de uma nova pesquisa, conduzida por pesquisadores da Universidade de Illinois, em Chicago, nos Estados Unidos.

No estudo, publicado este mês na revista Scientific Reports, a equipe analisou a expressão gênica em um tecido cerebral fresco, coletado durante uma cirurgia cerebral de rotina, várias vezes após a remoção, a fim de simular o intervalo post mortem e a morte de fato. A surpresa veio quando os resultados revelaram que a expressão genética em algumas células aumentou após a morte.

Esses “genes zumbis” eram específicos para um tipo específico de célula: células inflamatórias chamadas gliais. Os pesquisadores observaram que as células gliais crescem e germinam longos apêndices, semelhantes a braços, por muitas horas após a morte.

Segundo Dr. Jeffrey Loeb, autor correspondente do artigo e chefe do departamento de neurologia e reabilitação da Faculdade de Medicina da universidade, o aumento das células gliais após a morte não é muito surpreendente, uma vez que elas são inflamatórias e seu trabalho é “limpar” os danos após lesões cerebrais, como privação de oxigênio ou derrame.

No entanto, como Loeb acrescenta, o que fascinou os pesquisadores foram as implicações desta descoberta: a maioria dos estudos de pesquisa que usam tecidos cerebrais humanos post mortem para encontrar tratamentos e curas potenciais para doenças como autismo, esquizofrenia e doença de Alzheimer não são responsáveis ​​pela expressão do gene post mortem ou atividade celular.

Na verdade, a maioria dos estudos pressupõe que tudo no cérebro para quando o coração para de bater, mas não é bem assim. Loeb e sua equipe notaram que o padrão global de expressão gênica em tecido cerebral humano fresco não correspondia a nenhum dos relatórios publicados de expressão gênica cerebral pós-morte de pessoas sem distúrbios neurológicos ou de pessoas com uma ampla variedade de distúrbios neurológicos, variando do autismo para Alzheimer.

A equipe decidiu realizar um experimento de morte simulada observando a expressão de todos os genes humanos, em pontos de tempo de 0 a 24 horas, a partir de um grande bloco de tecidos cerebrais coletados recentemente, que foram deixados em temperatura ambiente para replicar o intervalo pós-morte intervalo.

Loeb e seus colegas têm uma vantagem especial quando se trata de estudar o tecido cerebral. Loeb é diretor do UI NeuroRepository, um banco de tecidos cerebrais humanos de pacientes com distúrbios neurológicos que consentiram em ter tecido coletado e armazenado para pesquisa após a morte ou durante cirurgia padrão para tratar distúrbios como a epilepsia.

Por exemplo, durante certas cirurgias para tratar a epilepsia, o tecido cerebral epiléptico é removido para ajudar a eliminar as convulsões. Nem todo o tecido é necessário para o diagnóstico patológico, e, portanto, alguns podem ser usados ​​para pesquisas. Este é o tecido que Loeb e colegas analisaram em sua pesquisa.

Eles descobriram que cerca de 80% dos genes analisados ​​permaneceram relativamente estáveis ​​por 24 horas. Estes incluíam genes frequentemente chamados de “genes de manutenção”, que fornecem funções celulares básicas e são comumente usados ​​em estudos de pesquisa para mostrar a qualidade do tecido.

Outro grupo de genes, conhecido por estar presente em neurônios e intrinsecamente envolvido na atividade do cérebro humano, como a memória, o pensamento e a atividade convulsiva, degradou-se rapidamente nas horas subsequentes à morte. Esses genes são importantes para os pesquisadores que estudam doenças como esquizofrenia e doença de Alzheimer, de acordo com Loeb.

Um terceiro grupo de genes – os “genes zumbis” – aumentou sua atividade ao mesmo tempo que os genes neuronais diminuíam. O padrão de mudanças pós-morte atingiu o pico em cerca de 12 horas.

Loeb explica que as descobertas não implicam a necessidade de descartar programas de pesquisa de tecido humano, mas sim que os pesquisadores devem levar em consideração essas mudanças genéticas e celulares e reduzir o intervalo post-mortem tanto quanto possível para reduzir a magnitude dessas mudanças.

Segundo ele, a boa notícia é que agora é possível saber quais genes e tipos de células são estáveis, quais se degradam e quais aumentam com o tempo – um conhecimento que pode favorecer muito a compreensão dos resultados dos estudos cerebrais após a morte.


Fontes: Scientific Reports e Science Daily


Veja também: