Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Excesso de detritos despejados nos oceanos, especialmente resíduos plásticos, cria rotas para espécies invasoras, causando desequilíbrio aos ecossistemas

O tsunami do Japão em 2011 foi catastrófico, matando quase 16 mil pessoas, destruindo casas e infraestrutura e levando cerca de 5 milhões de toneladas de detritos para o mar. Esses detritos, no entanto, não desapareceram: parte deles se espalhou por todo o Pacífico e alcançou a costa do Havaí, do Alasca e da Califórnia, criando uma rota para espécies invasoras.

Quase 300 espécies não nativas diferentes pegaram carona nos resíduos plásticos espalhados pelo oceano, no que pode ser considerado um evento de “rafting em massa”. O Centro de Pesquisa Ambiental Smithsonian registrou, em 2017, 289 espécies marinhas japonesas que foram transportadas para costas distantes após o tsunami, incluindo caramujos marinhos, anêmonas do mar e isópodes, um tipo de crustáceo.

O “rafting de plástico” representa um perigo enorme e, quase sempre, desconhecido. As espécies invasivas que transportam lixo plástico para novas praias podem reduzir os habitats para espécies nativas, transmitir doenças (microalgas são uma ameaça particular) e colocar ainda mais pressão sobre os ecossistemas já pressionados pela pesca predatória e poluição. 

Ao jornal britânico The Guardian, David Barnes, ecologista bentônico marinho do British Antarctic Survey e professor visitante na Universidade de Cambridge, o rafting aumenta o “risco de extinção, [enquanto] reduz a biodiversidade, a função do ecossistema e a resiliência”. O tsunami também trouxe uma novidade: muitos dos animais sobreviveram mais de seis anos à deriva, mais tempo do que se pensava ser possível.

 O rafting (ou dispersão oceânica) é um fenômeno natural. Os organismos marinhos “pegam carona” no lixo marinho e viajam centenas de quilômetros. Machos de algas marinhas flutuantes, como o sargaço, às vezes com 3 metros de espessura, abrigam certas “espécies de rafting” no Atlântico, como peixes de recife ou peixes-cachimbo e cavalos-marinhos, que são péssimos nadadores.

Segundo a professora Bella Galil, curadora do Museu Steinhardt de História Natural da Universidade de Tel Aviv, “o rafting transoceânico é uma característica fundamental da biogeografia e ecologia evolutiva marinha, frequentemente invocada para explicar as origens dos padrões globais de distribuição de espécies”.

Mas, embora seja relativamente raro que uma espécie não nativa sobreviva com sucesso em um novo ambiente, o enorme aumento de resíduos sendo despejados no mar, bem como os equipamentos de pesca abandonados, permite a bioincrustação: organismos aquáticos fixando-se onde não são desejados.

Isso transforma “um processo evolutivo raro e esporádico em um evento cotidiano”, diz ela. As espécies invasoras podem ameaçar a diversidade biológica, a segurança alimentar e o bem-estar humano. As uvas do mar da Austrália que chegaram ao Mediterrâneo em 1990, por exemplo, deslocaram outras algas marinhas, desencadeando um efeito dominó que acabou levando a uma enorme redução na população de gastrópodes e crustáceos nativos.

Um dos corredores mais potentes para invasões marinhas vai do Mar Vermelho, via canal de Suez, até o Mediterrâneo. Galil observa que, das 455 espécies exóticas marinhas atualmente listadas no Mediterrâneo oriental, acredita-se que a maioria tenha vindo pelo canal, graças à corrente predominante para o norte ou via água de lastro, pegando carona principalmente em plásticos.

Essas espécies invasoras, no entanto, não pararam por aí. Muitas delas se espalharam pelo Mediterrâneo central e ocidental, novamente colonizando lixo flutuante. Além de afetar adversamente habitats críticos, Galil explica, algumas são “nocivas ou venenosas, e representam ameaças claras à saúde humana”. Ouriços-do-mar de espinhos longos e medusas nômades, ambos venenosos e nativos do oceano Índico, são apenas dois exemplos que agora causam danos no Mediterrâneo.

A rota provavelmente se tornará ainda mais popular após o alargamento do canal, uma resposta do Egito ao encalhe do navio porta-contêineres Ever Given no início deste ano. “Canal maior e embarcações maiores [significam] um volume provavelmente maior de espécies do Mar Vermelho chegando ao Mediterrâneo”, diz Galil.

O rafting de plástico está longe de se limitar ao Mediterrâneo. Houve um aumento de cem vezes nos plásticos marinhos nas últimas duas décadas, em um processo que Barnes chama de “modificador do ecossistema”.

O plástico, em particular, aumentou enormemente as possibilidades de transporte em termos de quantidade de resíduos, sua variedade (em tamanho e estrutura), para onde vai e por quanto tempo flutua ”, afirma. “Além disso, o plástico pode aumentar a disseminação local de espécies invasoras quando elas chegam e se estabelecem.” Uma compilação de 2015 listou 387 espécies, de microrganismos a algas marinhas e invertebrados, encontrados em rafting de lixo marinho, em “todas as principais regiões oceânicas”.

Barnes encontrou até invasores de jangadas de plástico no Oceano Antártico, refutando a ideia de que as temperaturas congelantes da Antártica os manteriam afastados. A Antártica pode ser particularmente sensível a tais invasões, com suas espécies endêmicas evoluindo quase isoladas e dentro de uma faixa muito estreita de condições ambientais. “Qualquer espécie perdida aqui é uma perda de biodiversidade global: eles vivem apenas ao redor da Antártica, e o carbono azul que eles armazenam fornece algumas resistências poderosas contra as mudanças climáticas”, explica.

Então, o que pode ser feito sobre o problema do plástico nos oceanos e quem é o responsável? No contexto do canal de Suez, Galil diz: “Se aderirmos ao princípio do‘ poluidor-pagador ’, a Europa será cúmplice: o canal serve principalmente a esse continente”. Mas ela também defende uma redução imediata na quantidade de plásticos no meio ambiente e “uma proibição estrita de despejo no oceano”.

A tecnologia de rastreamento também pode ajudar, como o Sistema Integrado de Observação de Detritos Marinhos (IMDOS), um sistema, ainda não implementado, que combinaria imagens de satélite, pesquisas de arrasto, observações de navios e dados enviados a várias organizações para rastrear lixo marinho.

Outro esforço para padronizar o monitoramento do plástico marinho é Floating Ocean Ecosystems (FloatEco), um projeto multidisciplinar, parcialmente financiado pela Nasa, para “entender melhor a dinâmica dos plásticos flutuantes em ambientes de oceano aberto”. Além disso, há organizações como a Ospar, que reúne 15 governos e a União Europeia para cooperar na proteção ambiental do Nordeste do Oceano Atlântico.

“Um problema global como o lixo plástico marinho e todos os desafios que ele cria é impossível de resolver sem colaboração”, disse, ao The Guardian, Eva Blidberg, ex-líder do projeto Blastic, uma iniciativa recente da União Europeia para mapear e monitorar plásticos marinhos no Mar Báltico.

O problema se agravou com a pandemia, que tem levado a cerca de 1,6 milhão de toneladas de EPIs descartados​​diariamente que, em parte, acabam indo parar nos oceanos. O monitoramento e a colaboração são importantes, diz Blidberg, mas acrescenta: “O mais importante é eliminar de vez o lixo marinho”.