Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Esgoto é um conjunto de resíduos despejados em um curso d’água, ele é definido pela norma brasileira NBR 9648

Esgoto, também chamado de água residual, é definido como os resíduos líquidos presentes em um curso d’água. Ele pode ser de origem industrial e doméstica, mas incorpora também a água da chuva e de infiltração. Esse conceito é definido a partir da norma NBR 9648, de 1986.

Importância do sistema de esgoto

Antes da existência de um sistema de esgoto e saneamento, os dejetos humanos e os resíduos industriais eram despejados em fossas. Dessa forma, esses resíduos permaneciam no ambiente, em maior contato com a população. A transição para um sistema canalizado e com centrais de tratamento diminui a contaminação do meio ambiente e da população. 

O tratamento do esgoto reduz a taxa de mortalidade e a disseminação de doenças. Esse foi o resultado observado por um estudo realizado na Holanda, que analisou as condições sanitárias da transição das fossas para o sistema de esgoto.

O estudo apontou uma redução de 50 a 70% da disseminação de doenças infecciosas, como a tuberculose. Outras doenças infecciosas que tiveram essa diminuição foram a cólera, febre tifoide e disenteria

Essa transição se iniciou no ano de 1840, e teve sua conclusão em 1930. Em seguida, uma série de legislações referentes à saúde pública foram elaboradas, como a Lei de Saúde Pública, em 1849. Com a implementação de legislações e normas, o sistema de esgoto passa a ser uma realidade nos países, tornando-se obrigatoriedade.

Sistema de tratamento de esgoto

Um sistema de esgoto sanitário é definido como um agrupamento de equipamentos e instalações utilizados para dar o destino correto para o esgoto. Portanto, o sistema de esgoto atua desde a coleta do material até o local de tratamento.

O sistema adotado no Brasil é o separador absoluto, que aceita apenas o esgoto sanitário. Além disso, as instalações são incorporadas nas residências e ruas até a estação de tratamento (ETEs), garantindo a higiene e evitando o contato direto com pessoas.

Outro sistema existente é o sistema unitário, que demanda maiores investimentos e não tem controle da poluição hídrica. Apesar disso, é vantajoso em casos que as tubulações subterrâneas são necessárias e as ruas são estreitas para a canalização. Outro uso em que o sistema unitário pode ser favorável é na presença de águas da chuva com matéria orgânica das ruas.

O sistema de esgoto deve contemplar os aspectos sociais, econômicos e de higiene. Com isso, ele contribui para melhorar a qualidade de vida da população, prevenir doenças e aumentar a produtividade industrial. Por fim, o sistema deve contribuir para a preservação ambiental, impedindo a contaminação da água e do solo.

Quais são as partes de um sistema de tratamento de esgoto

Um sistema de tratamento é composto por:

  • Rede coletora: sistema coletor do esgoto presente em ruas e estabelecimentos. Ele é composto por coletores de esgoto e ligações prediais
  • Interceptores e emissários: canalização que recebe o esgoto e o transporta
  • Sifões invertidos e passagens forçadas: sistema de escoamento sob pressão para auxiliar o transporte do esgoto
  • Estações Elevatórias de Esgoto (EEE): estrutura que auxilia na locomoção do esgoto para as Estações de Tratamento
  • Corpo receptor: curso d’água ou local de destino da água tratada pela ETE
  • Estações de Tratamento do Esgoto (ETE): local em que o esgoto é destinado para o seu tratamento, visando a diminuição da poluição

Saiba como funciona uma Estação de Tratamento de Esgoto no vídeo:

Impactos ambientais do esgoto

O sistema de esgoto deve ser constantemente monitorado para a manutenção, evitando a contaminação da água tratada e a sobrecarga de águas residuais. A manutenção evita a danificação do sistema, que pode levar a proliferação de doenças e a contaminação do solo e da água.

Apesar dos cuidados, o sistema de esgoto é responsável pela emissão de gases do efeito estufa, como o metano. O metano em excesso pode ser prejudicial para o sistema, pois em baixa pressão ele tem características explosivas. 

Além disso, quando ele é liberado na atmosfera, contribui para o aquecimento global e para a perda da demanda química de oxigênio (DQO) – parâmetro de medição de matéria orgânica em corpos d’água. 

Outro problema é a emissão de sulfeto de hidrogênio, que provoca problemas de saúde, odores desagradáveis e a corrosão da estação de tratamento.

Contribuição do esgoto para a restauração ambiental

Apesar de seus impactos negativos, o esgoto pode ser utilizado para a recuperação de um solo degradado. De acordo com um estudo, o lodo de esgoto pode ser manuseado em diversos tipos de solos para a sua recuperação. 

Essa recuperação é possível em tanto em solos de Cerrado quanto de plantações de eucalipto e pastos para gado. Outro uso para o lodo do esgoto é como fertilizante para o cultivo agrícola, pois é um resíduo rico em matéria orgânica e não tóxico (quando de origem doméstica e não industrial).

Banheiro seco

Levando em conta os impactos negativos do sistema de esgoto, o banheiro seco pode ser uma alternativa sustentável. Banheiro seco consiste em um vaso sanitário que não usa água e lança os dejetos diretamente para o solo. Dessa forma, os dejetos podem servir como fertilizante da terra, substituindo agrotóxicos em plantações agrícolas. 

Além disso, os banheiros secos não poluem corpos d’água com resíduos humanos, contribuindo para a sua preservação. Por fim, eles são um sistema de baixo custo, se tornando alternativa em locais que sofrem com escassez hídrica ou um saneamento básico ineficaz.