Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Por Bruno Taitson em WWF Brasil A deputada federal Joênia Wapichana, o advogado Luiz Eloy Terena e as lideranças Nara Baré, Alessandra Munduruku e Maurício Ye’kwana vão debater nesta sexta (5), na Conferência Mundial do Clima (COP-26), os impactos do garimpo ilegal nos territórios indígenas.

A mesa-redonda acontece no espaço do WWF no evento (Panda Hub), começa às 19h, em Glasgow (16h em Brasília) e terá transmissão ao vivo na plataforma YouTube, no perfil da prática de Clima da Rede WWF.

O garimpo ilegal na Amazônia tem avançado em um ritmo sem precedentes e os territórios indígenas estão entre os principais alvos dessa atividade criminosa, que deixa um rastro de mortes e destruição por onde passa. Dentre os impactos devastadores, estão doenças causadas pelo mercúrio, que atingem especialmente crianças, rios contaminados e destruídos, desmatamento e ruptura dos tecidos sociais e dos modos de vida tradicionais, por meio de álcool, drogas, prostituição e violência.

Os territórios indígenas, comprovadamente, representam o principal escudo contra o desmatamento da Amazônia. Considerando que a destruição das florestas é a principal fonte de emissões de gases de efeito estufa no Brasil – quarto país que mais emite no mundo – a conservação das terras dos povos originários e manutenção de seus modos de vida torna-se essencial para conter o avanço das mudanças climáticas.

A deputada Joênia Wapichana vai apresentar as principais ameaças legislativas em tramitação no Congresso, que correm o risco de ampliar a presença de atividades predatórias como garimpo, mineração e agronegócio dentro das terras indígenas. Eloy Terena comenta como o julgamento da tese do marco temporal no Supremo Tribunal Federal e outros casos emblemáticos em avaliação pelo Judiciário podem agravar o atual problema das invasões das terras indígenas.

Nara Baré, por sua vez, deve comentar o contexto socioeconômico do garimpo ilegal na Amazônia enquanto Alessandra Munduruku e Maurício Ye’kwana apresentam um panorama de como a atividade garimpeira vem impactando a saúde de seus povos, bem como os recursos naturais, a biodiversidade e os modos de vida tradicionais nos territórios.

Este texto foi originalmente publicado por WWF Brasil de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original.