Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Importante na ciclagem de nutrientes do solo, a bioturbação promove alteração na paisagem

Bioturbação é um processo de alteração físico-química do solo a partir da ação de organismos, como minhocas e térmitas. Esse processo é importante para a manutenção das condições do solo e o fornecimento de água e nutrientes para as plantas

A bioturbação pode ajudar a recuperar áreas degradadas. Entretanto, a eliminação de agentes bioturbadores do ambiente pode resultar em impactos ambientais negativos, como a compactação do solo e a lixiviação de nutrientes.

O que é?

Bioturbação é o processo biogeoquímico de mudanças no solo, geradas a partir da ação de organismos, como térmitas. Esse processo promove alterações físicas no solo, mudando a paisagem e a disponibilidade de seus recursos ambientais. A bioturbação é chamada de ecossistema de engenharia, devido à estrutura formada no solo.

No processo de bioturbação estão incluídos excrementos animais, atividade microbiana e transporte de sedimentos. A movimentação das partículas do solo contribuem para classificar o agente responsável pela bioturbação.

Agentes responsáveis pela bioturbação e sua importância ambiental

Cupim. Imagem editada e redimensionada de Diogo Luiz em Wikimedia Commons, sob a licença CC BY-SA 4.0

Os animais de maior influência para a bioturbação são térmitas, minhocas e formigas. Eles são chamados de engenheiros do ecossistema, pois se locomovem por ele, formando estruturas físico-químicas diferentes. 

As térmitas representam as espécies de cupins, e são encontradas com facilidade em colônias no solo. As colônias habitam em ninhos, os termiteiros (cupinzeiros), que são estruturas criadas por esses animais com o uso do solo. 

Os termiteiros são formados por pequenos grãos do solo em conjunto com excrementos das térmitas. Eles contribuem para a alteração da composição e estrutura do solo. As construções das térmitas facilitam a absorção de água pelo solo, mas também o protege de possíveis invasores. 

Durante a locomoção dos sedimentos, o solo é enriquecido com nutrientes e carbono orgânico, alterando a sua composição e o pH. Sendo assim, essas estruturas desempenham um importante papel na restauração ambiental.

Minhocas, assim como as térmitas, promovem alterações físico-químicas e mineralógicas. A partir de seus excrementos, térmitas e minhocas alteram a composição do solo e promovem a mineralização.

Conforme as minhocas passam pelo solo, as galerias são formadas, permitindo a passagem da água com facilidade. As minhocas desempenham o controle de fungos e bactérias, bem como o desenvolvimento das plantas.

Enquanto isso, as formigas realizam a atividade de forrageamento. Essa atividade consiste na coleta e fragmentação de matéria orgânica, que será deslocada até o seu ninho. O forrageamento favorece a presença de matéria orgânica e a dispersão de sementes.  

A movimentação das raízes das espécies vegetais também promove alterações físicas no ambiente terrestre. Elas contribuem para a descompactação do solo, favorecendo a ação de micro-organismos e a infiltração da água. Entretanto, sua atuação é limitada, pois o desenvolvimento das espécies vegetais depende das condições físico-químicas que o solo apresenta.

Importância ambiental da bioturbação

A bioturbação contribui para a manutenção do solo e de diversas espécies animais e vegetais. As estruturas formadas pelos animais bioturbadores favorecem a infiltração de água no solo e a mineralização.

Essas estruturas são ricas em nutrientes, favorecendo a fertilidade do solo para o desenvolvimento das plantas. Ademais, no caso de térmitas, seus ninhos funcionam como habitação para outras espécies animais, quando abandonadas.  

Quando não são ocupadas por animais, os termiteiros fornecem nutrientes para o desenvolvimento de plantas, atraindo polinizadores e decompositores. Por isso, têm a capacidade de reestabelecer um ambiente degradado com maior facilidade.

Ambientes aquáticos

De acordo com um estudo, a bioturbação contribui para o fluxo de substâncias no ambiente aquático, como o nitrogênio. Essa contribuição se dá pela ação de organismos que constroem estruturas, como tubos, que permitem a suspensão de sedimentos. 

A presença desses tubos facilita a entrada de água no solo. Dessa forma, a concentração de nitrogênio na água aumenta. Isso promove uma alteração da composição de nutrientes em ambientes aquáticos.

Degradação do solo

A retirada da vegetação nativa do local, para o estabelecimento de pastagens e áreas de cultivo, resulta na perda de espécies vegetais e animais. Com isso, o solo é degradado e perde condições físico-químicas.

O processo de degradação do solo resulta da eliminação ou redução de agentes bioturbadores. Assim, o solo tende a ficar mais compacto e empobrecido de nutrientes. Com a compactação do solo, a água não é infiltrada, escoando pela superfície.

As consequências disso são a erosão de sedimentos e a lixiviação de nutrientes, tornando o solo cada vez mais empobrecido. Além de nutrientes, esse fenômeno retira sementes e matéria orgânica, dificultando a capacidade de regeneração do local e contaminando corpos hídricos. 

Outro fator que contribui para a eliminação de espécies bioturbadores é o uso de agrotóxicos. Eles eliminam agentes responsáveis pela bioturbação, como as minhocas, formigas e térmitas. 

Um inseticida utilizado para o controle de térmitas, o imidacloprido, apresenta toxicidade para minhocas. Ele prejudica o desempenho desses animais no solo, inviabilizando a bioturbação.