Flúor faz mal? Entenda o que é e conheça alternativas

eCycle

O flúor tem ação contra das cáries, mas ele também pode fazer mal. Entenda:

flúor

Nos dias de hoje é comum comprarmos um produto sem saber para que as substâncias que o compõe servem e nem se elas podem oferecer algum risco a saúde. Um exemplo é o flúor - comumente encontrado no creme dental, ele auxilia, como não cansam de dizer as propagandas, no controle das cáries. Mas será que é só no creme dental que ele é encontrado? E o flúor faz mal à saúde?

O que é e onde é encontrado

O flúor, também conhecido como fluoreto (fluorine, em inglês), é um elemento químico muito reativo. Por tal motivo, nunca é encontrado na sua forma elementar. Ele está presente em diversos locais, como na água tratada, nos alimentos, no solo, no ar, em produtos naturais, industrializados e, no popular creme dental.

O flúor está em todos os cremes dentais de uso geral que estão no mercado. A concentração inicial de flúor deve ser entre 1000 ppm e, no máximo, de 1500 ppm. O flúor na pasta de dente confere um papel importante na limpeza e controle das cáries.

O flúor age nos dentes tornando-os mais resistentes à ação de bactérias, porém essa defesa é limitada e sua eficiência varia em função de quanto açúcar se ingere na alimentação.

Os governos estaduais e federal, no Brasil, com o intuito de combater as cáries, passaram a adicionar fluor na água de abastecimento público. Assim, toda a população, mesmo a mais carente, pode ter acesso ao flúor. Isto reduziu consideravelmente a incidência de cáries na população.

O flúor ingerido é absorvido e, a maior parte dele destina-se aos ossos e aos dentes. Estima-se que a quantidade média ingerida diariamente seja de 0,2 a 3,1 mg para adultos e 0,5 mg para crianças.

Flúor em excesso

O sucesso do flúor no passado em controlar cáries na população vem se tornando motivo de preocupação por parte de alguns pesquisadores. A presença de flúor na água potável pode trazer alguns problemas de saúde na população, principalmente em crianças, onde o excesso de flúor pode causar fluorose dentária.

A fluorose dentária é um processo de má formação do esmalte, devido ao excesso de flúor ingerido durante o desenvolvimento dos dentes; no caso da dentição permanente, o período é de um ano até os sete anos de idade. Nos casos mais brandos, a fluorose dentaria é caraterizada por manchas esbranquiçadas opacas e, nos casos mais graves, por manchas amarronzadas, com perda da resistência do dente, podendo ocorrer fratura.

Atualmente, discute-se uma forma de tornar a exposição ao flúor mais benéfica, reduzindo as cáries, mas evitando malefícios à saúde.

Outro ponto relevante que alguns estudos concluíram é que o fluoreto, em determinadas doses, pode alterar as funções endócrinas, especialmente na tireoide (glândula responsável por produzir importantes hormônios ligados ao crescimento e metabolismo) - esse fato mostrou que novas pesquisas são necessárias na área para que haja mais esclarecimentos sobre os riscos do flúor.

A preocupação com a ingestão excessiva de flúor levou à criação de normas para a adição no tratamento de água potável. Trata-se da portaria 518/04, que estabelece o valor máximo permitido para a inserção de flúor na água.

Mas não para por aí, pois vários outros produtos contêm flúor: chás, cereais infantis, frango seco industrializado, peixe e frutos do mar. Por este motivo, vale checar a embalagem para verificar se há adição de flúor no produto. Sabe-se que o perigo é devido a sua alta ingestão. Desse modo, evitar alguns produtos que o contenham pode ser uma medida benéfica.

Alternativas

Apesar da incerteza de uma conclusão para saber se o flúor faz mal ou não, principalmente para aqueles também preocupados com sua saúde dental. Em vez de comprar sua pasta de dente, que tal fazer você mesmo a sua própria? Veja como aqui. Mas caso você não tenha disposição para fazer sua própria pasta de dente sem flúor, não se preocupe, com um pouco de dedicação você encontra marcas que fabricam creme dental sem flúor, principalmente no mercado online.

Outro ponto é evitar o consumo de produtos que contenham o flúor adicionado, a não ser que seja indicado por um médico. A alimentação e o consumo de água já oferecem todo o flúor necessário para um bom funcionamento do corpo.

Para reduzir o flúor da água você pode fazer água solarizada, uma técnica que permite que esse elemento evapore, tornando a água mais alcalina e salubre. Entenda como fazer isso na matéria: "Como fazer água alcalina?".

O debate sobre os benefícios e os malefícios da adição de flúor na água continua. O importante é ter uma visão criteriosa e ficar atento, pois a afirmação “quanto mais flúor melhor” não é válida - o ideal é que o ponto de equilíbrio na utilização dessa substância seja encontrado.


Veja também:

 

Comentários 

 
+2 #1 2014-04-04 00:05
O flúor é altamente prejudicial à tireoide, porque poderá levar ao hipotiroidismo. Lembrem-se que o flúor é quimicamente um halogênio(grupo do iodo, cloro,bromo) que compete com iodo, que também é monovalente, levando a deficiência do iodo, tão importante para a síntese dos hormônios da tireoide.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×