Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Pesquisadores mediram os fluxos de metano e dióxido de carbono em 23 pontos dos reservatórios da usina e no curso do rio Xingu antes e após o início das operações da hidrelétrica

Se preferir, vá direto ao ponto Esconder

Por Fabiana Mariz em Jornal da USP – A implantação da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, aumentou em até três vezes as emissões de gases de efeito estufa (GEE) na região amazônica. As conclusões são de um estudo coordenado pela Instituto de Geociências (IGc) da USP, em parceria com a Universidade de Linköping, na Suécia, a Universidade de Washington, nos Estados Unidos, e a Universidade Federal do Pará (UFPA).

Os pesquisadores chegaram a esse resultado depois de medirem os fluxos de metano (CH4) e dióxido de carbono (CO2) em 23 pontos dos reservatórios da usina e no curso do rio Xingu. As amostras foram coletadas durante as estações seca e cheia no primeiro e no segundo ano após a inundação dos reservatórios (2016 e 2017) e comparadas com as emissões de GEE antes da construção e implantação da usina (2012 e 2014).

O aumento das emissões de GEE, em especial o metano, é causado pela decomposição de matéria orgânica em áreas inundadas. Estudos anteriores mostraram que a desaceleração da água do rio, que ocorre em todos os tipos de reservatórios, induz à sedimentação de partículas que aumentam a quantidade de matéria orgânica disponível para degradação e alta ebulição. No estudo, os cientistas observaram que áreas rasas de inundação chegam a representar até 45% da liberação total de gases do sistema.

“A importância do nosso estudo está no fato de conseguirmos fazer medições antes e depois da implantação de Belo Monte e compará-las”, ressalta Dailson Bertassoli Júnior, geólogo e primeiro autor do estudo. “Quantificamos de forma detalhada as emissões de Belo Monte e podemos afirmar que a liberação de gases aumentou na região.”

Os cientistas também avaliaram o oxigênio dissolvido na água, a velocidade do vento, o pH da água e a temperatura local e na superfície da água, mas não encontraram grandes variações.

“A importância do nosso estudo está no fato de conseguirmos fazer medições antes e depois da implantação de Belo Monte e compará-las”, ressalta Dailson Bertassoli Júnior, geólogo e primeiro autor do estudo. “Quantificamos de forma detalhada as emissões de Belo Monte e podemos afirmar que a liberação de gases aumentou na região.”

“O trabalho contribui para a obtenção de estimativas precisas das emissões de gases de efeito estufa pela matriz elétrica brasileira, que tem grandes usinas hidrelétricas como principal recurso energético”, afirma André Oliveira Sawakuchi, professor do Instituto de Geociências (IGc) da USP e orientador de Bertassoli. “Estimativas precisas e transparentes das emissões de gases de efeito estufa devem estar disponíveis à sociedade que utiliza a energia hidrelétrica”, diz.

Demanda global de energia

O complexo de Belo Monte no rio Xingu é a maior usina hidrelétrica da Amazônia. Foi instalado ao longo de um sistema de múltiplos canais rochosos, conhecidos como Volta Grande do Xingu. Tem uma das maiores capacidades de geração de eletricidade do mundo e foi construída usando a tecnologia chamada fio d’água (da sigla ROR – Run Of the River, em inglês), que se baseia no fluxo natural do rio e requer reservatórios menores do que projetos baseados em armazenamento, como a Itaipu Binacional. Por esse motivo, é considerada uma alternativa mais sustentável.

No entanto, como explica Sawakuchi ao Jornal da USP, usinas de grande porte a fio d’água possuem reservatórios de área considerável, o que não garante baixas emissões de GEE. “Os dois reservatórios de Belo Monte ocupam área superior a 500 quilômetros quadrados (km²) e inundaram áreas de florestas marginais, ilhas de floresta aluvial (inundação sazonal) e áreas já desmatadas, além de reduzirem a velocidade da água em trecho de aproximadamente 80 km do rio Xingu”, explica o  professor. “Mesmo com a retirada de grande parte da vegetação antes do alagamento, a matéria orgânica dos solos afogados é convertida em dióxido de carbono ou metano pela ação de micróbios.”

Sawakuchi diz, ainda, que por ser um rio de águas claras, também há grande produção de algas no rio Xingu. Ao morrerem, elas se depositam nas áreas de remanso dos reservatórios devido à redução da velocidade da água. “Isso também contribui para a produção de gases de efeito estufa.”

Outro dado que deve ser levado em consideração é a temperatura elevada das águas dos rios tropicais (cerca de 30 graus Celsius no rio Xingu) e a baixa concentração de oxigênio nas partes mais profundas ou de águas mais paradas, que induzem à ação dos micróbios produtores de metano – gás mais prejudicial que o dióxido de carbono. “Portanto, o fato de uma usina ser do tipo fio d’água não garante baixas emissões, pois há diversas outras variáveis envolvidas”, alerta o professor.

Para Bertassoli, o trabalho é importante pois dá uma ideia do impacto ambiental e social causado por uma usina desse porte. “Gases de efeito estufa são uma fração do problema. Para realizar um projeto como esse, precisamos entender os prós e os contras.”

Já Sawakuchi diz que aferir as emissões de gases de efeito estufa é importante para orientar decisões sobre planos de expansão da matriz elétrica brasileira. “Já há diversas usinas hidrelétricas de grande porte planejadas em rios da Amazônia.”

Um artigo com todos os detalhes da pesquisa foi publicado em junho na revista Science Advances. Mais informações: e-mail dailson.bertassoli@gmail.com, com Dailson Bertassoli Júnior