Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Material de fabricação com impactos ambientais significativos feito a partir do petróleo foi desenvolvido em 1958 por Joseph Shivers

Spandex é o nome comercial para a fibra têxtil elastano,feita a partir de petróleo. Ela é amplamente utilizada por sua característica de esticar, e pode ser encontrada em moletons, leggins e roupas de academia e yoga.

Como o Spandex é feito?

Spandex foi desenvolvido por Joseph Shivers em 1958. O material é feito de uma mistura de polímeros de poliuretano e nylon.

Em sua fabricação, blocos de compostos orgânicos chamados isocianatos são utilizados para criar o poliuretano. O poliuretano, por sua vez, pode ser usado na produção de diversos materiais; a versão de fibra elástica de poliuretano é chamada de elastano.

A fibra é feita a partir de uma solução de poliuretano, por meio de um método de fusão giratória ou a seco. No método seco, o ar quente é soprado através dos filamentos para que o solvente utilizado evapore. Isso resulta em uma melhor elasticidade. O fio de Spandex é criado por meio do giro dessas fibras. Vários métodos de fiação estão disponíveis e são usados ​​dependendo do uso final do produto.

Impactos ambientais

A fabricação de elastano causa impactos ambientais pela sua forma de produção e quantidade gerada a cada ano. Somente a marca Spandex vendeu o equivalente a US $ 6,9 bilhões em 2020. E estima-se que esse número aumente para US $ 12,6 bilhões até o ano de 2027.

Impactos pré-consumo

Spandex é feito de combustíveis fósseis, que são recursos não renováveis ​​que levam milhões de anos para se formar.

A fabricação de Spandex também é um processo que causa problemas de saúde devastadores. O poliuretano, precursor do Spandex, é conhecido por ser cancerígeno.

Devido à natureza do tecido, geralmente são usados ​​corantes sintéticos, um dos maiores poluentes da fabricação de têxteis. Eles afetam vegetais e animais, além de contaminar os recursos hídricos utilizados para abastecimento humano. 

A produção de Spandex ainda consome altos níveis de energia e emite gases do efeito estufa.

Impactos pós-consumo

As fibras de Spandex se desprendem dos tecidos na forma de microplásticos e vão parar no ar, solo, atmosfera, animais e organismo humano. Isto se agrava com o fato de não ser um material biodegradável.

Qual tecido utilizar?

De modo geral, do ponto de vista da saúde e sustentabilidade, recomenda-se dar preferência às fibras naturais, como o algodão orgânico. Têxteis sintéticos como o Spandex e o poliéster deveriam ser as últimas opções a serem consideradas. Mesmo fibras semi-sintéticas, como rayon e bambu, podem ter efeitos semelhantes aos dos sintéticos. A maior diferença é que as fibras dos materiais derivados da celulose costumam ser biodegradáveis. Isso é dificultado, no entanto, pelo processamento e tingimento do tecido. Mas, como os têxteis de origem natural são recursos renováveis, eles ainda são melhores para o meio ambiente.

O Spandex sobreviverá?

Diante da inviabilidade ambiental de sua produção, alguns fabricantes e cientistas estão buscando soluções para o elastano.

Em 2016, pesquisadores conseguiram desenvolver isocianatos, a base fundamental dos poliuretanos, a partir de óleo vegetal e de gases do efeito estufa retirados da atmosfera. Porém, a maioria das fibras produzidas não eram tão fortes quanto aquelas do método original.

Um outro grupo de pesquisadores desenvolveu um método capaz de tingir os tecidos de Spandex com corantes naturais e resistentes à base de cúrcuma. Além disso,  uma alternativa que pode ser promissora para o mundo do Spandex é o certificado de reciclagem realizado pelo Global Recycled Standard

A dúvida é saber se estas opções realmente serão benéficas para a saúde e o meio ambiente ou se serão apenas uma forma de mascarar os impactos nocivos das fibras de Spandex.