Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda por que as preocupações sociais e ambientais estão afetando sua saúde mental da Geração Z

geração zImagem de Eliott Reyna em Unsplash

Geração Z é o nome dado pela sociologia à geração de pessoas nascidas entre a segunda metade dos anos 1990 até o início do ano 2010 – que também são chamadas de “nativos digitais”. Os jovens da geração Z estabeleceram uma relação intensa com as novas tecnologias e estão familiarizados com as múltiplas plataformas de informação típicas da era digital, sobretudo as redes sociais.

Esse comportamento impacta as relações sociais, as relações de consumo, as relações de trabalho e as relações com a política e seus desdobramentos, entre outros elementos. Assim como aconteceu com as gerações anteriores, suas características demográficas, as influências sobre elas – da tecnologia à economia – e suas visões em desenvolvimento sobre uma série de questões estão começando a definir os membros da geração Z como um grupo distinto dos anteriores.

Uma série de novos relatórios do Pew Research Center dos EUA descobriu que esta geração é a mais racial e etnicamente diversa e está a caminho de ser a mais educada da história dos Estados Unidos. A maioria dessas pessoas vive em áreas metropolitanas, e não em áreas rurais. E, talvez sem surpresa, a tecnologia desempenha um papel central e natural em suas vidas.

Vários sociólogos e outros especialistas têm notado recentemente uma evolução demográfica: mudanças nas atitudes dos jovens, aumentos preocupantes nas taxas de depressão e outras mudanças que os levaram a se perguntar se era hora de definir uma nova geração.

Embora alguns pesquisadores tenham usado outros anos, o Pew Research Center decidiu usar 1996 como o último ano de nascimento da geração do milênio. Em novembro de 2018, Kim Parker, que dirige a pesquisa de tendências sociais do centro, corredigiu o primeiro relatório da Pew sobre o que então chamava de “geração pós-Millennial”.

Segundo Parker, esta é certamente a geração com maior diversidade racial e étnica que já vimos, e ela está crescendo em um ambiente político diferente. Também houve, diz , a percepção de que esta era a primeira geração a atingir a maioridade com avanços tecnológicos como o smartphone, não como algo novo a ser adotado, mas simplesmente como uma parte aceita da vida cotidiana.

De acordo com os relatórios da organização, quase metade (48%) dos jovens de 6 a 21 anos são minorias raciais ou étnicas, em comparação com 39% dos Millennials nessa faixa etária em 2002 e mais do que o dobro da porcentagem dos primeiros Baby Boomers em 1968.

Além disso, o documento aponta que a geração Z está sendo moldada pela mudança dos padrões de imigração. A Grande Recessão e o declínio no emprego levaram a menos imigrantes vindo para os Estados Unidos, com o pico da imigração em 2005, quando os membros mais velhos da Geração Z tinham oito anos.

Como resultado, a Geração Z tem menos membros estrangeiros do que a geração Millennial em 2002 –  e um número significativamente maior de nascidos nos Estados Unidos de pais imigrantes.

Um em cada 4 membros da Geração Z é hispânico, um índice significativamente maior do que sua parcela de Millennials em 2002. A porcentagem de asiáticos aumentou ligeiramente, de 4% para 6%, enquanto a proporção de negros é quase a mesma que os Millennials tinham em uma idade comparável.

Apenas 13% da geração Z vive na zona rural da América, em comparação com 18% da geração Y em 2002 e 23% da geração X e 36% dos baby boomers quando tinham idades semelhantes.

Onde eles também são diferentes é na educação. Os membros da Geração Z têm maiores taxas de conclusão do ensino médio e menores taxas de evasão do que aqueles que vieram antes deles, e são mais propensos a estar na faculdade. Em 2017, 59% dos jovens de 18 a 20 anos estavam na faculdade, em comparação com 53% dos Millennials e 44% dos Gen Xers em idades semelhantes.

Os pesquisadores concluíram que a frequência à faculdade pode ajudar a explicar por que a Geração Z é menos provável de estar na força de trabalho: apenas 58% dos jovens de 18 a 21 anos relataram ter trabalhado no ano anterior, em comparação com 72% dos Millennials em um período semelhante.

A relação com gênero e sexualidade

Trinta e cinco por cento dos membros da Geração Z dizem que conhecem pessoalmente alguém que prefere que os outros se refiram a eles com pronomes de gênero neutro – um número significativamente mais alto do que os 25% dos Millennials e quase o triplo da porcentagem dos Baby Boomers que afirmam a mesma coisa.

Os membros da Geração Z também são os mais propensos a dizer que formulários ou perfis on-line que perguntam sobre o sexo de uma pessoa devem incluir opções diferentes de “homem” ou “mulher”. Cerca de 6 em cada 10 membros da Geração Z defendem essa visão, em comparação com a metade da Geração Y e 4 em cada 10 ou menos Geração X, Baby Boomers e membros da Geração Silenciosa.

Essa diferença se estende ao casamento LGBTQIA+, que foi legalizado pela Suprema Corte dos EUA em 2015, e ao casamento inter-racial, que o tribunal descriminalizou em todos os 50 estados em 1967.

De maneira semelhante aos Millennials que os precedem, 48% dos membros da geração Z dizem que permitir que casais gays, lésbicas e queer se casem é uma coisa boa para a sociedade, em comparação com 27% dos baby boomers e 18% dos silenciosos. Além disso, 53% da Geração Z afirma que o casamento inter-racial é bom para a sociedade, em comparação com 30% dos Baby Boomers e 20% dos silenciosos.

Geração Z e saúde mental

O relatório do Pew Research Center também oferece notícias preocupantes. Grandes conjuntos de dados nacionais, como a série de estudos financiados pelo governo Monitorando o Futuro, indicaram que a ansiedade e a depressão estão aumentando entre os adolescentes.

A pesquisa do centro com jovens de 13 a 17 anos descobriu que 7 em cada 10 jovens nessa idade dizem que esses são os maiores problemas entre seus colegas na comunidade onde vivem.

Alguns sociólogos começaram a teorizar que essas taxas crescentes de depressão e ansiedade podem resultar dos laços da geração Z com a tecnologia, com grande parte de sua visão de mundo moldada pelas mídias sociais.

Os dados também revelam a preocupação exagerada com o desempenho acadêmico, com 61% dos jovens afirmando que sentem muita pressão para tirar boas notas, muito mais do que a pressão para ter uma boa aparência (29%) ou se encaixar socialmente (28%)

Algumas das preocupações do adolescente parecem estar ligadas à situação econômica da família. Para os adolescentes que vivem em famílias que ganham menos de 30.000 dólares por ano, metade ou mais vê o consumo de álcool (50%), a gravidez na adolescência (55%) e a pobreza (55%) como os principais problemas. Isso é menos verdadeiro para adolescentes em famílias que ganham mais de 75.000 dólares por ano, onde as taxas são, respectivamente, de 43%, 22% e 29%.

Mudanças climáticas, racismo e questões de justiça social afetam a saúde física e mental da Geração Z

Mais de 8 em cada 10 jovens americanos dizem estar preocupados com a saúde do planeta, de acordo com a Pesquisa Climática Blue Shield da Califórnia NextGen, que entrevistou participantes com idades entre 14 e 24 anos.

Quando questionados sobre qual questão os preocupava mais, os participantes apontaram a categoria “meio ambiente e mudanças climáticas” como o segundo maior percentual, 47%, atrás de “racismo e justiça social”, com 62%.

As comunidades afro-americanas e de baixa renda são desproporcionalmente afetadas pela poluição do ar nos Estados Unidos, de acordo com um artigo de autoria da Princeton Student Climate Initiative, um grupo ambientalista da Universidade de Princeton.

Os hispânicos, negros e outros grupos raciais e étnicos estão em maior ameaça às ondas de calor, eventos climáticos extremos, degradação ambiental e consequentes deslocamentos do mercado de trabalho, de acordo com um estudo do Projeto Yale sobre Mudanças Climáticas e do George Mason University Center for Climate Change Communication.

De acordo com o estudo, “uma vez que as minorias são frequentemente desproporcionalmente vulneráveis ​​aos impactos das mudanças climáticas, é de vital importância que esforços conjuntos sejam feitos para envolver essas comunidades nos esforços de mitigação e adaptação”.

A eco-ansiedade pode ser um estressor adicional para alguém que sofre de um transtorno clínico do humor ou ansiedade e é difícil de trabalhar clinicamente. Com isso, os jovens estão chamando a atenção das autoridades sobre as mudanças climáticas, porque é o seu futuro que está em jogo. No entanto, ainda não é possível saber que custo essas preocupações terão para a saúde mental da geração Z.


Fontes: Pew Research Center, McKinsey Institute e Phys.org


Veja também: