Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Uma pesquisa revelou que a poluição por plástico e a crise climática interagem, piorando uma à outra

Pequenos pedaços de garrafas, sacolas, roupas e outros resíduos plásticos que se fragmentaram no meio ambiente estão influenciando o clima da Terra à medida que circulam pela atmosfera. Como outras partículas de aerossol, tanto naturais quanto sintéticas, os microplásticos parecem ter um efeito geral de resfriamento (embora pequeno), de acordo com o primeiro estudo que examinou os possíveis efeitos climáticos dos microplásticos aerotransportados. Os autores do estudo e outros pesquisadores afirmam que as descobertas, publicadas na quarta-feira na Nature, mostram a necessidade urgente de se obter um melhor controle sobre a quantidade de detritos de plástico que há no ar, onde estão e de que são feitos para melhor localizá-los. 

Todos os tipos de resíduos plásticos se desintegram em pedaços cada vez menores quando expostos à luz solar, vento, chuva e outras condições ambientais. A densidade geralmente baixa do plástico significa que esses fragmentos podem ser facilmente levados pelos ventos e espalhados pelo mundo. Nos últimos anos, os cientistas descobriram microplásticos até mesmo em picos remotos de montanhas e no Ártico.

Ocorreu aos pesquisadores — incluindo Laura Revell, uma cientista atmosférica da Universidade de Canterbury da Nova Zelândia e uma das autoras do novo estudo — que todas as partículas girando ao redor do globo interceptariam a luz do sol, assim como outros aerossóis, como poeira, sulfatos e carbono negro. Em última análise, isso influencia as temperaturas na superfície da Terra. Os sulfatos, por exemplo, espalham radiação, exercendo um efeito de resfriamento. O carbono negro, por outro lado, absorve a radiação visível e infravermelha, aquecendo a atmosfera.

Mas, ao contrário dos sulfatos ou do carbono negro, o plástico não é um único tipo de material, mas centenas. Ele engloba uma grande variedade de polímeros diferentes, bem como os produtos químicos e pigmentos que são adicionados a eles. As partículas microplásticas também vêm em uma ampla variedade de tamanhos e formas. 

Essas partículas espalham luz ultravioleta e visível e absorvem luz infravermelha. Quando os cientistas incluíram essas interações em modelos climáticos globais, eles puderam estimar o impacto das partículas no balanço de energia da Terra — que foi um resfriamento muito leve. O estudo estimou o chamado forçamento radiativo efetivo (FRE), uma medida das mudanças no equilíbrio de energia da Terra. Os microplásticos tiveram um FRE de cerca de –0,75 miliwatt por metro quadrado, enquanto todos os outros aerossóis têm um FRE entre –0,71 e –0,14 watt por metro quadrado. (Existem 1.000 miliwatts em um watt.) No nível global, o aquecimento dos gases de efeito estufa na atmosfera supera essas influências de resfriamento.

Mas os microplásticos podem ter efeitos de resfriamento ou aquecimento localizados, dependendo de como variam de um lugar para outro: há concentrações mais altas em algumas cidades, por exemplo. “Os efeitos regionais dos aerossóis podem ser significativos” mesmo quando o efeito global geral é baixo, diz o cientista climático Bjørn Samset, que estuda aerossóis no Centro de Pesquisa Climática Internacional em Oslo e não estava envolvido com o novo estudo.

O efeito exato na temperatura pode variar dependendo de quantas partículas estão envolvidas, a que altura da atmosfera elas estão e inúmeras outras variáveis. Como Revell e seus co-autores queriam fazer uma primeira tentativa de abordar a questão da influência do clima, eles presumiram uma concentração uniforme de uma partícula microplástica por metro cúbico de ar em toda a camada mais baixa da atmosfera. Mesmo os estudos de concentração limitados feitos até agora mostram grandes variações, de tão baixas quanto 0,01 partícula por metro cúbico em partes do Oceano Pacífico a tão altas quanto 5.550 partículas por metro cúbico em Pequim. Os estudos usaram diferentes métodos de amostragem e detecção, alguns dos quais perdem as menores partículas de plástico. Nos estudos que usaram métodos mais sensíveis, as partículas menores representaram metade do que foi encontrado.

A fatoração de pigmentos e outros aditivos também pode alterar o efeito que eles têm. Pigmentos, por exemplo, geralmente aumentariam a absorção de luz, o que tenderia a aquecer a atmosfera. Revell diz que simplesmente ainda não há informações suficientes para tirar tais conclusões. E também há materiais orgânicos que podem alterar as coisas ao se aglutinarem em partículas de plástico, bem como as maneiras como essas partículas podem interagir com outros produtos químicos atmosféricos ou influenciar a formação de nuvens. “Ainda não sabemos muito sobre como eles realmente se comportam na atmosfera”, diz Revell.

Embora o efeito geral que ela e seus colegas tenham calculado seja pequeno, em comparação com o de outros aerossóis, “é grande o suficiente para ser quantificado”, diz Allen, acrescentando que isso mostra a necessidade de financiar mais e melhor monitoramento de microplásticos atmosféricos. Em vez de os microplásticos serem um problema separado, ela diz, os resultados “os consolidam com segurança no argumento da mudança climática”.