Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda por que a enorme capacidade de escavação das equidnas proporciona muitos benefícios ambientais 

Imagem de Meg Jerrard em Unsplash

Após 200 anos de práticas agrícolas europeias, os solos australianos estão em mau estado: esgotados de nutrientes e matéria orgânica, incluindo carbono. Esta é uma má notícia, tanto para a saúde do solo como para os esforços para lidar com o aquecimento global.

A equidna australiana nativa, no entanto, pode conter parte da solução. As equidnas cavam poços, sulcos e depressões no solo enquanto procuram formigas. Nossa pesquisa revelou até que ponto essa “engenharia” do solo pode beneficiar o meio ambiente.

A escavação de equidnas captura folhas e sementes, o que ajuda a melhorar saúde do solo, promove o crescimento das plantas e mantém o carbono no solo, e não na atmosfera. A importância desse processo não pode ser subestimada. Ao melhorar o habitat das equidnas, podemos melhorar significativamente a saúde do solo e impulsionar os esforços de ação climática.

Escavadeiras naturais

Muitos animais melhoram a saúde do solo por meio de escavações extensas. Esses “engenheiros de ecossistema” fornecem um serviço que beneficia não apenas os solos, mas também as plantas e outros organismos.

Na Austrália, a maioria de nossos animais de escavação estão extintos, restritos ou ameaçados. No entanto, esse não é o caso da equidna, que ainda é relativamente comum na maioria dos habitats em grandes áreas do continente.

Equidnas são escavadeiras prolíficas. Nosso monitoramento de longo prazo no Scotia Sanctuary da Australian Wildlife Conservancy, no sudoeste de New South Wales, sugere que uma equidna move cerca de sete toneladas de solo a cada ano.

As depressões de solo deixadas por equidnas podem ter até 50 centímetros de largura e 15 de profundidade. Quando as formigas são escassas, como em locais altamente degradados, as equidnas cavam mais fundo para encontrar térmitas, criando fossas ainda maiores.

Essa capacidade de mover a terra involuntariamente fornece outra função criticamente importante: a combinação de sementes e água. Para que as sementes germinem, elas devem vir junto com a água e os nutrientes do solo. Nosso experimento mostrou como a escavação de equidna ajuda a fazer isso acontecer.

Testamos se as sementes ficariam presas em poços de equidna após a chuva. Marcamos cuidadosamente várias sementes com corantes de cores diferentes e as colocamos na superfície do solo em uma floresta semiárida perto de Cobar, onde cavamos poços semelhantes aos que essas equidnas criaram. Em seguida, simulamos um evento de chuva.

A maioria das sementes foi levada para as covas e as que começaram nas covas permaneceram lá. O experimento mostrou como os caroços de equidna estimulam o encontro de sementes, água e nutrientes, dando às sementes uma chance melhor de germinar e sobreviver nos solos pobres da Austrália. Os poços em recuperação tornam-se, então “pontos críticos”, de plantas e solo, a partir dos quais as plantas podem se espalhar pela paisagem.

A pesquisa também encontrou poços que também abrigam comunidades microbianas únicas e invertebrados do solo. Provavelmente, eles desempenham um papel importante na decomposição da matéria orgânica para produzir carbono no solo. Não é de se admirar que muitos esforços humanos para restaurar o solo imitem as estruturas naturais construídas por animais, como equidnas.

Equidnas como produtores de carbono

Nossa pesquisa recente também mostra como a escavação feita pela equidna ajuda a aumentar o carbono em solos esgotados. Quando a matéria orgânica se encontra na superfície do solo, ela é decomposta por uma intensa luz ultravioleta que libera carbono e nitrogênio na atmosfera.

No entanto, quando as equidnas se alimentam, o material é enterrado no solo. Lá, ele é exposto a microrganismos, que decompõem o material e liberam carbono e nitrogênio no solo. Isso não acontece imediatamente. A pesquisa sugere que leva de 16 a 18 meses para os níveis de carbono nos poços excederem os níveis de solos nus.

Todo esse processo de escavação, captura e acúmulo de equidna cria uma colcha de retalhos de lixo, carbono, nutrientes e pontos importantes para as plantas. Essas ilhas férteis geram ecossistemas saudáveis ​​e funcionais, que se tornarão mais importantes à medida que o mundo se tornar mais quente e seco.

O poder das equidnas

A restauração do solo pode ser cara e impraticável em vastas áreas de terra. Por isso, a ação das equidnas oferece uma alternativa de restauração econômica – e esse potencial deve ser aproveitado. As populações de equidna da Austrália não estão ameaçadas. Contudo, a gestão da paisagem é necessária para garantir populações saudáveis ​​de equidna no futuro.

As equidnas geralmente se abrigam em troncos ocos, portanto, a remoção da madeira caída reduz seu habitat e locais de alimentação. Restrições sobre práticas como remoção de lenha são necessárias para evitar a perda de habitat.

Além disso, por se moverem lentamente, as equidnas costumam ser mortas em nossas estradas. Para resolver isso, arbustos e plantas terrestres devem ser plantados entre manchas de mata nativa, criando corredores de vegetação para que os animais possam se locomover com segurança.

Embora os espinhos afiados de uma equidna forneçam alguma proteção contra predadores naturais, eles são menos eficazes contra predadores introduzidos, como raposas e gatos. Portanto, estratégias para controlar essas ameaças também são necessárias.

A saúde do ambiente frágil da Austrália está em sério declínio. As equidnas já estão prestando um serviço ecossistêmico valioso; por isso, devem ser protegidas e nutridas para garantir que o trabalho continue.


Este texto foi originalmente escrito por David John Eldridge para o The Conversation e traduzido por Isabela Talarico para o Portal eCycle de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original


Veja também: