Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Conheça o conceito de ecosofia, uma filosofia do meio ambiente com ação prática no mundo

A ecosofia é uma abordagem filosófica do meio ambiente, conceituada originalmente pelo filósofo norueguês Arne Naess, que enfatiza a importância da ação e das crenças individuais.

Muitas vezes referido como “sabedoria ecológica”, a ecosofia está associada a outras éticas ambientais, incluindo a ecologia profunda e o biorregionalismo.

O termo é uma combinação das palavras gregas oikos, que significa família, e sophia, que significa sabedoria. Assim como ocorre com “ecologia”, oikos, aqui, se refere a um conceito mais amplo do que a família entendida no sentido doméstico, mas a uma ideia de comunidade, de todo, de união entre semelhantes. 

Naess descreveu uma forma estruturada de investigação que ele chamou de ecofilosofia, que examina a natureza e nossa relação com ela.

Ele a definiu como uma disciplina, assim como a própria filosofia, que se baseia no pensamento analítico, na argumentação fundamentada e em suposições cuidadosamente examinadas. 

Naess distingue a ecosofia da ecofilosofia explicando que a primeira não é uma disciplina no mesmo sentido, mas o que ele chama de “filosofia pessoal”, que orienta nossa conduta em relação ao meio ambiente.

Ele define a ecosofia como um conjunto de crenças sobre a natureza e outras pessoas que variam de um indivíduo para outro. 

Em outras palavras, para Naess, todos têm sua própria ecosofia e, embora nossas filosofias pessoais possam compartilhar elementos importantes, elas se baseiam em normas e suposições que são particulares a cada um de nós.

Ecosofias individuais: uma escolha pessoal em prol do bem comum

Naess propôs sua própria ecofilosofia como um modelo para as ecosofias individuais, enfatizando o valor intrínseco da natureza e a importância da diversidade cultural e natural.

Outras discussões sobre a ecosofia concentram-se em questões semelhantes. Muitos filósofos ambientais argumentam que toda a vida tem um valor, que independe das perspectivas e usos humanos e que não deve ser adulterado, exceto para o bem da sobrevivência. 

O crescimento da população humana ameaça a integridade de outros sistemas de vida. Por isso, esses pensadores argumentam que o número de indivíduos humanos deveria ser reduzido substancialmente, e que mudanças radicais nos valores e atividades humanas são necessárias para integrar os humanos de forma mais harmoniosa no sistema total – ou seja, no planeta e no meio ambiente como um todo. 

Uma filosofia voltada para a ação prática no mundo

A ecosofia é um paradigma para o raciocínio ecológico que se sustenta em uma estrutura filosófica, mas voltada para a ação prática, por meio do engajamento político e da ação cotidiana (os dois combinados constituem um estilo de vida). 

A maior influência do ser humano sobre o entorno que Naess defende é aquela que, como resultado, implica um menor impacto sobre o meio ambiente e maior sustentabilidade das comunidades humanas com a natureza. 

Entre 1985 e 1992, o semiótico e psiquiatra francês Félix Guattari também desenvolveu o conceito de ecosofia, como uma estrutura de empoderamento em oposição ao estilo de vida capitalista, um paradigma integrado levando em consideração as três ecologias que Gregory Bateson já havia identificado: ambiental, social e mental.

Do ponto de vista ecosófico, nosso oikos é a Terra tomada como um todo, como a habitamos. Para nós, uma ecosofia é uma visão de mundo filosófica ou um sistema inspirado por nossas condições de vida na ecosfera.

Tanto Naess quanto Guattari sugerem que uma ecosofia é mais do que um mero sistema abstrato de pensamento. 

Na verdade, ela exige uma mudança radical nas visões e crenças, desafiando modelos antropocêntricos há muito estabelecidos que governam a dicotomia natureza e cultura, a noção de domínio e propriedade sobre outras espécies e as premissas finais da vida.

Os 8 princípios da ecosofia

Naess e outros propuseram um conjunto de oito princípios para caracterizar o movimento da ecologia profunda como parte do movimento da ecologia geral.

Esses princípios são endossados ​​por pessoas de diversas origens que compartilham preocupações comuns com o planeta, seus muitos seres e comunidades ecológicas. 

Em muitas nações ocidentais, os defensores dos princípios da ecosofia vêm de diferentes origens religiosas e filosóficas.

Suas filiações políticas diferem, mas o que os une é uma visão de longo prazo do que é necessário para proteger a integridade das comunidades e valores ecológicos da Terra. 

Diferentes pessoas e culturas têm diferentes crenças e histórias de vida. No entanto, eles podem apoiar a ecosofia e praticar ações nos âmbito individual e coletivo em busca de soluções para a crise ambiental em que nos encontramos. 

Cada pessoa tem algo único com que contribuir para a teoria e a prática do conceito, mas conhecer os oito princípios do movimento pode ajudar você a encontrar um norte para formular a sua própria ecosofia. Confira.

1. O bem-estar e o florescimento da Vida humana e não humana na Terra têm valor em si mesmos (sinônimos: valor intrínseco, valor inerente). Esses valores são independentes da utilidade do mundo não humano para propósitos humanos.

2. A riqueza e a diversidade das formas de vida contribuem para a realização desses valores e também são valores em si mesmas.

3. Os humanos não têm o direito de reduzir essa riqueza e diversidade, exceto para satisfazer necessidades humanas vitais.

4. O florescimento da vida humana e das culturas é compatível com uma diminuição substancial da população humana. O florescimento da vida não humana requer tal diminuição.

5. A interferência humana presente no mundo não humano é excessiva e a situação está piorando rapidamente.

6. As políticas devem, portanto, ser alteradas. Essas políticas afetam as estruturas econômicas, tecnológicas e ideológicas básicas. O estado de coisas resultante será profundamente diferente do presente.

7. A mudança ideológica consiste principalmente em valorizar a qualidade de vida (habitar em situações de valor inerente) em vez de aderir a um padrão de vida cada vez mais elevado. Haverá uma profunda consciência da diferença entre grande e grande.

8. Os subscritores dos pontos anteriores têm a obrigação de, direta ou indiretamente, tentar implementar as modificações necessárias.