Obesidade entre jovens aumentou mais de dez vezes nas últimas quatro décadas, revela OMS

eCycle

Problema foi descrito pela agência da ONU como “uma crise mundial de saúde”

Obesidade

O número de jovens obesos, com idade de cinco a 19 anos, aumentou mais dez vezes nas últimas quatro décadas, passando de 11 milhões em 1975 para 124 milhões em 2016. É o que revela um estudo da Imperial College London e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Pesquisa foi lançada para o Dia Mundial da Obesidade, lembrado em 11 de outubro. Problema foi descrito pela agência da ONU como “uma crise mundial de saúde”.

Se as tendências atuais se mantiverem, haverá mais crianças e adolescentes com obesidade do que com desnutrição até 2022. Em 2016, havia 50 milhões de meninas e 74 milhões de meninos com obesidade no mundo, enquanto o número global de meninas e meninos com desnutrição moderada e grave era de 75 milhões e 117 milhões, respectivamente.

Os dados foram estimados a partir das medidas de peso e altura de cerca de 130 milhões de pessoas com mais de cinco anos de idade — 31,5 milhões de indivíduos entre os cinco e os 19 anos e 97,4 milhões com mais de 20 anos. Esse é o maior contingente de participantes envolvidos em um estudo epidemiológico.

Mais de mil colaboradores contribuíram para a elaboração do levantamento, que avaliou o índice de massa corporal (IMC) para investigar como a obesidade mudou ao longo dos últimos 40 anos.

As taxas de obesidade em crianças e adolescentes passaram de menos de 1% em 1975 — o equivalente a 5 milhões de meninas e 6 milhões de meninos — para quase 6% entre as jovens e quase 8% entre os rapazes, em 2016. Além dos 124 milhões de jovens de cinco a 19 anos com obesidade, outros 213 milhões estavam com sobrepeso, segundo cálculos referentes ao ano passado.

Para Fiona Bull, coordenadora do programa de vigilância e prevenção de doenças crônicas não transmissíveis da OMS, os resultados do estudo “destacam, relembram e reforçam que o sobrepeso e a obesidade são atualmente uma crise mundial de saúde e, ao menos que comecemos a tomar medidas drásticas, deve piorar nos próximos anos”.

Alimentos saudáveis precisam ser mais acessíveis

O principal responsável pela pesquisa e professor da Escola de Saúde Pública da Imperial College, Majid Ezzati, aponta que o avanço da obesidade afeta todos os países, independentemente de seu estado de desenvolvimento.

“Nas últimas quatro décadas, as taxas de obesidade em crianças e adolescentes aumentaram em todo o mundo e continuam a crescer em países de baixa e média renda. Mais recentemente, se estenderam aos países de maior renda, embora os níveis de obesidade permaneçam inaceitavelmente altos”, explica.

Para o especialista, políticas públicas devem favorecer o consumo de alimentos saudáveis, garantindo preços acessíveis. “Essas tendências preocupantes refletem o impacto do marketing e das políticas de alimentos em todo o mundo, com alimentos nutritivos e saudáveis caros demais para famílias e comunidades pobres”, criticou o docente.

Segundo o pesquisador, as crianças do futuro terão mais chances de crescerem obesas e de terem doenças como o diabetes. “Precisamos de maneiras para tornar o alimento saudável e nutritivo mais disponível em casa e na escola, especialmente entre famílias e comunidades pobres, além de regulamentos e impostos para proteger as crianças de alimentos pouco saudáveis”, acrescentou Ezzati.

De acordo com a OMS, o cenário é sintomático de que a má nutrição — em todas as suas formas, seja a subnutrição, seja a obesidade — continua sendo um desafio para todos os países.

Na avaliação do organismo das Nações Unidas, crianças e adolescentes passaram rapidamente de uma maioria com desnutrição para uma maioria com sobrepeso em muitos países de média renda, incluindo no Leste Asiático, América Latina e Caribe.

Os autores da publicação ressaltam que isso pode ser reflexo de um crescimento no consumo de alimentos mais calóricos, especialmente carboidratos altamente processados, que levam ao aumento de peso e a baixos resultados de saúde ao longo da vida.

Soluções

Junto com o estudo, a OMS lançou o plano de implementação da iniciativa Ending Childhood Obesity (Acabando com a Obesidade Infantil, em tradução livre para o português). Documento apresenta recomendações para países e parceiros. Entre as orientações da OMS, estão:

  • A implementação de programas integrais que promovam a ingestão de alimentos saudáveis e reduzam o consumo de alimentos não saudáveis e bebidas açucaradas entre crianças e adolescentes;
  • A implementação de programas integrais que promovam atividades físicas e reduzam comportamentos sedentários entre crianças e adolescentes;
  • A integração e fortalecimento das orientações para a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, com orientações atualizadas para o momento pré-concepção e cuidados pré-natais para reduzir o risco de obesidade na infância;
  • A difusão de orientações e prestação de assistência para promover dietas saudáveis, sono e atividades físicas durante a primeira infância, a fim de assegurar que as crianças cresçam apropriadamente e desenvolvam hábitos saudáveis;
  • A implementação de programas integrais que promovam ambientes escolares saudáveis, aulas sobre saúde e nutrição e atividades físicas entre crianças e adolescentes na idade escolar;
  • O oferecimento de serviços familiares na gestão de peso e estilo de vida para crianças e jovens que são obesos.

Fonte: ONU

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail