Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Só na Europa, indústria de cosméticos usa 5 mil toneladas de glitter microplástico por ano; mas nova formulação promete acabar com esse problema

Qualquer pessoa que já usou glitter sabe como é difícil limpar todo esse microplástico do corpo. O brilho chega a lugares inusitados: couro cabeludo, orelha e vai se espalhando. Como a maior parte é feita de plástico, não desaparece. Mas cientistas da Universidade de Cambridge, empenhados em resolver o problema da poluição por microplástico, desenvolveram um glitter completamente à base de plantas que pode realmente se biodegradar.

Não parece, mas o glitter é um problema sério. Embora pequeno, o glitter pode ser um grande problema ambiental. Quando  é adicionado aos cosméticos, vai embora pelos ralos das residências até chegar em rios, oceanos e organismo de animais. A mica e o dióxido de titânio, substitutos alternativos ao glitter de plástico, têm seus próprios problemas: a mineração do primeiro é uma prática repleta de trabalho infantil; e o dióxido de titânio foi proibido na União Europeia devido aos seus efeitos potencialmente tóxicos e cancerígenos, especialmente se digerido.

Pesquisadores da Universidade de Cambridge afirmam que o glitter à base de celulose resolve todos esses problemas, proporcionando um brilho mais seguro e sustentável. As primeiras versões dessa alternativa foram feitas de polpa de madeira — cujos detalhes você pode ler na revista Nature Materials —, mas qualquer produto vegetal com celulose facilmente extraível pode ser utilizado no processo de confecção do glitter biodegradável, como algodão e cascas de manga, banana e borra de café, diz Silvia Vignolini, professora de química da universidade. (E como é feito apenas de celulose, também pode ser consumido com segurança, dizem os pesquisadores.)

Para fazer com que o glitter de celulose brilhasse não foi necessário adicionar nenhum revestimento de plástico ou camadas de alumínio. Em vez disso, eles usaram um processo chamado “coloração estrutural”, no qual superfícies estruturais microscópicas dobram as ondas de luz de tal forma que produzem pigmentos. As cores estruturais podem ser vistas na natureza, como em uma pena iridescente de pavão ou no azul metálico de do mármore.

“Os nanocristais de celulose são organizados de forma que possam dar cor”, diz Benjamin Droguet, também pesquisador do departamento de química e primeiro autor do artigo. Os nanocristais formam uma estrutura helicoidal, o que significa que as camadas giram como se dispostas em uma espiral. Pense nisso como uma escada, diz ele. “A forma de controlar a cor é simplesmente mudando o tamanho dessas helicoides, para que possamos imaginar uma escada com níveis que estão em distâncias diferentes entre si. Quanto maiores as características, mais longos os comprimentos de onda da luz que serão refletidos ”, o que então muda as cores que vemos.

As partículas de celulose que eles usaram da polpa de madeira formam essas estruturas por meio de um processo chamado automontagem: os cristais de celulose se alinham e depois se retorcem. Mas para realmente transformar isso em glitter, os pesquisadores tiveram que criar filmes de celulose em grande escala, e eles fizeram isso embalando celulose em água. Conforme a água evapora, ela força os materiais a se contraírem, o que leva essa automontagem àqueles em espiral, cores que refletem a luz. Então eles moeram aquela película de celulose colorida em minúsculas partículas do tamanho de purpurina. Como o único ingrediente são as plantas, não importa o que aconteça com a purpurina, ela acabará se biodegradando.

Com esse método, os pesquisadores não precisam adicionar nada à celulose para criar cores brilhantes. “A celulose por si só é um material transparente”, diz Vignolini. É quando você o organiza e estrutura nesse tipo de escala que ele pode fornecer cor. “Pense em uma bolha de sabão”, diz ela. “A água é transparente, mas assim que você cria aquela camada de bolha de sabão, você começa a ver as cores.” O principal objetivo dos pesquisadores, acrescenta, é encontrar uma solução mais sustentável para os pigmentos em geral. A maneira como fazemos qualquer cor artificial geralmente requer um processo com muita química e muita energia.

Usar esses pigmentos e brilhos totalmente celulósicos pode ser revolucionário para a indústria de cosméticos em particular. Na Europa, a indústria de cosméticos usa cerca de 5 mil toneladas de microplásticos por ano. O artigo da Nature Materials comprova que esse glitter biodegradável de celulose pode ser produzido em máquinas industriais, por meio daqueles rolos de filmes de celulose. O próximo passo é aumentar a escala da produção para equipamentos ainda maiores e comercializar seus pigmentos e brilhos nos próximos anos. “No momento, com o glitter, as pessoas não pensam necessariamente que ele tenha um grande impacto no meio ambiente”, diz Droguet, “mas o fato é que essas partículas brilhantes são usadas em todos os lugares”. Eventualmente, a celulose biodegradável pode substituí-lo.