Por que o macarrão instantâneo faz mal?

eCycle

Conheça os perigos para a sua saúde por trás do prático e, para alguns, saboroso macarrão instantâneo

Miojo engorda

O macarrão instantâneo, também conhecido popularmente como miojo, é um alimento comum no cotidiano de muitas pessoas. Geralmente é consumido por indivíduos solteiros e estudantes... Esse pessoal que tem aquela leve preguiça de cozinhar. Além de ter um custo extremamente baixo, pode ser preparado em três minutos (depois que a água ferver, claro) e possui um sabor que, se não é igual ao do melhor dos talharins, pelo menos "dá pro gasto". Mas muitos sabem que como tudo no mundo dos alimentos gostosos, o miojo faz mal e não é lá muito saudável, contando com um baixíssimo valor nutricional.

Origem do miojo

O macarrão instantâneo teve sua origem no Japão. Ele foi criado por Momofuku Ando, que tinha como filosofia de vida a frase "A paz está garantida enquanto não se está com fome". Ando desenvolveu um método em que o macarrão era seco e depois frito, a fim de garantir uma praticidade em seu preparo, além de poder ser conservado por maior tempo nas prateleiras sem estragar.

Em 1971, foi introduzido no mercado o Nissin Cup Noodles, um macarrão instantâneo em um copo de poliestireno, no qual era necessário apenas adicionar água fervendo para o preparo do alimento. No Brasil, o macarrão instantâneo foi inicialmente comercializado com a marca "Miojo" e se tornou sinônimo do produto para a maioria dos brasileiros.

De acordo com uma pesquisa realizada no Japão, os habitantes locais acreditam que a melhor invenção do século XX foi o macarrão instantâneo. Lá, são consumidas mais de cinco bilhões de unidades de macarrão instantâneo todos os anos. No mundo, aproximadamente 95 bilhões de unidades anuais passam pelo estômago de muita gente.

Miojo faz mal?

O miojo, como já adiantamos no início do texto, não é um dos alimentos mais saudáveis.

Numa pesquisa realizada na Coreia do Sul, país em que as pessoas consomem grandes quantidades desse alimento, o doutorando da Universidade de Harvard, Hyun Shin, e sua equipe analisaram cerca de 11 mil pessoas com idades entre 19 e 64 anos. Os participantes relatavam o que comiam a cada dia, e os pesquisadores anotavam quando eles consumiam alimentos de fast food, alimentos comuns e macarrão instantâneo.

Depois de acompanhá-los por certo período, os pesquisadores constataram que as mulheres que comiam mais miojo tinham maiores chances de desenvolverem "síndrome metabólica". Pessoas com esse problema podem ter aumento da pressão arterial e dos níveis de açúcar no sangue, além de maior risco de desenvolvimento de doenças cardíacas, diabetes e derrames. Nos homens, devido às diferenças biológicas entre os sexos, como o efeito de hormônios sexuais e do metabolismo, pode ser explicada uma falta aparente da associação entre comer macarrão instantâneo e o desenvolvimento de síndrome metabólica.

Além dessa descoberta recente, o macarrão instantâneo é rico em gorduras e possui quantidades absurdas de sódio (equivalem a aproximadamente 60% da necessidade diária - cerca de 1400 mg - por uma unidade de 80 g) que, de acordo com nutricionistas, podem contribuir para o desenvolvimento de problemas de saúde. Por isso, deve-se evitar o consumo desse alimento. Caso você não consiga parar, não consuma o macarrão instantâneo todos os dias. Outra dica legal é tornar o miojo mais saudável, adicionando vegetais e outros alimentos não processados.


Veja também:


 

Comentários  

 
+3 #1 2015-03-04 08:11
Bem já não é mais todos os dias, mas mesmo contrariando a razão um miojinho mesmo que de vez em quando cai muito bem. E olha que não é preguiça não, pq cozinhar é uma das coisas que mais gosto de fazer.

Mas valeu obter mais este conhecimento e poder compartilhar. Só uma dica use apenas a massa do Miojo, monte seu próprio tempero e adicione, legumes, alguma carne em pedaço e pront
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail