Novo modelo de caixa promete diminuir o desperdício de alimentos

eCycle

A partir de escaneamento 3D de frutas e hortaliças, modelo foi criado. Brasil é um dos países que mais desperdiçam alimento no mundo

Para reduzir o desperdício de alimentos, em especial frutas e hortaliças, durante seu transporte, o Instituto Nacional de Tecnologia (INT) do Rio de Janeiro foi responsável pela criação de um novo tipo de embalagem que promete diminuir esse tipo de perda. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), cerca de 40% da produção atual de alimentos no mundo é danificada devido ao transporte.

De acordo com o INT, a nova embalagem combina uma bandeja reciclável com uma base articulada e retornável, parecida com uma pequena caixa.

As bandejas têm formatos variados, criados a partir do escaneamento 3D de frutas como caquis, mangas e mamões. Desse modo, o encaixe ergonômico evita que haja deslocamentos bruscos durante o período de transporte. Além disso, as bandejas podem ser produzidas em PET transparente e reciclável.

Também foram aperfeiçoadas as bases das embalagens - elas se dobram e se armam com um simples movimento, facilitando a logística, além de ocuparem menor tempo de montagem em relação às caixas convencionais. As bases das caixas também se encaixam entre si, o que permite o empilhamento unificado. Sem contar o fato de que a estrutura é aerada e leve. Tudo isso faz com que o impacto do transporte sobre os alimentos seja reduzido, diminuindo o desperdício ao longo da cadeia de venda e de distribuição.

O tamanho das caixas foi adequado aos pallets nacionais e europeus. As embalagens têm ventilação e resfriamento apropriados para quando as frutas estiverem empilhadas em mais caixas, evitando o amadurecimento precoce.

A embalagem carioca recebeu, em fevereiro de 2013, o prêmio IF Design Award, a mais importante condecoração internacional em design, que dá direito à exibição do selo de qualidade da IF.

Reduzir o desperdício é fundamental para o Brasil. Segundo relatório da FAO, o país está entre os dez que mais desperdiçam no mundo. De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), 50% do total desperdiçado, em relação a frutos e hortaliças, ocorre durante o manuseio e transporte desses alimentos.

Vantagens no setor de Embalagens

A inovação criada pelo INT é apenas uma entre as diversas soluções tecnológicas que estão sendo pesquisadas atualmente. A lista é extensa e inclui embalagens fabricadas com biopolímeros recicláveis, sistemas de fácil abertura, métodos alternativos de fechamento, filmes plásticos de alta barreira a gases e latas com formatos diferenciados.

O Brasil é hoje o sétimo maior mercado de embalagens atrás do Estados Unidos, China, Japão, Alemanha, França e Canadá, tendo evoluído em 30% nos últimos cinco anos. Projeções feitas por consultores especializados indicam que dentro de três anos o país ultrapassará Canadá e França, assumindo assim o quinto posto. Esse crescimento é explicado principalmente pela melhora do cenário econômico e aumento de renda da população, o que tem impulsionado o mercado de bens e consumo.

Apesar de todo esse crescimento e inserção do Brasil na cadeia global de embalagens, a variedade encontrada no Brasil ainda é restrita, pois apesar de possuir produtos de alta tecnologia, algumas tendências para o futuro ainda são raras no país, como o sistemas mais sofisticados de fácil abertura, embalagens ativas e inteligentes - que controlam os gases e a umidade ao redor de frutas ou incorporam absorvedores de oxigênio para preservar alimentos e bebidas por mais tempo – e outras tecnologias de rastreabilidade, como as etiquetas de identificação por radiofrequência.

Embalagens são necessárias, mas evite o excesso

Como demonstra a caixa criada pelo INT, as embalagens podem ser essenciais para que outros recursos, como água e energia, não sejam desperdiçados ao longo da cadeia de produção. No entanto, é possível evitá-las quando não são necessárias para evitar a poluição - veja mais aqui.

Fonte: Agência FAPESP

Veja também:
-Maioria dos plásticos libera compostos parecidos com estrogênio, o que pode enganar o organismo e trazer problemas à saúde
-Empresa brasileira desenvolve material bactericida para aplicar a embalagens plásticas e itens de metal
-Prato comestível: opção gostosa para poupar sabão e água depois da refeição


 

Comentários  

 
0 #1 2013-07-05 22:42
pra mim isso aí NÃO É alimentação e logística inteligente e sustentável. pelo contrário. é apenas mais um produto do nicho da 'economia verde'. não temos de ficar bolando embalagens ainda mais sofisticadas e caras (e que demandam recursos), e sim, mudar a base disso: reduzir os quilômetros alimentares, ativar/valorizar produções/economias locais, comer o que é da estação e da sua região etc.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail