Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Café sustentável depende da adoção de práticas como capacitação de profissionais e preservação de recursos hídricos

Imagem de Rodrigo Flores no Unsplash

O café sustentável é um ramo em ascensão dentro do mercado e envolve a adoção de diversas práticas no campo. O Brasil é o maior produtor e exportador de grão de café, além de ser o maior consumidor mundial da bebida.

Nesse contexto, o café sustentável permite que os cafeicultores se diferenciem no mercado e alcancem um consumidor atento a práticas de sustentabilidade. Os grãos considerados sustentáveis também têm um valor de mercado mais alta, o que atrai os produtores.

Café sustentável

O ramo do café sustentável não é muito diferente de outros setores, de modo que para fazer jus à denominação as empresas cafeicultoras precisam criar processos de produção, serviços, métodos de gestão ou de negócio inovadores e que tragam resultados positivos para a sociedade e o meio ambiente. Alguns fatores envolvidos são a redução de riscos ambientais, da poluição e de outros impactos negativos do uso de recursos.

Além disso, para ser considerado como um café sustentável, o negócio também precisa ser eficiente em termos econômicos, respeitar a capacidade de suporte do meio ambiente e ser instrumento de justiça social, promovendo a inclusão social.

Segundo o Sebrae, “a relação entre inovação e sustentabilidade pode ser entendida como sendo aquela que cria valor agregado sem comprometer o equilíbrio entre os aspectos econômico, ambiental e social das empresas. E a consequência é o fortalecimento da sua competitividade, lucratividade e até mesmo sobrevivência.”

A inovação feita com base no tripé da sustentabilidade é considerada fundamental para o setor do café sustentável, e tem três principais características:

  • Valoriza a humanização das rotinas de trabalho, como o combate ao trabalho infantil e a capacitação do pessoal que trabalha na lavoura. Os trabalhadores devem estar devidamente registrados no Ministério do Trabalho. Além disso, precisam ter sua segurança garantida, com a atenção aos equipamentos de proteção individual.
  • Adoção de práticas que garantam a preservação dos recursos hídricos, da biodiversidade e da qualidade do ar. Deve ser cumprida a regulamentação do uso de agrotóxicos e fertilizantes, além da devida gestão dos resíduos, que podem ser utilizados para a produção de biofertilizantes.
  • Cultivar grãos de melhor qualidade e com preços que remunerem o produtor.

Diferenciais do café sustentável

O café sustentável segue uma regulamentação específica em sua cadeia de produção, que conta com recomendações para plantio, cuidados com a lavoura, colheita, armazenamento e torrefação. Segundo o Sebrae, essas exigências favorecem os pequenos e médios produtores, que podem ter maior controle das etapas, cumprindo as exigências do mercado sustentável. A produção de café orgânico é parte desse nicho e também está em expansão.

O modelo do café sustentável também atrai cooperativas e associações de cafeicultores, cuja produção pode se dar de modo independente, quando o cafeicultor realiza todos os ciclos, ou integrado, quando as etapas produtivas são divididas entre os membros da cooperativa.

A implementação do sistema de produção do café sustentável pode ter custos iniciais que superam as rotinas tradicionais. No entanto, o produto final tem mercado garantido, com maior valor de venda, o que compensa os investimentos.

O respeito ao trabalhador e o incentivo à capacitação na produção do café sustentável são atrativos para conseguir mão de obra, fator que pode ser um desafio para os cafeicultores. Esse modelo de produção também envolve menos riscos que o convencional, o que resulta em um produto de melhor qualidade.

Certificação do café sustentável

A Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic) oferece uma certificação aos cafeicultores que investem na produção sustentável. O selo “Cafés Sustentáveis do Brasil” pode ser solicitado e a associação oferece apoio quanto às normas necessárias para qualificação dos produtores.

O processo de certificação tem início com o preenchimento de um termo de adesão. O produtor é orientado sobre as etapas para que seu café seja considerado sustentável e terá um prazo para se adequar às regras. Cumpridas as exigências, o processo produtivo do café será avaliado para atestar se a propriedade cumpre a regulamentação, recebendo assim o certificado sustentável.

O café sustentável pode ser produzido em uma mesma propriedade que mantém o sistema convencional de plantio. É necessário que o produtor separe uma parte do terreno para a lavoura sustentável. O selo da Abic é emitido para os produtos torrado e moído e em geral está ligado a outros certificados, como Rainforest Alliance, Fair Trade, Utz Certified, Certifica Minas ou Orgânico, que são responsáveis pela avaliação e auditoria das fazendas.

Para receber o selo, o café sustentável certificado deve comprovar que um mínimo de 60% do blend – a matéria-prima básica para cafés superiores e gourmets – é proveniente de fornecedores sustentáveis.


Fontes: Sebrae e Cocapec

Veja também: