Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Apesar de bonitos, os balões podem provocar uma série de danos ao meio ambiente e aos animais. Confira

Imagem de Ankush Minda em Unsplash

Os balões podem ser muito bonitos, mas seus impactos ambientais podem ser desastrosos. Você sabia que todos os balões lançados, intencionalmente ou não, voltam para a Terra como lixo – incluindo aqueles comercializados como “látex biodegradável”? E não é só isso: os balões matam incontáveis ​​animais e causam falhas de energia perigosas. Eles podem viajar milhares de quilômetros e poluir os lugares mais remotos e intocados.

Os balões voltam para a terra e o mar, onde podem ser confundidos com comida e comidos por animais. Tartarugas marinhas, golfinhos, baleias, peixes e pássaros foram encontrados com balões em seus estômagos. Além disso, fios e fitas usados como acessórios podem causar emaranhamento, provocando a morte desses e de outros animais.

Tipos de balões

Existem dois tipos de balões de uso geral: os de látex e mylar. Embora os balões de látex sejam considerados biodegradáveis, eles demoram de 6 meses a 4 anos para se decompor – tempo suficiente para causar muitos estragos.

Balões de látex flutuam por apenas 10 horas, mas podem levar um ano ou mais para se degradar. Nesse meio-tempo, eles podem enroscar no pescoço de animais, sufocando-os, ou ser ingeridos por tartarugas, aves marinhas e mamíferos marinhos. Cientistas que trabalham com baleias encalhadas, golfinhos, focas e tartarugas marinhas encontraram balões, partes de balões e fios de balões no estômago de muitos desses animais mortos.

Já os balões de Mylar são feitos de náilon de mylar, um material desenvolvido para uso com o programa espacial dos EUA. Os balões feitos de mylar são geralmente revestidos com um acabamento metálico e estão disponíveis em uma variedade de formas e designs impressos.

Os balões Mylar são muito menos amigáveis ​​ao meio ambiente. Na verdade, eles são feitos de poliéster metalizado, um material que causa imensos prejuízos ambientais tanto na produção quanto no descarte.

Como os balões impactam a vida selvagem?

Um único balão pode viajar milhares de quilômetros e acabar poluindo um ecossistema aquático, marinho ou terrestre. Um pássaro, peixe ou tartaruga marinha também pode fatalmente confundir os restos resultantes do balão com comida e/ou ficar preso nas longas fitas ou fios do balão.

No caso de um lançamento em massa de balões, comum em casamentos, formaturas, memoriais e eventos festivos, centenas ou até milhares de balões podem ser lançados simultaneamente, causando enormes danos ambientais.

Infelizmente, essas não são ocorrências incomuns. Todos os dias, balões e fitas e cordões de balões são descobertos espalhados por praias, rios, lagos, oceanos, bem como florestas, campos agrícolas e outros espaços verdes. Como resultado direto, animais selvagens, rebanhos e animais de estimação são feridos ou mortos por causa dos destroços de balões.

O número de balões encontrados em praias e litorais triplicou na última década. Em 2017, a Aliança dos Grandes Lagos relatou ter encontrado 3.604 balões no Lago Michigan e 7.196 em todos os Grandes Lagos.

A poluição marinha e aquática tem se tornado uma preocupação crescente em todo o mundo, especialmente quando se trata de plástico. Em um relatório de 2016 emitido pela Ellen MacArthur Foundation e o Fórum Econômico Mundial, afirmou-se que, se a taxa atual de poluição por plástico continuar, haverá mais plástico no oceano do que peixes em 2050.

Essa previsão gerou alarme em todo o mundo e crescentes pedidos de proibição de sacos plásticos, canudos e outros itens de uso único, incluindo mylar, látex e outros materiais “biodegradáveis”, que de decomposição rápida não têm nada.

À medida que aumenta a conscientização pública sobre a poluição marinha e de plástico, um movimento crescente nos Estados Unidos está pedindo mais políticas e leis para restringir ou eliminar plásticos de uso único, incluindo balões. Cidades como Toledo, Ohio, Provincetown, Massachusetts, Wrightsville, Carolina do Norte e New Shoreham, Rhode Island também aprovaram leis que proíbem o lançamento de balão e, em alguns casos, a venda desses itens dentro dos limites da cidade.

Perigo para o meio ambiente

“Durante anos, biólogos documentaram os impactos negativos dos balões de látex sobre a vida selvagem marinha. Mais recentemente, os pesquisadores viram evidências devastadoras do que eles também podem fazer com a vida selvagem terrestre.

O látex natural é biodegradável e ambientalmente seguro, mas, de acordo com a Rubber Technology, é tratado com substâncias tóxicas contra a decomposição bacteriana. Os balões são geralmente feitos com uma pequena quantidade de plastificante adicionada.

Eles dificilmente se classificam como naturais depois de tudo isso. Na verdade, os operadores da estação de tratamento de esgoto relatam que o látex é um dos vários materiais problemáticos que não são afetados pelo sistema de tratamento biológico.

Um relatório encontrado no site da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, intitulado Ocean Conservancy Beach Debris Data, mostra milhares de balões retirados de cursos de água e da costa.

O hélio é sustentável? 

Infelizmente, o próprio hélio tem uma pegada ecológica bastante significativa. Embora não seja poluente, é insustentável. Na verdade, estamos ficando sem hélio de fácil acesso rapidamente, devido ao seu uso extensivo em produtos desnecessários, como balões.

Precisamos de hélio acessível para outros produtos que valorizamos, como scanners de ressonância magnética, fibra óptica e telas de LCD. Embora nunca possamos realmente ficar sem hélio (ele está sempre presente no ar), é importante nunca desperdiçar nenhum recurso valioso.

Evite essas alternativas

Várias opções tornaram-se populares recentemente e são anunciadas como alternativas ecológicas aos lançamentos de balões, mas também apresentam desvantagens.

As lanternas do céu, ou lanternas de papel chinesas, são essencialmente velas transportadas pelo ar envoltas em um papel e bambu ou estrutura de arame. Uma vez liberados, eles podem flutuar e pousar em qualquer lugar. Vários estados proibiram seu uso devido a este potencial óbvio de início de incêndio – eles têm sido a fonte de vários incêndios florestais nos Estados Unidos, bem como incêndios domésticos no Reino Unido.

Os lançamentos de borboletas são outra atividade a ser evitada. Dependendo da espécie, esses insetos dependem de plantas específicas para alimentação, néctar e reprodução. Se forem libertadas em uma área onde não são nativas (ou liberadas durante a estação errada), essas borboletas morrerão. Quando borboletas criadas em cativeiro interagem com populações selvagens, as doenças também podem se espalhar.

Alternativas ecológicas

Embora geralmente haja boas intenções por trás da prática de soltar balões, como homenagear um evento, mostrar a lembrança de uma pessoa ou simbolicamente “deixar algo ir”, as pessoas não percebem (ou talvez escolham ignorar) que, uma vez soltos, os balões se tornam nada mais do que lixo flutuante.

Se você está procurando se lembrar de alguém ou algo, plantar uma árvore ou jardim memorial é uma ótima maneira de prestar uma homenagem. Mas, caso a sensação de liberar algo no ar seja o que você busca, soprar bolhas é uma opção igualmente satisfatória. Outra opção é colher folhas e flores já caídas no chão e jogá-las em um riacho, para que sejam levadas pelas águas.


Fontes: One Green Planet, Encenter e Planet Blue University of Michigan


Veja também: