Loja
Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo

Anemia hemolítica é uma condição autoimune na qual os anticorpos do organismo destroem os glóbulos vermelhos

A anemia hemolítica autoimune (AHAI) é uma doença autoimune que se caracteriza pela destruição de glóbulos vermelhos. Ela é causada pelos próprios anticorpos do organismo, os chamados “autoanticorpos”, que se ligam a antígenos na membrana dos glóbulos vermelhos. A produção de anticorpos contra os próprios glóbulos vermelhos desencadeia essa condição.

Além disso, segundo o Núcleo de Apoio Técnico ao Judiciário (Natjus), a anemia hemolíticatambém pode surgir após infecções, como as provocadas por vírus como Epstein-Barr ou Parvovírus B19, ou por bactérias como a Mycobacterium pneumoniae ou Treponema pallidum quando provoca sífilis terciária”.

Segundo relatório do Ministério da Saúde, existem três tipos diferentes dessa condição: quente, fria e mista. O mecanismo fisiopatológico dominante é a falha em manter a autotolerância.

Anemia hemolítica quente

Na anemia autoimune quente, os anticorpos quentes reagem mais fortemente à temperatura corporal de 37°C.

Anemia hemolítica fria

Na anemia hemolítica autoimune fria, a destruição dos glóbulos vermelhos acontece a temperaturas entre 4º e 18ºC pelos anticorpos frios.

Anemia hemolítica mista

Na forma mista, há a presença de anticorpos quentes e frios que coexistem.

A anemia hemolítica autoimune pode estar associada a doenças crônicas, como a hemoglobinúria paroxística, ao uso de medicamentos ou a neoplasias. Entretanto, é uma condição bastante rara.

Quais são os sintomas da anemia hemolítica?

Os sintomas mais comuns da anemia hemolítica são dispneia (desconforto para respirar), fadiga, palpitações e dor de cabeça. A condição também pode causar palidez e icterícia.

Em crianças, a anemia hemolítica autoimune é geralmente autolimitada (tem período limitado e determinado). Em adultos, é usualmente crônica, podendo apresentar exacerbação e remissão ao longo do tempo.

Quais os riscos da anemia hemolítica?

Em casos graves da doença, o paciente pode desenvolver doenças cardíacas, pulmonares ou condições que afetam o cérebro. Por conta disso, é importante compreender suas causas, como diagnosticá-la e seus possíveis tratamentos.

O que causa anemia hemolítica?

Nem sempre é possível identificar a causa da AHAI. No entanto, ela pode surgir de forma secundária associada a outras doenças autoimunes, como: 

  • Artrite reumatoide
  • Lúpus
  • Câncer
  • Reação a antibióticos e outros medicamentos

Ela ainda pode ocorrer após infecções por bactérias (como a Mycobacterium pneumoniae) ou vírus (como o Parvovírus B19 e o Epstein-Barr).

Qual exame detecta anemia hemolítica?

Existem várias formas de diagnóstico da anemia hemolítica. Uma delas é por meio do hemograma com contagem de plaquetas, sendo a contagem de reticulócitos (glóbulos vermelhos jovens) um indicador valioso. Isso porque esse exame mostra como o corpo está tentando compensar a destruição das hemácias (hemólise extravascular ou intravascular). 

O exame também é conhecido como esfregaço de sangue periférico.

Como identificar anemia hemolítica no hemograma?

Uma das características laboratoriais dessa anemia é o aumento da bilirrubina indireta, por conta do catabolismo hemoglobínico exagerado.

Também é possível diagnosticar por meio dos testes imunológicos, como:

  • Teste de Coombs (direto ou indireto);
  • Comprovação de hemólise intravascular e de antiglobulina direta.

Tratamento

O tratamento tem por objetivo reduzir o grau de destruição dos glóbulos vermelhos, gerando elevação dos níveis de hemoglobina e melhora dos sintomas. Se a doença for ocasionada pelo uso de remédios, é necessário suspendê-los.

A correta identificação do tipo de anemia hemolítica é fundamental, pois o tratamento e o curso da doença são distintos. Por exemplo, nos casos em que as proteínas da membrana das hemácias possuem um defeito poligênico (esferocitose) a cirurgia de retirada do baço ou de parte dele (esplenectomia) é uma possível cura.

Há especialistas da área que defendem o tratamento com ácido fólico. Isso porque a deficiência de ácido fólico pode resultar em crise megaloblástica. A crise megaloblástica ocorre quando a medula óssea não consegue fabricar hemácias adequadamente, acarretando anemia grave.

Na anemia hemolítica quente são utilizados glicocorticoides, esplenectomia ou medicamentos que diminuem ou inibem o funcionamento do sistema imunológico.

Na anemia hemolítica fria o tratamento é feito basicamente com proteção contra o frio. O paciente é orientado a se manter aquecido mesmo durante o verão. A proteção das extremidades (cabeça, pés e mãos) é altamente recomendada nesses casos.

Na forma primária, as taxas de resposta ao tratamento são baixas, geralmente inferiores a 20%. De forma que indicação de tratamento farmacológico é feita apenas nos casos com maior prejuízo na qualidade de vida. 

Outra modalidade terapêutica é a plasmaferese, técnica de transfusão que permite retirar plasma sanguíneo de um doador ou de um doente. Com o tratamento, espera-se uma redução no grau de destruição dos glóbulos vermelhos. Assim acarretando elevação dos níveis de hemoglobina e melhora dos sintomas da anemia hemolítica.


Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais