O que é formaldeído e como evitar seus perigos

eCycle

O formaldeído é uma substância que causa câncer e pode ser encontrada em diversos produtos

formaldeído e como evitar seus perigos

O formaldeído é um composto orgânico volátil (VOC) feito a partir do metanol, que é um álcool muito tóxico à saúde. Ele serve para impedir o crescimento de micro-organismos em diversos produtos, portanto possui ação conservante. Em temperatura ambiente, o formaldeído é um gás incolor que evapora com facilidade. Ele possui odor forte e irritante, além de ser altamente inflamável e reativo, ou seja, liga-se com outras substâncias muito facilmente, originando produtos químicos e poluentes. Quando está na forma líquida, o formaldeído pode ser chamado de formol. Existem muitos sinônimos para o formaldeído: formalina, metil aldeído, metileno glicol, óxido de metileno, metanal, morbicida, BFV, formalite, aldeído fórmico, Yde, Ivalon, Karsan, Lysoform, oxometano e oximetileno.

Onde o formaldeído está presente?

O gás é originado naturalmente no ambiente por meio de processos de combustão, como os incêndios naturais; por processo de decomposição de vegetais no solo e pode ser encontrado em alimentos, como as frutas. Nas concentrações produzidas por fontes naturais, o formaldeído não é prejudicial à saúde humana, mas elevadas concentrações produzidas por atividades humanas são um risco à saúde.

A produção antropogênica do gás advém de usinas de energia, indústrias (como as de madeira e papel), emissão veicular e incineradores. Assim, também por servir como matéria-prima em alguns produtos, o formaldeído é liberado por sistemas de ventilação, materiais de construção, móveis, carpetes, tintas, vernizes, cigarro, desinfetantes, adesivos, isolantes elétricos, lonas de freio, fungicidas, germicidas, tecidos e cosméticos como nos produtos para alisamento e esmaltes.

Quem está exposto ao formaldeído?

De acordo com classificação da Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC), o formaldeído é certamente carcinogênico para humanos e outros animais, deste modo ele está classificado no Grupo 1 da Agência. Os grupos mais expostos ao formaldeído atualmente são os profissionais da área da saúde, que manipulam indivíduos conservados no formol; cabeleireiros e barbeiros, devido à falta de equipamentos de proteção e a exposição diária a tinturas, xampus, descolorantes, entre outros. Além do formaldeído, outros produtos manipulados por cabeleireiros e barbeiros são classificados pela IARC como prováveis cancerígenos. Também estão expostos a menores quantidades de formaldeído os operários da indústria madeireira e de papel, trabalhadores da construção civil, do setor varejista e do setor agrícola.

Com relação à exposição não ocupacional ao formaldeído, podemos citar as grandes concentrações do gás em áreas urbanas de tráfego intenso, nos alimentos, em ambientes internos como casas e escritórios, sendo que as concentrações de formaldeído dependem da ventilação, temperatura, umidade e da presença de fontes do gás como os carpetes, tintas, vernizes, fumaça de cigarro, entre outros e nos cosméticos.

Nos cosméticos, o formaldeído pode ser encontrado em produtos para as unhas (esmaltes, colas, removedores de esmalte e cutícula, loções), cola para cílios postiços, gel, cremes e produtos para alisamento capilar, xampu de criança, sabonete líquido e em barras para o corpo, desodorantes, cremes para a pele, cosméticos em aerossóis e enxaguantes bucais. Já existem estudos que comprovam a associação entre o uso de enxaguantes bucais e o surgimento de câncer de boca e faringe.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) proíbe qualquer adição de formol (formaldeído no estado líquido) em produtos prontos e permite a concentração, durante o processo de fabricação do cosmético, de no máximo 0,2% de formol com a função de conservante. Em produtos para alisamento capilar, o formol não pode ser empregado para atuar como alisante, porque a sua concentração teria que ser muito maior do que a permitida. Com a mesma função conservante do formol, também podemos encontrar o glutaraldeído, permitido pela ANVISA nos cosméticos sob as mesmas regras de formol.

Impactos negativos na saúde

Além da contribuição do formaldeído no surgimento de câncer de nasofaringe (região atrás do nariz) e leucemia (tipo de câncer que ataca os glóbulos brancos), reconhecida pela IARC, a substância também pode causar problemas respiratórios, já que a principal porta de entrada do formaldeído em nosso organismo é por inalação, segundo a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). O vapor em baixas concentrações causa irritação no nariz, garganta e olhos. Em altas concentrações, como as encontradas na fumaça do cigarro (de 60 mg/m3 a 130 mg/m3), pode causar falta de ar, salivação excessiva, espasmos musculares involuntários, danos à córnea, coma e morte.

Quando em contato com a pele, o formaldeído ou o formol utilizado em produtos para alisamento capilar altera a coloração da pele, provocando aspereza, necrose, falta de sensibilidade, dermatite, desidratação, rachaduras e ulcerações. O formol deixa o cabelo rígido e facilita a quebra dos fios. Em altas concentrações, é comum que a substância provoque queda capilar.

Fuja do formaldeído

Com relação aos cosméticos, é possível evitar o formaldeído. Pegue os seus produtos cosméticos e leia os rótulos. Se você encontrar algum desses nomes listados abaixo é porque o seu produto contém formaldeído. Procure não comprar mais esses cosméticos.

  • FORMALDEHYDE
  • QUATERNIUM-5
  • QUATERNIUM-15
  • DIMETHYL-DIMETHYL (DMDM) HYDANTOIN
  • IMIDAZOLIDINYL UREA
  • DIAZOLIDINYL UREA
  • SODIUM HYDROXYMETHYLGLYCINATE,
  • 2-BROMO-2-NITROPROPANE-1,3-DIOL (BROMOPOL)
  • TOSYLAMIDE
  • POLYOXYMETHYLENE UREA
  • 5-BROMO-5-NITRO-1,3 DIOXANE
  • METHENAMINE
  • FORMALIN
  • FORMIC ALDEHYDE
  • MERTHADEHYDE
  • METHANAL
  • OXOMETHANE
  • OXYMETHYLENE
  • BFV

Na hora de comprar novos cosméticos, escolha aqueles que anunciam: livre de formaldeído (formaldehyde-free), 3-free (toxic-trio-free) que vêm livres de formaldeído, tolueno e DBP. Procure não fazer uso de produtos de alisamento capilar, especialmente os desenvolvidos e fabricados por salões de beleza.

A ANVISA possui meios de comunicação em caso de irregularidades no uso de produtos em salões de beleza, elas podem ser relatadas através do e-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. . Se você sentir reações adversas provocadas por cosméticos, é possível relatar para o e-mail: cosmetovigilancia@anvisa.gov.br

Nos alimentos, procure consumir, se possível, alimentos orgânicos livres de fumegantes que contêm formaldeído. Saiba o que é a agricultura orgânica, seus benefícios e vantagens.

Nos materiais de construção, informe-se com o fabricante ou revendedor sobre a presença ou não de formaldeído no produto. Se possível, adquira materiais de construção de baixa impacto ambiental. Leia mais sobre o assunto na matéria: "Conheça a construção sustentável".

Plantas são filtros contra formaldeído

Existem muitas plantas que são capazes de absorver componentes tóxicos como o formaldeído. Por meio da umidificação, algumas plantas são capazes de purificar o ar. Conheça algumas plantas:

  • Lírio da paz
  • Samambaia Boston
  • Areca Bambu
  • Aglaonema
  • Espada de São Jorge
  • Clorofito
  • Ficus
  • Babosa
  • Azaleia
  • Dracena
Além de tudo mantenha hábitos saudáveis, como não fumar e praticar atividade física. Isso irá fortalecer o seu organismo e você ficará menos suscetível a doenças de modo geral.

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail