Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Análise publicada na revista científica Nature Food avaliou a pegada de carbono e o impacto nutricional de vários alimentos

Em um novo estudo da Universidade de Michigan, pesquisadores descobriram que comer um cachorro-quente pode custar 36 minutos de uma vida saudável. Por outro lado, optar por uma porção de nozes pode ajudar você a ganhar 26 minutos de vida extra saudável. O estudo foi publicado na revista científica Nature Food.

A equipe avaliou mais de 5.800 alimentos, classificando-os de acordo com a carga de doenças nutricionais para os humanos e seu impacto no meio ambiente.

Eles descobriram que substituir 10% da ingestão calórica diária de carne bovina e carnes processadas por uma mistura de frutas, vegetais, nozes, legumes e frutos do mar selecionados pode reduzir sua pegada de carbono na dieta em um terço e permitir que você ganhe 48 minutos de minutos saudáveis ​​por dia.

Entenda melhor o impacto do consumo de carnes processadas no vídeo abaixo:

O novo trabalho é baseado em um novo índice nutricional de base epidemiológica, o Health Nutritional Index (“Índice de Saúde Nutricional”, em tradução livre). Ele calcula a carga líquida benéfica ou prejudicial à saúde em minutos de vida saudável associados a uma porção de comida consumida.

O índice é uma adaptação do Global Burden of Disease (GBD) no qual a mortalidade e a morbidade da doença estão associadas a uma única escolha alimentar de um indivíduo. Entenda melhor o índice clicando na matéria abaixo:

Entenda o estudo

No estudo, os pesquisadores analisaram 15 fatores de risco alimentares e estimativas de carga de doenças do GBD e os combinaram com os perfis nutricionais dos alimentos consumidos nos Estados Unidos.

Alimentos com pontuações positivas agregam minutos de vida saudáveis, enquanto alimentos com pontuações negativas estão associados a resultados de saúde que podem ser prejudiciais à saúde humana.

Os pesquisadores classificaram os alimentos em três zonas de cores: verde, amarelo e vermelho, com base em seus desempenhos nutricional e ambiental combinados, como um semáforo.

A zona verde representa alimentos que são recomendados para aumentar na dieta e contém itens nutricionalmente benéficos, com baixo impacto ambiental.

Os alimentos nessa zona são predominantemente nozes, frutas, vegetais cultivados no campo, legumes, grãos inteiros e alguns frutos do mar.

A zona vermelha inclui alimentos que têm impactos nutricionais ou ambientais consideráveis ​​e devem ser reduzidos ou evitados na dieta.

Os impactos nutricionais foram causados ​​principalmente por carnes processadas, e o clima e a maioria dos outros impactos ambientais foram causados ​​por carne bovina e suína, cordeiro e carnes processadas.

Os pesquisadores reconhecem que o alcance de todos os indicadores varia substancialmente e apontam que alimentos nutricionalmente benéficos nem sempre geram os menores impactos ambientais, e vice-versa.

O que os pesquisadores sugerem?

Com base em suas descobertas, os pesquisadores sugerem:

  • Diminuir os alimentos com os impactos ambientais e de saúde mais negativos, incluindo carnes altamente processadas, bovinos, camarões, seguidos por carne de porco, cordeiro e vegetais cultivados em estufas.
  • Aumentar os alimentos mais benéficos do ponto de vista nutricional, incluindo frutas e vegetais cultivados no campo, legumes, nozes e frutos do mar de baixo impacto ambiental.

Confira mais dicas de alimentação saudável clicando na matéria abaixo: