Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Tempestade solar é um evento que ocorre a partir do aumento da atividade magnética do Sol

Tempestade solar, também chamada de tempestade geomagnética, pode ser entendida como uma explosão de partículas superaquecidas da superfície do Sol. As atividades que ocorrem no núcleo solar provocam uma produção muito grande de energia por meio da reação de fusão nuclear. Nesse processo, libera-se prótons e elétrons, que são atraídos e acumulados em campos magnéticos.

A grande concentração dessas partículas causa explosões que podem atingir diversos corpos celestes. Essas tempestades acontecem com mais frequência em um período conhecido como “máximo solar”, marcado pelo aumento da atividade magnética do Sol, o que acontece a cada onze anos.

Efeitos provocados pela tempestade solar

As consequências das tempestades solares podem ser desastrosas. Entre elas, pode-se citar a destruição de satélites artificiais, a interferência nos serviços de telefonia, a queda de energia elétrica e a danificação de objetos eletroeletrônicos. Por outro lado, esse evento também proporciona dois espetáculos luminosos: as auroras boreais e austrais.

Em 1989, um apagão ocorrido no Canadá teve como justificativa as alterações provocadas no campo magnético terrestre pelas partículas liberadas na tempestade. Apesar de ter gerado espetáculos de luzes no céu, esse evento deixou milhares de pessoas sem eletricidade durante horas e tirou do ar a comunicação via rádio.

Já em setembro de 1859, linhas de telégrafos foram rompidas após a ocorrência de uma tempestade solar que atingiu a terra. Na ocasião, telegrafistas receberam choques elétricos, e alguns postes produziram faíscas por causa da descarga gerada. Nesse episódio, que ficou conhecido como Evento Carrington, as auroras polares puderam ser vistas de muitos lugares mais ao sul da Europa e América do Norte, em virtude da intensidade dos bombardeamentos solares.

Segundo Enos Picazzio, professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo, os efeitos das tempestades, hoje, seriam mais graves em razão da dependência que temos de dados que circulam por instrumentos relacionados com o funcionamento dos satélites. Além disso, várias cidades ficariam sem energia, provocando um prejuízo de bilhões de dólares.

Perigos da radiação

As partículas liberadas pelas tempestades solares podem ser tão prejudiciais aos seres humanos quanto a radiação das explosões nucleares. Em geral, a atmosfera e a magnetosfera terrestres permitem uma proteção adequada dentro de seus limites. No entanto, astronautas no espaço estão sujeitos a doses potencialmente letais de radiação. Além disso, a penetração de partículas de alta energia em seres vivos também pode causar danos aos cromossomos, câncer e outros problemas de saúde.

Importância do monitoramento

Existem inúmeros equipamentos para medir as variações do campo geomagnético. Isso porque o monitoramento e as transmissões de alertas geofísicos são extremamente importantes para que providências possam ser tomadas com antecedência contra os efeitos nocivos das tempestades solares.

Um aviso antecipado de uma tempestade solar permite que as distribuidoras de energia elétrica evitem danos em suas redes e que satélites, naves espaciais e astronautas possam ser protegidos. Magnetômetros podem ser instrumentos práticos e versáteis para realizar medidas de campos magnéticos.

Sensores investigam continuamente porções do espectro de energia solar para monitorar os seus níveis e indicações de eventos significativos. Uma importante ferramenta de controle que pode ser citada é o satélite Soho, que atua entre a Terra e o Sol e detecta informações a respeito da atividade solar, avisando com antecedência a chegada de tempestades radioativas ao planeta.