Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Comissão reunida no V Congresso da Indústria da Comunicação defendeu que meios precisam perceber seu papel e empresas não devem encarar a questão de forma compensatória

“A indústria da comunicação como elemento catalizador para mobilizar e engajar a sociedade civil em um plano de sustentabilidade” foi o título da tese aprovada durante a reunião da comissão de “Sustentabilidade e Comunicação” do V Congresso da Indústria da Comunicação, realizada no dia 29 de maio.

Comandada pelo presidente do grupo Meio & Mensagem, José Carlos de Salles Gomes Neto, a mesa também contou o editor de comunicação do mesmo portal, Alexandre Zaghi Lemos, como relator; juntamente com o vice-presidente de operações da ESPM, Hiran Castello Branco, como secretário-executivo; e destacaram-se como palestrantes o jornalista e professor André Trigueiro, o presidente-executivo da Editora Abril, Fabio Barbosa, e a ex-Ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.

Salles Neto abriu a sessão fazendo três propostas para que indústria da comunicação encampe de uma vez o tema em questão. A primeira é a criação de uma campanha anual, parecida com a Campanha da Fraternidade, promovida pela Igreja Católica, para incentivar a discussão sobre sustentabilidade. A segunda foi a de reforçar para todos os órgãos da indústria da comunicação a necessidade de que eles cumpram indicadores de sustentabilidade, para que metas possam ser fixadas. Por último, foi proposto que sejam realizados trabalhos para estimular as boas práticas de comunicação em sustentabilidade, que enalteçam ações da iniciativa privada e de ONGs.

Palestrantes

Fábio Barbosa foi o primeiro dos palestrantes a expor suas ideias. Ele ressaltou que a relação entre governo, pessoas e empresas atualmente é interdependente e que isso pede uma nova forma de se fazer negócio. Está comprovado, segundo Barbosa, que as empresas que têm práticas sustentáveis vendem mais e é preciso mudar a lógica de se pensar a sustentabilidade, não encarando-a de maneira compensatória.

O jornalista André Trigueiro deu ênfase à falta de formação dos jornalistas em geral para lidar com o tema, principalmente quando várias questões estão interligadas, como é o caso da sustentabilidade. A expansão da internet, para Trigueiro, tornou todas as pessoas não só consumidoras, mas provedoras de conteúdo e é ela (internet) que irá definir os rumos da sustentabilidade.

Por último, a ex-ministra Marina Silva citou os resultados que o desenvolvimento sustentável proporcionam para o crescimento de países. As crises econômica, social e ambiental necessitam de um esforço de todos para reerguer o planeta, de acordo com Marina. Ela ainda disse que há preocupação com o meio ambiente no Brasil devido à colaboração dos comunicadores e que novas lideranças devem emergir nesse momento difícil, na política e nas empresas, e que a melhor forma de se fazer isso é dando exemplo.

Veja também:
Sustentabilidade e Comunicação