Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda o que é sexismo, suas possíveis origens nas sociedades humanas e seus efeitos na vida das mulheres

Sexismo é uma forma de discriminação com base em sexo e/ou gênero, sobretudo contra mulheres e meninas. Embora sua origem não seja clara, o termo sexismo emergiu da “segunda onda” do feminismo dos anos 1960 até os anos 1980, tendo sido provavelmente modelado no termo racismo do movimento pelos direitos civis (preconceito ou discriminação com base em cor).

O sexismo está fundado na crença de que um sexo – o masculino, no caso das sociedades patriarcais – é superior ou mais valioso do que o outro. Essa crença impõe limites sobre o que homens e meninos podem e devem fazer e o que mulheres e meninas podem e devem fazer.

O conceito de sexismo foi originalmente formulado para aumentar a consciência sobre a opressão de meninas e mulheres, embora no início do século 21 ele às vezes tenha sido expandido para incluir a opressão de qualquer sexo, incluindo homens e meninos, pessoas intersexuais e pessoas trans.

As suposições sexistas sobre mulheres e homens, que se manifestam como estereótipos de gênero, podem classificar um gênero como superior a outro. Esse pensamento hierárquico pode ser consciente e hostil, ou pode ser inconsciente, manifestando-se como um preconceito inconsciente. O sexismo pode afetar a todos, mas as mulheres são particularmente afetadas.

As prováveis origens do sexismo na história humana

Os chimpanzés não são um representante de nossos ancestrais. Na verdade, eles têm evoluído desde que nossas duas árvores genealógicas se dividiram entre 7 e 10 milhões de anos atrás. No entanto, suas estruturas sociais podem nos dizer algo sobre as condições em que a dominação masculina prospera.

Os grupos de chimpanzés comuns são manifestamente patriarcais. Os machos são cruéis com as fêmeas: eles se alimentam, copulam à força com as fêmeas que estão ovulando e até as matam apenas por passarem um tempo longe do grupo.

O desequilíbrio de poder entre homens e mulheres está sendo calorosamente debatido;. afinal, ninguém se beneficia de uma sociedade patriarcal. Então como chegamos aqui e para onde devemos ir em seguida?

Os homens também passam a vida no grupo em que nasceram, enquanto as mulheres vão embora na adolescência. Como resultado, os homens em um grupo são mais intimamente relacionados entre si do que as mulheres. E, como os parentes tendem a ajudar uns aos outros, eles têm uma vantagem.

O mesmo processo acontece nas sociedades humanas: em lugares onde as mulheres se mudam para viver com a família de seus maridos, os homens tendem a ter mais poder e privilégios. A residência patrilocal, como é chamada, está associada ao patriarcado, segundo a antropóloga e primatologista Sarah Hrdy, da Universidade da Califórnia em Davis.

Durante a maior parte de nossa história, temos sido caçadores-coletores, e a residência patrilocal não é a norma entre as sociedades modernas de caçadores-coletores. Em vez disso, qualquer um dos parceiros pode se mudar para morar com os “sogros” ou um casal pode se mudar para longe de suas famílias.

De acordo com Hrdy, um certo grau de igualitarismo está embutido nesses sistemas. Se refletissem o que os caçadores-coletores pré-históricos faziam, as mulheres nessas sociedades primitivas teriam tido a opção de escolher o apoio do grupo com o qual cresceram, ou a opção de se afastar da opressão.

De acordo com uma escola de pensamento, as coisas mudaram há cerca de 12.000 anos. Com o advento da agricultura e da apropriação original, as pessoas começaram a se estabelecer.

Elas adquiriram recursos para se defender e o poder passou para os machos fisicamente mais fortes. Pais, filhos, tios e avós começaram a viver perto uns dos outros, a propriedade foi passada para a linha masculina e a autonomia feminina foi corroída. Como resultado, o argumento continua, o patriarcado emergiu.

Esta história de origem é apoiada por um estudo publicado em 2004. Pesquisadores da Universidade Sapienza de Roma, Itália, estudaram o DNA mitocondrial (herdado das mães) e marcadores genéticos no cromossomo Y (herdado dos pais) em 40 populações da África Subsaariana.

Isso sugere que as mulheres em populações de caçadores-coletores, como os !Kung e Hadza, têm maior probabilidade de permanecer com suas mães após o casamento do que as mulheres de populações produtoras de alimentos. Foi o contrário para os homens, sugerindo que a agricultura está de fato correlacionada com sociedades patrilocais.

Para consertar as coisas, a solidariedade é crucial, de acordo com Amy Parish da University of Southern California, em Los Angeles. Ela estuda sociedades bonobos, que são patrilocais, mas dominadas por mulheres.

As fêmeas pesam 15% menos do que os machos, assim como os humanos e os chimpanzés, mas Parish diz que elas têm a vantagem porque cooperam e formam alianças. Ela vê um paralelo com os movimentos feministas: “O objetivo é se comportar com mulheres não aparentadas como se fossem suas irmãs”.

Restaurar e fortalecer a igualdade exigirá esforços em várias frentes, diz ela. Se o patriarcado se originou em estruturas sociais sedentárias que formalizaram a propriedade e herança masculinas, então as leis que dão às mulheres o direito de possuir em seu próprio nome, por exemplo, podem ajudar.

Exemplos de sexismo e como combatê-lo

Desde eliminar a disparidade salarial de gênero até dar a todas as mulheres a oportunidade de acesso à educação, ainda há muito que precisamos alcançar na luta pela igualdade de gênero.

Embora seja importante trabalhar para consertar os grandes problemas, são as pequenas e aparentemente inofensivas instâncias do sexismo cotidiano que também estão trabalhando para manter e normalizar a desigualdade entre homens e mulheres.

Confira quatro exemplos comuns de sexismo cotidiano e como você pode reagir a eles.

1. Receber comentários não solicitados sobre o seu corpo

Por alguma razão, o simples ato de uma mulher estar em público parece dar a alguns homens (e mulheres) a garantia de que eles têm o direito de comentar e até de tocar no corpo das mulheres.

Uma pesquisa realizada pela organização sem fins lucrativos Stop Street Harassment descobriu que mais de 81% das mulheres foram assediadas, apalpadas, gritadas, olhadas, intimidadas, seguidas ou assediadas on-line.

Infelizmente, não há muito que você possa dizer se alguém assediá-la na rua sem comprometer sua segurança. No entanto, uma boa maneira de humilhar alguém que o assediou em público é dizer “O quê?” ou “Perdão?”, como se você não tivesse ouvido a gracinha.

Quanto mais eles têm que repetir o que acabaram de dizer, mais tolos eles soam. Por outro lado, se você vir alguém sendo assediado em público e houver outras pessoas por perto, não tenha medo de falar. À medida que mais pessoas começarem a denunciar esses comportamentos, menos pessoas sairão impunes de assediar mulheres ou se sentirão confortáveis ​​em assediá-las.

2. Ser colocada no papel de “serva”

Mulheres, simplesmente por serem mulheres, estão acostumadas a serem colocadas no papel de “servas” dos homens, sendo pressionadas para preparar o cafezinho, organizar eventos e limpar a casa ou até mesmo o escritório.

Se você notar que você ou outras mulheres estão sempre recebendo tarefas que não estão sendo pagas para fazer, não tenha medo de falar. Se a vítima for você, imponha-se.

3. Ter de corresponder às expectativas de comportamento alheias

Desde crianças, meninas são ensinadas a se comportar como dóceis, meigas e silenciosas criaturas. Frequentemente, é claro, elas fogem a esse padrão, sendo taxadas como agressivas quando são assertivas ou levantam a voz para manifestar um ponto de vista.

Não tenha medo de falar, de dar sua opinião e de se fazer ouvida. E não hesite em apontar quando vir uma mulher sendo julgada por se impor da mesma maneira que os homens costumam fazer. Afinal, falar sobre o sexismo é o primeiro passo para criar uma mudança duradoura em relação à maneira como falamos sobre homens e mulheres.

4. Ser questionada sobre filhos e casamento

A partir dos 20 anos, as mulheres descobrem que são constantemente questionadas quando vão arranjar um marido e ter filhos, como se o valor da mulher residisse apenas em seu estado civil e na capacidade de procriar. Infelizmente, no século 21, isso é o que a maioria das pessoas ainda acredita: que uma vida sem filhos é uma vida não realizada.

Se alguém der uma olhada em sua mão esquerda sem anel e achar que não há problema em perguntar sobre sua vida pessoal e dizer por que ter filhos é tão importante, você tem algumas opções.

Se quiser, você pode escolher responder com sinceridade ou não dizer nada, mas também pode responder algo como: “Eu me casaria e teria filhos, mas estou muito ocupada cuidando da minha própria vida para me preocupar com isso no momento”.