Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Na edição atualizada do livro “São Paulo: o planejamento da desigualdade”, Raquel Rolnik comenta o planejamento urbano da cidade e investiga o momento em que os espaços públicos dão lugar aos privados

Se preferir, vá direto ao ponto Esconder

Por Diogo Paiva em Jornal da USP Raquel Rolnik publica uma versão atualizada de seu livro, São Paulo: O planejamento da desigualdade (Editora Fósforo), que conta com um prefácio escrito por Emicida, convidado não só como rapper, mas também como pensador. Raquel é professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e uma das coordenadoras do LabCidade, laboratório dedicado ao acompanhamento crítico de políticas urbanas e habitacionais que busca intervir diretamente no debate público e na realização de ações práticas sobre o tema.

O livro defende a tese de que a desigualdade em São Paulo é resultado de opções de política urbana que foram sendo tomadas ao longo da história da cidade. “É fruto de planos, é fruto de projetos, é fruto de legislação urbanística — e não da falta dela. Ou seja, um pouco contestando a ideia de que nós estaríamos diante de uma cidade caótica, não planejada. Aqui defendemos a tese de que planejamos a desigualdade”, explica Raquel.

A cidade confinada

Em A cidade confinada: shoppings, condomínios e a agonia dos espaços públicos, um dos capítulos do livro, Raquel investiga o momento da história de São Paulo em que os ambientes públicos de uso coletivo dão lugar a ambientes privados, num movimento de “confinamento” da classe média em condomínios e centros comerciais. A professora explica: “É um momento em que cresce e aumenta muito a violência na cidade, a penetração da violência — fisicamente, claro, materialmente, mas também simbolicamente, no imaginário da cidade — e, a partir dela, a gente tem uma série de novos produtos imobiliários, ou ‘produtos do complexo imobiliário financeiro’, como eu denomino no livro, que vão oferecer novos modelos de organização da cidade, que é o que chamo de ‘cidade confinada’”.

“Trocando em miúdos: shopping center, em vez da rua comercial aberta; condomínios fechados e murados para dentro de si, em vez do bairro sem muros. Então, a cidade confinada é essa reestruturação dos modos de viver na cidade, que implicaram um ‘ir para dentro’, uma segregação absolutamente violenta, um modelo de vigilância e securitário predominante, das câmeras, dos muros altos, e um abandono dos espaços públicos, sobretudo por parte das classes médias e altas, que vão se confinar nesses de usufruto coletivo, privados e controlados.”

Capa do livro: O planejamento da desigualdade – Foto: Divulgação

São Paulo: O planejamento da desigualdade está disponível nas principais livrarias e também no site da editora.