Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Plantas que purificam o ar podem não ser tão eficazes como se acredita, mas trazem outros benefícios

Plantas que purificam o ar existem ou não passam de mito? Muitos acreditam que algumas espécies de plantas são capazes de melhorar o ar de ambientes internos – e grande parte dessa crença se deve a um estudo da NASA, a Agência Espacial Americana, de 1989, chamado Interior Landscape for Indoor Air Pollution Abatement. O relatório foi positivo: os resultados obtidos mostraram que plantas domésticas poderiam, de fato, melhorar a qualidade do ar do ambiente.

Tudo começou quando Bill Wolverton, cientista da NASA, começou a investigar se as plantas domésticas comuns poderiam remover determinados tipos de poluentes, chamados compostos orgânicos voláteis (VOCs), do ar. Ao contrário de outros tipos de poluição do ar, como a fuligem ou partículas de sujeira, os VOCs não podem ser filtrados e são capazes de se acumular em ambientes fechados (como laboratórios ou espaçonaves). Daí a motivação de Wolverton para o estudo: ele procurava uma solução para o problema.

O relatório do cientista foi positivo e alegava que as plantas seriam uma solução econômica e promissora para acabar com a poluição do ar em ambientes internos. A ideia pegou. Em 1996, Wolverton publicou o livro How to Grow Fresh Air: 50 Houseplants That Purify Your Home or Office, listando cinquenta espécies de plantas que, segundo ele, teriam propriedades purificadoras do ar.

Wolverton não estava errado. De fato, as plantas são capazes de limpar o ar. No entanto, outro estudo, conduzido em 2020 por pesquisadores da Universidade de Drexel, nos Estados Unidos, afirma que, em ambientes domésticos, os benefícios de se cultivar algumas plantas são tão ínfimos que não chegam a ter qualquer impacto significativo. Para se ter uma ideia, você precisaria manter pelo menos 680 plantas no seu escritório ou sala, considerando um espaço de 140 metros quadrados, para que a diferença pudesse realmente ser notada.

De acordo com o estudo, as câmaras seladas de laboratório, onde foram feitos os experimentos da NASA, não podem ser comparadas a ambientes domésticos. Portanto, os resultados do estudo de 1989 não poderiam ser aplicados à realidade das pessoas comuns. Segundo os pesquisadores, um método muito mais inteligente para purificar o ar é manter a ventilação natural dos espaços, deixando as janelas abertas.

A verdade, contudo, é que as “plantas que purificam o ar” têm vários benefícios: elas deixam os ambientes muito mais bonitos e há evidências de que cuidar de plantas pode melhorar a saúde mental das pessoas, auxiliando no tratamento de depressão, ansiedade, estresse e outros problemas. Além disso, pelo sim ou pelo não, você pode manter as plantas sugeridas pela NASA na sua casa para deixá-la mais colorida e alegre.

Plantas que purificam o ar segundo a NASA

1. Cristântemo (Crysanthemum morifolium)

Cristântemo. Imagem de Goran Horvat em Pixabay

Na pesquisa da NASA, esta seria uma das melhores plantas para purificar o ar. É pequena (em muitos casos, não chega a ter nem um metro de altura) e fácil de encontrar. Como já vem em vasos, é ótima para decorar a casa e você não precisa se preocupar com o plantio. Mas cuidado: o crisântemo não gosta de sol direto e prefere climas mais frios. Por isso, escolha um local adequado para deixá-la.

2. Dracena (Dracaena fragrans)

Dracaena. Imagem editada e redimensionada de Zeamays, disponível no Wikimedia e licenciada sob CC-BY 3.0

Existem mais de 40 tipos diferentes de plantas Dracaena, o que torna mais fácil encontrar uma que seja perfeito para sua casa ou escritório. Segundo a NASA, é uma das plantas que purificam o ar e possui folhagem larga, muitas vezes com linhas em branco, creme ou vermelho. A planta é ideal para iniciantes, porque é cultivada com facilidade. Basta mantê-la à meia-sombra, em um local relativamente iluminado, mas sem sol direto. Exige cuidado, pois é tóxica para cães e gatos.

3. Samambaia (Nephrolephs exaltata v. Bostonieneses)

Samambaia. Imagem de Wow Phochiangrak em Pixabay

As samambaias são uma das plantas mais populares para ambientes domésticos, porque são fáceis de cuidar. Devem ser posicionadas em ambientes frescos, com alta umidade e luz indireta. Verifique o solo da sua samambaia diariamente para ver se ele precisa de água, e dê um bom banho uma vez por mês. Segundo a NASA, ela ajuda a remover poluentes como formaldeído e xileno do ar.

4. Espada-de-são-jorge (Sanseviera trifaciata)

Espada-de-são-jorge. Imagem de Katerina Maglogianni em Pixabay

A espada-de-são-jorge uma das plantas mais difíceis de morrer. Embora seja preciso regá-la ocasionalmente, geralmente prefere condições mais secas e um pouco de sol. A pesquisa da NASA afirma que ela é capaz de remover poluentes como o benzeno, o formaldeído, o tricloroetileno e o xileno.

5. Babosa (Aloe vera)

Babosa. Imagem de Marce Garal em Pixabay

Além de ser fácil de cuidar, Aloe vera traz benefícios para a saúde. As folhas da planta contêm um líquido claro cheio de vitaminas, enzimas, aminoácidos e outros compostos que têm propriedades cicatrizantes, antibacterianas e anti-inflamatórias, e há algumas evidências de que a babosa pode ajudar peles com psoríase.

6. Lírio-da-paz (Spathiphyllum wallisii)

Lírio-da-paz. Imagem de Maria das Graças Silva Gracinha por Pixabay 

O lírio-da-paz não exige iluminação direta, o que a torna uma das melhores plantas para serem cultivadas dentro de casa. Além de ser considerada pela NASA uma planta que purifica o ar, alguns também a veem como uma planta mística, capaz de remover energias ruins do ambiente.

Saiba também quais as melhores plantas para cada cômodo da casa: