Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Os pontos de entrada de poluição plástica nos mares brasileiros são as fozes dos principais rios das bacias hidrográficas, como o Rio Amazonas

Por Jornal da USP | Segundo pesquisa da rede Blue Keepers, programa desenvolvido para combater a poluição do plástico em rios e oceanos, uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil está entre os 20 países no mundo que mais contribuem para a poluição plástica nos oceanos. Um estudo inédito, disponibilizado pelo projeto, aponta que cada brasileiro pode ser responsável por 16 quilogramas de resíduos no mar por ano. Os dados recolhidos são disponibilizados em uma plataforma de livre acesso com o intuito de conscientizar a população do panorama emergencial em que se encontram as águas.

Apesar de políticas ligadas aos resíduos sólidos e ao saneamento, o planejamento e a execução de ações contra o plástico no ambiente são beneficiados pelos dados da Blue Keepers. Por meio do relacionamento com as prefeituras, as responsáveis pela limpeza urbana, “precisamos deixar esse legado de trabalhar com essas municipalidades em capacitações técnicas, mas também em prototipagem de soluções”, explica o professor Alexander Turra, do Instituto Oceanográfico da USP (IO) e coordenador da Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEA).

O projeto também implementa uma abordagem territorial como método para analisar a gestão dos resíduos pelos brasileiros, ao considerar o perfil de consumo e a informação utilizada para o descarte adequado. “Quanto as pessoas consomem? E o que elas fazem com esses resíduos em termos de reciclagem ou destinação final apropriada ou não apropriada?”, reflete o professor. 

A lógica de economia circular também entra em pauta na rede como um plano de ações de tratamento e valorização do resíduo plástico. “Até 2030, a nossa ambição é conseguir ter uma rede de, no mínimo, 100 cidades com inovações, pensando no combate ao lixo”, relata Gabriela Otero, mestra em Ciência Ambiental pelo Programa de Pós-Graduação (Procam) do IEA e membro da Rede Brasil do Pacto Global da ONU, sobre a reavaliação da cadeia de produção linear e o seu impacto nos mares.

Os pontos de entrada de poluição plástica nos mares brasileiros são as fozes dos principais rios das bacias hidrográficas, como o Rio Amazonas. “O que nos chamou a atenção é que o Brasil é um país com muitas barragens, e há um miolinho onde essas barragens acabam impedindo que esses resíduos do interior tomem o caminho direto ao oceano”, explica Gabriela. Contudo, o alto potencial de plástico disponível nas grandes capitais pode se tornar resíduos encaminhados ao oceano, sendo a população a causadora direta desse despejo de lixo.


Este texto foi originalmente publicado pelo Jornal da USP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original. Este artigo não necessariamente representa a opinião do Portal eCycle.