Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Com história de um indígena curioso que se tornou um grande arqueólogo, obra de pesquisador da USP introduz assuntos da antropologia ao público infantojuvenil

Foto de cottonbro no Pexels

Divulgar a arqueologia e suas especialidades de forma simples, objetiva e divertida para o público infantojuvenil é o objetivo do livro ilustrado Rentchin, novo projeto do Laboratório de Arqueologia e Antropologia Ambiental e Evolutiva (LAAAE) da USP lançado nesta segunda-feira, dia 19 de abril, durante a Semana da Diversidade Indígena.

A obra, escrita pelo pesquisador Rodrigo Elias Oliveira e ilustrada por Nat Grego, conta a história de um jovem indígena que ingressa na universidade e trilha seu caminho unindo os saberes tradicionais ao conhecimento acadêmico. E na transformação do curumim em um grande arqueólogo, algumas pessoas se mostram fundamentais para seu entendimento do mundo, como o pajé, a professora de ciências, seus amigos de faculdade e principalmente o seu bisavô (através de um sonho).

“O objetivo do livro é a divulgação da ciência — que é uma parte importante do laboratório — para um público mais jovem, com informações precisas, corretas, mas passadas de forma leve”, diz o autor. Mas, para além da divulgação científica, Oliveira ressalta a importância da inclusão no livro. O pesquisador teve o cuidado de retratar personagens femininos e negros em papéis importantes durante a história — até mesmo a história do personagem principal, cujo nome é o mesmo do título do livro, busca afastar o estigma negativo criado sobre a população indígena.

Rodrigo Oliveira é formado pela Faculdade de Odontologia (FO) da USP, mas desde 2006 trabalha com arqueologia. Hoje, é um dos três coordenadores do LAAAE, onde realiza pesquisas ligadas à saúde, nutrição e qualidade de vida na área da bioantropologia. O laboratório trabalha de forma interdisciplinar com pesquisadores do Instituto de Biociências e do Museu de Arqueologia e Etnologia para estudar o fenômeno humano com ênfase em seus aspectos ambientais e históricos.

Os adultos não tinham muita paciência com as dúvidas diárias daquele menino, mas o sábio pajé Tunim entendia que aquela curiosidade transformaria o curumim em um grande homem, pois conhecimento é a maior riqueza que alguém pode ter. Rentchin adorava ouvir o pajé dizer:

– Escute a floresta, observe o mar, sinta o rio. Você faz parte de tudo isso.

(Trecho do livro Rentchin, do pesquisador da USP Rodrigo Elias Oliveira e ilustração de Nat Grego)

A ideia de escrever um livro infantil surgiu em 2014. O autor queria introduzir e explicar a arqueologia às crianças. “As pessoas normalmente confundem o que o arqueólogo estuda. Acham que só pesquisamos humanos e dinossauros. Para responder essas dúvidas bastante comuns, eu pensei que um livro infantil pudesse ajudar.”

O projeto ficou engavetado durante um tempo, até que, no final de 2018, uma pesquisa sobre o povoamento da América despertou em Oliveira a vontade de retomá-lo. No ano seguinte, o pesquisador começou a colocar a ideia em prática.

O livro pode ser solicitado pelo Projeto Salivar, também desenvolvido pelo autor, pelo e-mail projetosalivar@gmail.com ou telefone (11) 97119-9091.

Acompanhe os projetos do LAAAE na internet:

Site: sites.usp.br/laaae
Instagram: @laaae_usp
Facebook: www.facebook.com/laaaeusp
Twitter: @laaae_usp


Fonte: Jornal da USP.


Veja também: