Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Germofobia é diferente dos cuidados necessários com a higiene e traz prejuízos à rotina

Imagem editada e redimensionada de Clay Banks, está disponível no Unsplash

Germofobia, também chamada de germafobia e misofobia, é o medo patológico de germes. Nesse caso, o termo “germes” refere-se amplamente a qualquer micro-organismo que cause doenças – por exemplo, bactérias, vírus, fungos ou outros parasitas. A germofobia difere do cuidado higiênico necessário, principalmente em caso de pandemias de doenças infecciosas, tendo em vista que a higiene e o uso de álcool gel em surtos ou pandemias são extremamente necessários e beneficiam a todos, enquanto a germofobia é prejudicial ao indivíduo.

A germofobia pode ser referida por outros nomes, incluindo:

  • Bacilofobia
  • Bacteriofobia
  • Verminofobia

Sintomas de misofobia

Todos temos medos, mas as fobias tendem a ser vistas como irracionais ou excessivas em comparação com os medos comuns. O sofrimento e a ansiedade causados ​​por uma fobia a germes são desproporcionais aos danos que os germes provavelmente causarão. Alguém que tem misofobia pode se esforçar muito para evitar a contaminação.

Os sintomas da germofobia são os mesmos de outras fobias específicas. Nesse caso, eles se aplicam a pensamentos e situações que envolvem germes.

Os sintomas emocionais e psicológicos da misofobia incluem:

  • Terror intenso;
  • Ansiedade, preocupações ou nervosismo relacionados à exposição a germes;
  • Pensamentos de exposição a germes que resultam em doenças ou outras consequências negativas;
  • Sensação de impotência de controle o medo de germes irracional ou extremo;

Os sintomas comportamentais da misofobia incluem:

  • Evitar ou deixar situações que possam resultar em exposição a germes quando não há surtos ou epidemias;
  • Gastar um tempo excessivo pensando, preparando ou adiando situações que possam envolver germes quando não há surtos ou epidemias;
  • Dificuldade para viver em casa, no trabalho ou na escola devido ao medo de germes (por exemplo, a necessidade de lavar as mãos excessivamente pode limitar sua produtividade em locais onde você percebe que existem muitos germes) – quando não há surtos ou epidemias.

Os sintomas físicos da misofobia são semelhantes aos de outros transtornos de ansiedade e podem incluir:

  • Batimento cardíaco acelerado
  • Sudorese ou calafrios
  • Falta de ar
  • Aperto ou dor no peito
  • Tontura
  • Formigamento
  • Tremores
  • Tensão muscular
  • Inquietação
  • Náusea ou vômito
  • Dor de cabeça
  • Dificuldade em relaxar

As crianças que têm medo de germes também podem experimentar os sintomas listados acima. Dependendo da idade, eles podem apresentar sintomas adicionais, como:

  • Choros ou berros
  • Apegar-se ou recusar-se a deixar os pais
  • Dificuldade em dormir
  • Movimentos nervosos
  • Problemas de auto-estima

Às vezes, o medo de germes pode levar ao transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Impacto no estilo de vida

Com a germofobia, o medo de germes é persistente o suficiente para impactar sua vida cotidiana mesmo quando nãosurtos ou pandemias. Pessoas com esse medo podem se tornar terrivelmente obssessivas e com medo extremo.

Relação com transtorno obsessivo-compulsivo

A preocupação com contaminação não é necessariamente um transtorno obessessivo-compulsivo, nem germofobia. Cuidados como evitar aglomerações, evitar colocar a mão no rosto, usar álcool gel, lavar as mãos com frequência e praticar quarentena são cuidados necessários, principalmente em casos de surtos ou pandemias de infecção. Entretanto, as pessoas com germofobia apresentam ansiedade e angústia intensas com relação aos germes. Independente de contextos pandêmicos, elas apresentam comportamentos repetitivos de higiene que podem ser nocivos, como lavar tanto as mãos que chegam a formar feridas.

É possível ter germofobia sem TOC e vice-versa. Algumas pessoas têm tanto germofobia quanto TOC.

Causas de misofobia

Como outras fobias, a germofobia geralmente começa entre a infância e a idade adulta. Acredita-se que vários fatores contribuam para o desenvolvimento de uma fobia. Esses incluem:
  • Experiências negativas na infância. Muitas pessoas com germofobia podem se lembrar de um evento específico ou experiência traumática que levou a medos relacionados a germes;
  • Histórico familiar. Fobias podem ter causas genéticas. Ter um familiar próximo com uma fobia ou outro transtorno de ansiedade pode aumentar seu risco. No entanto, eles podem não ter a mesma fobia que você.
  • Fatores Ambientais. Crenças e práticas sobre limpeza ou higiene às quais você é exposto quando jovem podem influenciar o desenvolvimento da germofobia.
  • Fatores cerebrais. Certas alterações na química e na função do cérebro desempenham um papel no desenvolvimento de fobias.
Gatilhos são objetos, lugares ou situações que agravam os sintomas da fobia. Os gatilhos da germofobia que causam os sintomas podem incluir:
  • Fluidos corporais como muco, saliva ou sêmen
  • Objetos e superfícies impuros, como maçanetas, teclados de computador ou roupas não lavadas
  • Locais onde há concentração de germes como aviões ou hospitais
  • Práticas anti-higiênicas ou pessoas

Como é diagnosticada a misofobia

A germfobia se enquadra na categoria de fobias específicas no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5).

Para diagnosticar uma fobia, o clínico conduzirá uma entrevista. A entrevista pode incluir perguntas sobre seus sintomas atuais, bem como seu histórico médico, psiquiátrico e familiar.

O DSM-5 inclui uma lista de critérios usados ​​para diagnosticar fobias. Além de apresentar certos sintomas, uma fobia geralmente causa sofrimento significativo, afeta sua rotina e dura um período de seis meses ou mais.

Durante o processo de diagnóstico, a médica ou médico podem fazer perguntas para identificar se seu medo de germes é causado pelo TOC.



Veja também: