Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

De acordo com cálculos, no dia 19 de agosto, os recursos naturais produzidos em um ano no planeta já foram totalmente consumidos

Se fosse possível juntar todos os recursos naturais criados em nosso planeta durante todo o ano de 2014, eles já teriam virado pó. De acordo com a Global Footprint Network (GFN), em menos de oito meses, já estamos operando no vermelho.

O dia 19 de agosto marca o Overshoot Day (Dia da Sobrecarga da Terra). Isso significa que, pelo resto do ano, vamos manter o nosso déficit ecológico: reduziremos nossas reservas e aumentaremos ainda mais a quantidade de dióxido de carbono (CO²) produzidos na atmosfera.

A cada ano, os recursos naturais duram menos. No ano 2000, por exemplo, este dia de esgotamento foi no início de outubro. Hoje, 85% da população mundial vive em países que demandam mais da natureza do que os seus ecossistemas podem renovar.

É como se a conta no banco fechasse todo mês no vermelho: estamos gastando mais do que ganhamos. O “cheque especial do planeta” está cada vez mais visível na vida de todo mundo.

De acordo com os cálculos da GFN, seriam necessários 1,5 planetas para produzir os recursos ecológicos necessários para suportar a atual pegada ecológica mundial. Confira o gráfico que mostra mais dados interessantes (em inglês):

Pegada ecológica

A pegada ecológica faz a conta entre a demanda humana por recursos naturais e a capacidade regenerativa do planeta. Ela corresponde ao tamanho das áreas produtivas da terra e de mar necessárias para gerar produtos, bens e serviços que utilizamos no nosso dia a dia.

A pegada mede a quantidade de recursos naturais biológicos renováveis (grãos, vegetais, carne, peixes, madeira e fibra, energia renovável, entre outros) que estamos utilizando para manter nosso estilo de vida – e se esse consumo está dentro da capacidade ecológica do planeta.

Fonte: EcoD

Veja também:
Consumo humano excedeu o orçamento do planeta para 2013 e passamos a “operar no vermelho”