Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Conheça os riscos e as precauções que devem ser tomadas ao optar por uma fórmula infantil para o seu bebê

fórmula infantilImagem de Lucy Wolski em Unsplash

A fórmula infantil é indicada quando há impossibilidade total de o bebê receber o leite materno – seja por contraindicação médica ou mediante a baixa produção de leite pela lactante. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde no Brasil recomendam fortemente o aleitamento materno exclusivo até os seis meses (que pode ser estendido até os 2 anos ou mais).

Após os seis meses de idade, o aleitamento materno deve ser oferecido paralelamente à introdução de alimentação complementar balanceada. No entanto, segundo a OMS, apenas 41% dos bebês em todo o mundo (recém-nascidos até os seis meses de idade) têm o leite materno como única alimentação. No Brasil, essa taxa cai para 26%. Para especialistas em saúde pública, os dados preocupam.

O marketing massivo de produtos comercializados como substitutos ao leite materno, aliado à desinformação sobre a importância da amamentação exclusiva, leva muitas mães a optarem pelas fórmulas infantis mesmo quando o aleitamento é possível. Vale lembrar que bebês que bebês exclusivamente amamentados têm 14 vezes menos chances de morrer prematuramente do que os que não são amamentados. A amamentação até os dois anos reduz a probabilidade de desenvolvimento de doenças futuras (como obesidade, hipertensão e diabetes), sendo encarada como uma questão crucial para a saúde pública.

O leite materno ainda evita diarreia, infecções respiratórias, alergias e colesterol alterado. O aleitamento exclusivo tem efeitos positivos no desenvolvimento cognitivo, na qualidade de vida e na promoção do vínculo entre mãe e bebê. Além disso, as fórmulas infantis, produzidas a partir de leite de vaca, podem sobrecarregar os rins pelo excesso de proteínas, o que aumenta a excreção de cálcio pela urina, e apresentam potencial alergênico, oferecendo riscos à criança.

Entretanto, segundo o Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos, de 2019, divulgado pelo Ministério da Saúde, a fórmula infantil é o substituto alimentar mais seguro nos casos em que o leite materno não pode, em nenhuma hipótese, ser oferecido ao bebê. Existem diversos tipos de fórmulas infantis, cada uma elaborada com fins nutricionais específicos e classificadas por faixa etária.

O produto deve ser escolhido com a orientação de um profissional da saúde, sempre observando as necessidades nutricionais e possíveis limitações da criança (como alergias a componentes da fórmula). O preparo da fórmula deve ganhar especial atenção, porque quantidades inadequadas de água ou de pó podem afetar o desenvolvimento do lactente.

Fórmula infantil ou composto lácteo?

Muitas pessoas confundem fórmulas infantis com compostos lácteos, o que pode ser perigoso. A fórmula é especificamente projetada para substituir, na medida do possível, o leite materno, oferecendo nutrientes variados e necessários ao desenvolvimento da criança. Por isso, é composta principalmente por leite de vaca desnatado e fortalecida com proteínas, minerais, vitaminas e gorduras, de modo a se aproximar ao máximo do leite materno.

Além disso, algumas fórmulas podem conter óleos vegetais (palma, coco, canola, girassol e outros), açúcares, ácidos graxos, aminoácidos e probióticos. Existem também fórmulas infantis específicas para crianças que apresentam alergia ou intolerância às proteínas do leite de vaca. Esses produtos podem ser feitos à base de soja, de proteínas hidrolisadas (com ou sem lactose) e de aminoácidos que reduzem o potencial alergênico do produto.

Já o composto lácteo não é considerado leite pela legislação brasileira e é classificado pelo Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos como um alimento ultraprocessado, em virtude da presença de açúcares em grande quantidade e aditivos em sua composição. Por isso, não deve ser oferecido como um substituto adequado do leite materno ou de fórmulas infantis. Na dúvida, busque orientação médica.

Posso oferecer fórmula infantil caseira para o meu bebê?

A resposta para essa pergunta é apenas uma: definitivamente, não! A Food and Drug Administration, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, e a Academia Americana de Pediatria alertam contra o uso de receitas para fórmulas infantis caseiras. O uso dessas fórmulas pode acarretar problemas de saúde graves, uma vez que as necessidades nutricionais dos bebês são muito específicas, sobretudo nos primeiros 12 meses de vida.

As fórmulas infantis caseiras podem conter muito pouco ou muitos de certos componentes, como vitaminas e minerais importantes para a saúde, como o ferro. A fórmula infantil caseira também pode ter um risco aumentado de contaminação, aumentando o risco de doenças e infecções. Vale lembrar que oferecer leite em pó antes do primeiro ano de vida também não é recomendado.

Dicas para a preparação da fórmula infantil

  • Lave bem as mãos antes de preparar mamadeiras ou alimentar seu bebê. Limpe e higienize o local de trabalho onde você pretende preparar a fórmula infantil.
  • O leite do bebê ou fórmula infantil não precisa ser aquecido antes da alimentação, mas algumas pessoas gostam de aquecer a mamadeira. Se decidir aquecer a mamadeira, nunca use o forno micro-ondas. As micro-ondas aquecem o leite e a comida de forma desigual, resultando em “pontos quentes” que podem queimar a boca e a garganta do bebê.
  • Para aquecer a mamadeira, coloque-a sob água morna corrente, tomando cuidado para que a água não entre nela ou no bico. Coloque algumas gotas da fórmula infantil nas costas da mão para verificar a temperatura.

Se você usa fórmula infantil em pó:

  • Use água de uma fonte segura para misturar sua fórmula infantil, respeitando a quantidade indicada nas instruções da embalagem. Sempre meça a água primeiro, e só então adicione o pó.
  • Lembre-se de que água em excesso pode reduzir as propriedades nutricionais da fórmula e causar diarreia no bebê. Por outro lado, pouca água pode fazer com que os rins e o sistema digestivo do bebê trabalhem muito e causar desidratação.
  • Para crianças menores de 3 meses, prematuras ou com sistema imunológico enfraquecido, você pode querer tomar precauções extras ao preparar a fórmula do seu bebê para se proteger contra a bactéria Cronobacter spp, que pode causar infecções graves.

Use rapidamente ou armazene com segurança

  • A fórmula infantil preparada pode estragar se for deixada em temperatura ambiente.
  • Use a fórmula infantil em até 2 horas após preparação. Se você não começar a usar a fórmula infantil preparada nesse período, guarde-a na geladeira e use-a em até 24 horas.
  • Jogue fora qualquer fórmula infantil que possa ter restado na mamadeira depois de alimentar seu bebê. A combinação da fórmula infantil e saliva pode causar o crescimento de bactérias. Certifique-se de limpar e desinfetar o frasco antes do próximo uso.
  • Guarde os recipientes de fórmulas infantis fechados em um local fresco e seco.
  • Assim que o recipiente da fórmula infantil for aberto, armazene em local fresco e seco com a tampa bem fechada. Não guarde na geladeira.
  • Nunca use a fórmula após a data de validade indicada na embalagem.

Fontes: Saúde da Criança: Nutrição Infantil Aleitamento Materno e Alimentação Complementar, Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 Anos, NHS UK, CDC, Unicef e Marketing of Breast‑milk Substitutes: National Implementation of the International Code


Veja também: