Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A pesquisa é a primeira a avaliar o efeito do consumo desses produtos alimentícios desde a infância, quanto ao risco de obesidade. Cientistas acompanharam 9 mil crianças por 17 anos

Há algum tempo, a comunidade científica alerta a população sobre os riscos à saúde associados ao consumo de refrigerantes, biscoitos, balas e todo e qualquer produto alimentício baseado quase que unicamente em ingredientes industriais, os chamados ‘ultraprocessados’. Pela primeira vez, um estudo desenvolvido por pesquisadores do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens) da USP, em parceria com o Imperial College London, no Reino Unido, avaliou o consumo de ultraprocessados a longo prazo, da infância até o início da vida adulta, e seu efeito nos indicadores de obesidade. 9.025 crianças britânicas de 7 anos foram estudadas até completarem 24 anos de idade. Os resultados mostraram que os indivíduos que consumiam mais ultraprocessados na infância tinham piores padrões de obesidade. 

A pesquisa inédita aponta que, quanto maior a participação dos ultraprocessados na dieta de crianças, maior e pior é o ganho de peso, e denuncia o papel definitivo desses produtos na infância para a formação de preferências e hábitos alimentares. A pesquisa teve o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O artigo, publicado na revista médica Jama Network, no dia 14 deste mês, destaca a urgência de ações de saúde pública para regulamentação da publicidade e marketing na venda de ultraprocessados e da importância de instruir a população quanto aos seus riscos à saúde, para combater a crescente obesidade no mundo.

“Hoje, está claro que o consumo de ultraprocessados é o principal fator de piora da qualidade da alimentação, mas, até então não havia um estudo como esse, que permite avaliar a relação entre padrões alimentares baseados nesses produtos e obesidade desde a infância”, afirma Daniela Neri, nutricionista, pesquisadora de pós-doutorado do Nupens e coautora do estudo.

O grupo de 9.025 crianças nascidas na década de 1990, da cidade de Bristol, na Inglaterra, passou a ser estudado em 1991. Elas foram avaliadas por medidas antropométricas, como índice de massa corporal (IMC), índice de massa gorda (IMG), peso e circunferência da cintura, coletadas dos 7 aos 24 anos de idade, no intervalo de três anos por avaliação. Essas medidas possibilitaram avaliar a evolução do crescimento e da composição corporal, bem como o desenvolvimento de obesidade da infância até o início da vida adulta. 

Para analisar o consumo alimentar aos 7, 10 e 13 anos de idade, os participantes registravam em diários tudo o que consumiam em um período de 24 horas durante três dias não consecutivos, incluindo alimentos e bebidas, quantidade consumida e local da refeição. Os dados foram categorizados segundo a classificação NOVA, que descreve os alimentos, não mais pelo conteúdo de nutrientes, mas por quatro agrupamentos que avaliam o grau de processamento industrial. De acordo com a pesquisadora Daniela Neri, que foi uma das responsáveis por essa análise, a classificação divide os alimentos com base na extensão e no propósito do processamento industrial em que os alimentos foram submetidos antes da aquisição das famílias dos indivíduos. 

No primeiro grupo estão os alimentos in natura ou minimamente processados, que incluem carne, leite, ovos, grãos e uma gama de alimentos de origem animal ou vegetal que, antes de chegar em nossas mesas, podem ter sido embalados, resfriados e/ou congelados, mas não sofreram adição de ingredientes, nem alterações significantes. O segundo grupo é de ingredientes culinários, que são azeites, óleos, sal e outros produtos extraídos do grupo anterior para temperar e tornar os alimentos atrativos ao paladar. Já o grupo três abrange os alimentos processados, como conservas de legumes ou de pescado e frutas em caldas. A grande diferença está no quarto grupo, dos ultraprocessados, que caracterizam alimentos que, na realidade, nada ou quase nada têm de alimentos de verdade, como os sucos em pó – que nunca foram frutas. É como aquilo que entendemos por “comida de astronauta”, mas que, segundo a pesquisadora, são uma mistura de gorduras não saudáveis, amido, açúcar e sal, acrescidas de corantes, aromatizantes, emulsificantes, espessantes e outros aditivos, que dão aparência de comida e  não estão restritos aos homens e mulheres no espaço há muito tempo. “Hoje são embaladas de uma maneira muito atraente e promovidas por estratégias de marketing muito sofisticadas e super apelativas, especialmente para crianças, o que pode explicar o consumo exagerado”, completa. 

Além de ser um bom instrumento para estudos epidemiológicos sobre consumo alimentar atrelado à saúde, a NOVA é reconhecida internacionalmente como uma ferramenta válida para embasar políticas e ações em nutrição e saúde pública, e foi adotada pelo Guia Alimentar da População Brasileira, em 2014. 

Ao final da pesquisa, os participantes, agora no início da vida adulta aos 24 anos de idade, foram avaliados. Os dados dividiam os 9 mil indivíduos em 5 grupos, de menor para maior consumo de ultraprocessados (em percentual do total de gramas de alimentos consumidos), e os resultados mostraram que os adultos que consumiam mais ultraprocessados na infância pesavam 4 Kg a mais, tinham níveis de Índice de Massa Corporal (IMC) e de percentual de gordura corporal superiores e três centímetros a mais de circunferência da cintura, comparado aos que consumiam menos alimentos ultraprocessados. 

As crianças que mais consumiam ultraprocessados não apenas ganhavam mais peso, mas apresentavam pior ganho de peso, com maiores danos à saúde. Essa relação, chamada de “efeito dose-resposta”, pode ser exemplificada com o tabagismo e câncer de pulmão. “Quanto mais a pessoa fuma, maior o risco dela desenvolver o câncer de pulmão”, explica Daniela. Com o aleitamento materno, porém na redução do risco de obesidade: “Quanto mais tempo a criança mama, menor o risco de dela desenvolver obesidade na vida adulta”

Daniela destaca que a proporção desses “alimentos” na dieta das crianças britânicas é muito alta: constituem mais de 60% das calorias da dieta, número que revela uma contribuição substancial e preocupante. De acordo com a pesquisadora, há uma clara substituição de alimentos in natura ou minimamente processados por ultraprocessados. As preparações culinárias baseadas em alimentos frescos deveriam ser base de uma alimentação saudável e fundamentais para promover crescimento adequado da criança.. Para ela, um dos principais responsáveis por essa substituição é a publicidade destinada às crianças que, ao seu ver, deve ser melhor regulamentada.

Na infância, a formação de hábitos alimentares tem efeito duradouro ao longo da trajetória de um indivíduo e, por isso, a preferência das crianças por produtos que não são alimentos de verdade preocupa os cientistas. Além do baixo valor nutritivo, com maior quantidade de calorias e gorduras não saudáveis e menor porção de fibras, vitaminas e minerais, os mecanismos por trás das “comidas de astronauta” promovem redução da saciedade, além de consumo em excesso e sem atenção. O tempo de mastigação de uma salsicha, por exemplo, é muito menor do que o de um pedaço de carne, que possui melhor valor nutricional, exemplifica a pesquisadora

“Esses produtos são desenhados para serem consumidos rapidamente, podem levar ao vício, perda de controle e escravização do paladar, e, quando consumidos no período de formação do paladar, o efeito é prejudicial a longo prazo”, completa Daniela.

O que está por trás da alimentação infantil baseada em comidas ultra processadas?

Daniela Neri aponta que, essa problemática não é de âmbito individual, e sim de uma questão coletiva, na qual todas as crianças podem estar expostas e que exige atuação do governo em nível de saúde pública: “Os guias alimentares precisam deixar bem claro os malefícios da alimentação baseada em ultraprocessados, como o Brasil fez no guia da população brasileira e no das crianças menores de dois anos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, em outubro de 2020, um modelo para a rotulagem frontal de alimentos processados e ultraprocessados no Brasil, que adota um selo de advertência quanto a alimentos com excesso de sal, açúcar e gorduras saturadas. “Mas é também importante que o País avance em políticas e ações para desincentivar o consumo de alimentos ultraprocessados, como a taxação desses produtos e restrição do marketing”, completa.

Mais informações:danielaneri@usp.br, com Daniela Neri