Adaptadas, esponjas naturais funcionam como absorventes femininos. A opção é segura?

eCycle

As esponjas marinhas menstruais são uma nova alternativa para quem está naqueles dias... Só que há muita polêmica envolvida

Esponja funciona como coletor menstrual?

Absorventes descartáveis são práticos para as mulheres em ciclo menstrual, mas muito prejudiciais ao meio ambiente (veja mais em "Absorventes descartáveis: história, impactos ambientais e alternativas"). Há uma série de alternativas mais sustentáveis, como utilizar absorventes de pano, biodegradáveis e copos coletores de silicone... Mas você sabia que é possível transformar esponjas marinhas em absorventes?

A utilização de esponjas marinhas no período menstrual não é um método muito divulgado no Brasil, mas há eficiência segundo reportagem da BBC, já que a esponja absorve líquidos muito bem. Existe, no entanto, uma questão polêmica importante a respeito.

É seguro ou não?

De acordo com a ginecologista Raquel Dardik, do NYU Langone Medical Center, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, "elas são absolutamente seguras". Mas há também profissionais que rejeitam o uso desse tipo de objeto, justamente por desconhecerem os métodos de limpeza utilizados por fabricantes - assim, as esponjas poderiam, por exemplo, conter bactérias potencialmente prejudiciais. A médica ginecologista canadense Jen Guntar desaconselha o uso das esponjas como absorventes íntimos. "Elas não passaram sequer pelos mais básicos testes de segurança", diz em uma postagem referenciada em estudos, em seu blog pessoal.

Preparo e uso

Os fabricantes afirmam que o processo consiste em coletar, adaptar, secar e desinfetar as esponjas antes de vendê-las; elas não são prejudiciais ao meio ambiente, podem ser reutilizadas e são biodegradáveis. Para utilizar o item, basta mergulha-lo em água quente e espremê-lo o máximo possível, introduzindo-o na vagina. Ao entrar em contato com a água, a esponja se expande e se adapta ao formato da região íntima de cada mulher.

Depois de colocada, a esponja deve ser removida após três ou quatro horas e lavada, podendo ser reutilizada por um período de seis a 12 meses, dependendo das especificações do fabricante - acabado o prazo, a usuária precisa adquirir outra. No ciclo menstrual, após as três ou quatro horas citadas, a esponja deve ser mantida imersa em uma solução natural de limpeza (vendida pelos fabricantes) durante a noite; antes de ser guardada, precisa estar bem seca. Ela nunca deve ser lavada com sabão em pó ou detergente - água é suficiente. Também é importante deixar que se seque normalmente.

Há tamanhos diferentes de esponjas e é possível fazer uso de mais de um no mesmo período menstrual de acordo com a quantidade de fluxo. A inserção do item é simples, mas sua remoção é mais complicada.

Recomendações

A opção parece interessante e realmente se trata de uma alternativa ambientalmente amigável. Mas é sempre importante levar em conta o princípio da precaução. Se decidir usar, pesquise o site do fabricante e verifique se o produto foi testado e houve comprovação de que não proporciona danos potenciais. Não utilize uma esponja natural comum como absorvente - isso pode provocar acidentes. Uma boa alternativa enquanto as esponjas naturais ainda estão envoltas em polêmica é testar os coletores menstruais feitos de silicone medicinal (eles estão disponíveis na Loja eCycle)!



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail