14 causas surpreendentes de desidratação

eCycle

Estar desidratado oferece riscos à saúde, mas algumas causas não são óbvias e você pode perder água sem perceber

Menina bebendo água

A proporção de água no corpo varia em função da idade e do gênero. Se você for uma mulher adulta, deve ter, em média, 60% de seu corpo formado por água. Se for homem, deve ter, em média, 65%. Mas independente dessa variação, a vida de todos nós depende substancialmente da água. A água nutre as células do nosso corpo e garante o pleno exercício das funções corpóreas.

Nós perdemos água sob forma de vapor o tempo inteiro quando respiramos, mas também perdemos no suor, na urina e nas fezes. Em conjunto com a água, perdemos sais minerais e líquidos orgânicos. Quando perdemos mais do que ingerimos, ocorre a desidratação. A desidratação é mais perigosa para crianças e idosos, mas em níveis severos pode levar qualquer um à morte.

Segundo estudo, perder 1,5% de água já pode significar alteração no humor, no nível de energia e na função cognitiva. Alguns sintomas de desidratação são: dor de cabeça, sonolência, tonturas, fraquezas, cansaço e aumento da frequência cardíaca. A privação de água, em geral, provoca um aumento da concentração de sódio no sangue, o que pode gerar diversas complicações como problemas renais.

Algumas causas da desidratação são um pouco óbvias, como não beber água o suficiente, ficar sob sol forte ou realizar exercícios intensos. Contudo existem outras causas menos evidentes. Confira esses 14 exemplos surpreendentes de o que pode causar a desidratação e veja como evitá-las.

1. Diabetes

Pessoas com diabetes não controlada correm maior risco de desidratação. Isso ocorre quando os níveis de açúcar no sangue estão altos demais; o corpo tenta eliminar o excesso de glicose através do aumento da produção de urina. A Poliúria, ou excreção de urina em demasia, é um dos sintomas de diabetes. Se você é diabético e sofre de micção frequente, converse com seu médico e não reduza a ingestão de líquidos para tentar diminuir a frequência das idas ao banheiro, pois isso pode gerar sérios riscos.

2. Menstruação

Beba um copo extra de água durante esse período. Devido à variação hormonal durante o ciclo, existem alterações no nível de hidratação. Além disso, algumas mulheres têm o fluxo muito intenso, e a quantidade de sangue perdida pode significar uma diminuição dos níveis de fluidos. Por esse motivo, você pode precisar aumentar a ingestão de líquidos durante o período.

3. Medicamentos

Muitos medicamentos têm a desidratação como efeito colateral. Alguns remédios como os indicados para pressão arterial, têm efeito diurético. Ao aumentar a produção de urina, aumenta-se também o risco de desidratação. Além disso, se a droga causar diarreia ou vômito como efeitos colaterais, você também deve aumentar a ingestão de líquidos para se manter hidratado.

4. Dietas de baixo carboidrato

Dietas low carb queimam os estoques de glicogênio em seu corpo, que está associado a moléculas de água. Assim, com essa queima a água ligada a ele será eliminada pelos rins. Além disso, há uma queda nos níveis de insulina, resultando na excreção do excesso de sódio pelos rins, aumentando ainda mais a micção. Esse processo resulta em uma perda de peso causada pela desidratação, o que é muitas vezes confundida com perda de gordura. Carboidratos integrais como aveia, massas integrais e arroz integrais absorvem água durante o processo de cozimento. Logo, cortar esses alimentos pode reduzir involuntariamente sua ingestão de líquidos.

5. Estresse

Se você está sob estresse, suas glândulas suprarrenais bombeiam hormônios e se isso for constante pode esgotá-las, causando uma insuficiência adrenal. Mas qual a relação disso com a desidratação? Bom, as glândulas suprarrenais também produzem o hormônio aldosterona, que ajuda a balancear os níveis corporais de fluidos e eletrólitos. Assim, sob estresse, a produção de aldosterona cai, provocando desidratação. Aumentar a ingestão de líquidos é uma boa solução em curto prazo, contudo a solução real é reduzir as influências que o tornam estressado.

6. Síndrome do intestino irritável

Sintomas como náuseas e diarreia crônica causam desidratação. Por isso quem sofre da síndrome do intestino irritável não pode descuidar de sua hidratação. Além do mais, muitas vezes pessoas que sofrem dessa condição realizam dietas que cortam alimentos ricos em líquido, o que agrava a situação.

7. Seu treino

Associamos desidratação com treinos de resistência, contudo mesmo com atividades moderadas, ela pode ocorrer. Seja com uma hora de bicicleta ou uma corrida rápida no quarteirão, você está perdendo água pelo suor. E se, dia após dia e semana após semana você estiver suando mais do que ingerindo líquidos, você pode acabar desidratado. Por isso, aumente a ingestão de líquidos após a realização de exercícios físicos.

8. Gravidez

Você está apresentando inchaço? Provavelmente, seu corpo está retendo líquidos em uma tentativa de compensar a desidratação. Durante a gravidez, o seu volume de sangue total e rendimento cardíaco aumentam. Assim, seu corpo demanda maior quantidade de fluidos. Além disso, vômitos matinais também podem influenciar nos níveis de hidratação.

9. Envelhecimento

Uma das principais causas de internação de pacientes idosos é a desidratação, especialmente em dias de calor intenso. Com a idade, a capacidade do organismo de conservar água é reduzida. A sensação de sede também diminui, e muitos idosos se esquecem de beber água. Assim, se torna mais fácil ficar desidratado. Por isso, é muito importante estimular a ingestão de líquido e conservar sempre uma garrafinha com água perto de idosos para que eles se lembrem de ingerir líquido mesmo quando não tiverem sede (mas não pode ser uma garrafinha descartável - saiba por que aqui).

10. Suplementos alimentares

Muitos suplementos têm efeito diurético e causam o aumento da produção de urina. É preciso ficar atento, pois mesmo suplementos naturais podem trazer essa complicação, como os que possuem salsa, sementes de aipo, dente de leão e agrião. Se você está pensando em tomar algum suplemento, é melhor consultar um nutricionista antes e conhecer os efeitos para se prevenir.

11. Altitudes elevadas

Quando você visita locais com grandes altitudes, seu corpo acelera a respiração e aumenta a produção de urina. Esses efeitos são necessários para ajustar de forma saudável os níveis de oxigênio no corpo. Contudo, a micção constante e a respiração intensa que fazem com que você exale mais vapor de água podem causar desidratação.

12. Beber álcool

A cerveja pode oferecer a sensação de matar a sede devido ao frescor do líquido, mas não se engane. Beber faz você ir ao banheiro. O consumo do álcool inibe a produção de um hormônio antidiurético e, em consequência, aumenta a produção de urina. Além disso, ele faz suar e perder líquido do corpo, pois o álcool aumenta a pressão.

13. Comer poucas frutas e verduras

Frutas e verduras possuem grandes quantidades de líquidos. Ao ingeri-los, você está consumindo água sem perceber. Uma alimentação rica em vegetais pode significar até duas xícaras extras de água por dia. Se você consome poucas verduras e frutas e não compensa a ingestão de líquidos de outra forma pode acabar desidratado.

14. Amamentação

Ao amamentar, a mãe transfere eletrólitos, proteínas e minerais para o corpo do bebê. Mas o leite materno possui essencialmente água, e obviamente isso reduz os níveis de hidratação da mãe. Por esse motivo é fundamental aumentar a ingestão de líquidos. Se você apresentar dificuldade em produzir leite, procure seu médico pois pode, entre outras causas, ser sinal de desidratação grave.


Fonte: Health

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail