Água: riscos à saúde, impactos das embalagens e cuidados no consumo

eCycle

Garrafas plásticas causam grande impacto ambiental

A água é uma das mais importantes substâncias presentes na Terra. Sem água, não haveria vida. Os médicos indicam o consumo de, no mínimo, dois litros de água por dia para garantir o bom funcionamento do nosso organismo. Mas de onde vem sua água? Você já parou para pensar nas opções que faz ao consumir essa preciosa substância, qualidade do líquido e embalagem?

O impacto ambiental da garrafa de água

As garrafas de água, na grande maioria das vezes, são feitas de um tipo específico de plástico derivado do petróleo chamado politereftalato de etileno, comumente conhecido como PET. De acordo com matéria publicada na revista National Geographic, os EUA, maior consumidor mundial de água mineral engarrafada, supre sua demanda anual com o equivalente a 29 bilhões de garrafas, para as quais a produção envolve cerca de 17 milhões de barris de petróleo na manufatura do PET. Uma quantidade considerável, sobretudo ao pensarmos que se trata de um produto praticamente descartável. Isso mesmo, uma quantidade enorme de energia envolvida para que utilizemos somente uma vez o produto. De certo importa as reciclabilidade do material, mas não devemos esquecer o investimento em energia e logística necessários à reciclagem e, sobretudo, que somente uma fração do produto acaba sendo reprocessado. Uma enorme quantidade do material tem como destino os depósitos de lixo e o pior, muitas vezes acabam em rios e mares.

Saúde do seres

Ao chegar ao meio ambiente, principalmente nos oceanos, as garrafas levam aproximadamente 400 anos no processo de degradação. Além disso, acabam transformando-se em microplástico, pequenas partículas plásticas poluentes e tóxicas, responsáveis pela morte de milhares de animais (para saber mais sobre o assunto e sobre o processo de poluição dos oceanos causado pelo descarte inadequado de produtos feitos de plástico, leia nossa matéria especial sobre o assunto).

O politereftalato de etileno, como o próprio nome sugere, possui ftalatos em sua composição. Estudos relacionam este composto químico ao desenvolvimento de diabetes e obesidade em homens. Esse composto também é considerado uma fonte de xenoestrogênio, que pode levar ao desenvolvimento de inúmeros problemas de saúde para as mulheres, como desregulação hormonal e doenças ovarianas (entre elas: endometriose e síndrome do ovário policístico - clique aqui e veja mais sobre xenoestrogênios).

Enfrentando o problema

O IPEA aponta que, no Brasil, entre os anos de 1974 e 2003, houve um aumento no consumo de água mineral por famílias, de 5.694%. A ideia seria diminuir o consumo de água engarrafada ao mínimo necessário. De acordo com o Ministério da Saúde, a Anvisa e as empresas de saneamento estaduais afirmam que a água que sai da torneira das residências é própria para consumo imediato.

Mesmo assim, o mais indicado para o consumo de água em casa seria a combinação da filtragem e a não geração de mais lixo, assim como a precaução contra a possibilidade de exposição da saúde a riscos desnecessários (potencialmente associados ao consumo de água engarrafada em embalagens plásticas). Os filtros domésticos são boas opções. Alguns dos modelos utilizam energia elétrica, mas há outros que não requerem o consumo de eletricidade.

Dos filtros não movidos a energia elétrica, uma boa alternativa é o Pure It, da Unilever, pois além da economia de energia, não exige conexão com a tubulação e possui, como se espera, tecnologia microbicida eficaz. A capacidade de filtragem do kit purificador declarada pelo fabricante é de 750 litros. Variações de preços podem ocorrer, mas ao considerarmos o custo do litro de água engarrafada à razão de 1 real o litro, o valor alcançado no consumo dos 750 litros será superior a três vezes o valor do aparelho.

O plástico é um material moderno, flexível, inegavelmente importante para o homem na sociedade contemporânea. No entanto, se realmente pretendemos caminhar rumo a uma economia de baixo carbono, racionalização na produção e reprocessamento de resíduos, faz sentido repensarmos sua utilização, privilegiando progressivamente sua aplicação no desenvolvimento de produtos de tecnologia de ponta, evitando cada vez mais produtos descartáveis, sobretudo aqueles não biodegradáveis. Por uma pegada mais leve, use-o com inteligência e parcimônia e, ao descartá-lo, caso tenha dificuldades em localizar alternativas para reciclar o material, conte com nossa busca por postos de descarte aqui.


Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail