Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Estudo inédito revela que o consumo de avelãs, nozes e amêndoas pode melhorar significativamente a qualidade do sêmen

Muitos fatores ambientais e de estilo de vida têm sido associados ao declínio da qualidade do esperma – e a alimentação foi identificada como uma das grandes responsáveis por essas alterações. Estudos anteriores relatam uma estreita relação entre a mudança nas assinaturas de metilação do DNA do espermatozoide e a qualidade do sêmen. E alguns resultados não parecem ser muito positivos.

No entanto, estudo recente mostra, pela primeira vez, que o consumo de amêndoas, avelãs e nozes é capaz de melhorar significativamente a contagem, a viabilidade, a motilidade e a morfologia de espermatozoides humanos. Os participantes da pesquisa que revelaram resultados positivos adicionaram esses alimentos à dieta durante 14 semanas. Todos os indivíduos eram jovens e saudáveis.

A pesquisa foi conduzida por pesquisadores da Unidade de Nutrição Humana da Universitat Rovira i Virgili, do Instituto Pere Virgili de Saúde e CIBERobn, na Espanha, e pesquisadores da Universidade de Utah, nos Estados Unidos. A análise foi feita no âmbito do estudo Fertinuts – um ensaio randomizado controlado (RCT), liderado pela dra. Mónica Bulló e pelo dr. Albert Salas-Huetos, cujos resultados foram publicados em 2018. A equipe de cientistas analisou os efeitos do consumo de amêndoas, avelãs e nozes sobre os padrões do DNA do esperma de indivíduos que relataram seguir uma alimentação de estilo ocidental.

Publicada na revista científica Andrology, o estudo inédito recrutou 72 participantes do estudo Fertinuts, jovens, saudáveis e não fumantes. Os indivíduos se dividiram em dois grupos: 48 deles no grupo experimental e 24 no grupo de controle. Os pesquisadores observaram que a metilação de 36 regiões genômicas foi significativamente diferente entre a linha de base e o final do ensaio apenas no grupo que consumiu nozes. Além disso, 97,2% das regiões apresentaram hipermetilação.

De acordo com a equipe, essas descobertas fornecem a primeira evidência de que adicionar esses frutos a uma dieta de estilo ocidental regular afeta a metilação do DNA do esperma em regiões específicas. Os pesquisadores também apontam que os benefícios potenciais para a saúde justificam estudos posteriores para verificação dos resultados encontrados em outras populações.

Albert Salas-Huetos, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e autor principal do artigo, afirma que o trabalho revela a existência de regiões sensíveis do epigenoma do esperma que respondem à dieta. Segundo ele, isso resultaria em alterações no sêmen e na capacidade de fertilização. A equipe espera a realização de mais estudos nesse sentido para comprovar a associação entre consumo de nozes e qualidade dos espermatozoides.



Veja também: