Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

O beija-flor é o único pássaro capaz de voar para trás e é um importante agente polinizador

O beija-flor é conhecido por uma variedade de nomes, como, por exemplo, colibri, pica-flor, chupa-flor, binga e guanambi. Ele pertence à família Trochilidae, originária das Américas e presente desde o Alaska até a Terra do Fogo, no extremo sul do continente. Além disso, a maior quantidade de espécies de beija-flor está concentrada no Brasil e no Equador.

Esse grupo de aves é conhecido pelo seu bico fino e alongado, pela alimentação baseada em néctar e por bater as asas em uma velocidade tão rápida que produz um zunido. Por isso, em inglês, recebeu o nome de hummingbird, que, traduzido literalmente, significa “pássaro que zune”.

Voo

Como já mencionado, suas asas são muito velozes e chegam a bater mais de 80 vezes por segundo. Nenhuma outra espécie se aproxima dessa quantidade de batimentos. Outra característica marcante do beija-flor é a sua capacidade de ficar suspenso no ar e permanecer imóvel. São poucas as aves que possuem essa habilidade, e nenhuma delas a executa tão bem quanto o beija-flor. Além disso, ele é o único capaz de voar para trás.

Polinização

A alimentação por meio do néctar das flores foi a razão pela qual os beija-flores desenvolveram, durante seu processo evolutivo, a habilidade de pairar. Assim, poderiam permanecer imóveis em frente às flores para obter seu alimento. 

Outras inovações envolveram o formato de seu bico e língua. Todos os beija-flores possuem línguas bifurcadas, ideais para captação de néctar. Já o bico varia de espécie para espécie, adaptando-se ao formato da flor que compõe a base alimentar de cada grupo.

Embora seja um importante agente polinizador, nem sempre o beija-flor desempenha essa função. Em alguns casos em que a flor é grande demais, a ave pode retirar o néctar sem tocar nas partes reprodutivas da planta. Quando isso acontece, ele realiza a chamada “pilhagem de néctar”. 

Alimentação 

O beija-flor também é insetívoro. Dez por cento da sua dieta consiste em moscas, formigas, aranhas, besouros e vespas, e os outros 90% vem do néctar. Enquanto os insetos lhe fornecem proteína, o néctar é uma importante fonte de aminoácidos.

Em épocas do ano ou áreas em que há escassez de alimento, os beija-flores procuram os chamados “bebedouros”, fontes artificiais de soluções açucaradas. Desse modo, é possível atrair estas aves encantadoras e observá-las de perto. Porém, alguns cuidados devem ser tomados para que não haja danos à saúde do animal.

Plantas para cultivar e atrair beija-flores

O beija-flor não deve ser criado em cativeiro, e sua alimentação não deve consistir somente na solução colocada nos bebedouros. Isso pode ocasionar uma queda da imunidade da ave por desnutrição, já que o néctar das flores e os insetos são essenciais para a sua sobrevivência.

Por isso, um ótimo jeito de atrair estas aves para observá-las de perto é cultivando flores. Afinal, elas são a sua fonte de alimento natural. No entanto, alguns detalhes são essenciais para chamar a atenção dos beija-flores, e um deles é a cor da planta. Um estudo apontou para a predileção das aves às cores quentes, como vermelho e laranja. O plano de fundo também é um fator importante. Os beija-flores são mais atraídos por plantas nessas cores contrastando com fundo verde ou azul escuro.

Entre as espécies sugeridas para atrair as aves estão:

  • Amélia (Hamelia patens)
  • Brinco-de-princesa (Fuchsia hybrida)
  • Flamboyanzinho (Caesalpinia pulcherrima)
  • Sanguésia (Sanchezia nobilis)
  • Helicônia (Heliconia rostrata
  • Flor-de-maio (Schlumbergera truncata)
Brinco-de-princesa (Fuchsia hybrida)
Brinco-de-princesa (Fuchsia hybrida) | Imagem de Nicolas Ramirez disponível em Wikimedia e licenciada sob CC BY-SA 4.0

É importante priorizar a diversidade de espécies, pois isso permitirá que sempre haja plantas florescendo durante o ano em vez de uma única espécie que floresce em um determinado período. Além disso, a preferência por plantas nativas ajuda na conservação da biodiversidade local.

Por fim, evite o uso de pesticidas no seu jardim, pois eles são um dos principais causadores do desaparecimento de polinizadores, como a abelha e a borboleta.