Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A afantasia, também conhecida como imaginação cega, é uma condição que afeta cerca de 2,5% da população mundial

Imagem de Taras Chernus em Unsplash

Afantasia é a incapacidade de visualizar imagens mentalmente. O problema afeta cerca de 2,5% da população mundial. Indivíduos com afantasia não possuem “olhos da mente“, ou seja, sua imaginação é essencialmente cega. Você pode nunca ter parado para pensar sobre isso, mas capacidade de visualizar eventos e imagens desempenha um papel importante na vida das pessoas.

Como é ter afantasia?

As pessoas costumam visualizar cenas, pessoas, experiências, fantasias, objetos e eventos planejados, entre outras coisas. Quando você pensa em um amigo, por exemplo, você pode visualizar imediatamente o rosto dele em sua mente.

Para a maioria de nós, pensar sobre a aparência de algo implica uma experiência consciente do que os cientistas e filósofos chamam de Qualia, uma palavra elegante para descrever a visualização de um objeto dentro da mente.

A afantasia, por outro lado, é a completa ausência desse tipo de experiência. Se você pedisse a uma pessoa com afantasia que imaginasse algo, ela provavelmente descreveria o objeto, explicaria o conceito e recitaria fatos que sabe sobre o objeto. No entanto, ela não seria capaz de experimentar nenhum tipo de imagem mental para acompanhar esse conhecimento.

Sinais

Você acha que pode ter afantasia? Para descobrir, siga o passo a passo seguir:

  1. Pense em um amigo ou membro da família. Tente evocar uma imagem do rosto dele em sua mente. Com que clareza você pode ver suas características, rosto, cabelo e forma?
  2. Com que clareza você pode imaginar seus movimentos e gestos característicos?
  3. Com que nitidez você consegue imaginar as roupas dessa pessoa?

Se você tem dificuldade em responder às perguntas acima, é possível que tenha algum grau de afantasia.

Pesquisas sobre o tema

A falta de imagens mentais foi descrita no início do século 19, mas permaneceu um fenômeno relativamente não estudado. Francis Galton descreveu a ocorrência pela primeira vez em um artigo sobre imagens mentais publicado em 1880. Além de observar que as pessoas experimentam vários graus de vivacidade ao descrever suas imagens mentais visuais, ele também relatou que algumas pessoas não experimentaram nenhuma imagem visual.

Um estudo de 2015 introduziu o primeiro uso do termo afantasia e levou a um interesse renovado pelo fenômeno. Os autores desse estudo foram abordados por um paciente, apelidado MX, que perdera havia pouco tempo sua capacidade de visualizar imagens mentais após uma pequena cirurgia. Embora tenha descrito o problema, seus resultados em testes de percepção, imagens visuais e memória visual foram todos normais.

Depois que os detalhes do caso do paciente foram publicados em 2010, os pesquisadores foram abordados por vários indivíduos que descreveram sentir sintomas semelhantes ao longo da vida.

Outro estudo conduzido por pesquisadores da University of New South Wales investigou a questão de saber se as pessoas com afantasiaeram realmente incapazes de formar imagens mentais ou se simplesmente tinham memória insuficiente dessas imagens.

Usando uma técnica chamada “rivalidade binocular”, os pesquisadores disseram aos participantes para imaginar uma imagem. Duas imagens diferentes foram mostradas aos participantes por meio de um fone de ouvido 3D. Um olho viu uma imagem, enquanto o outro viu uma imagem completamente diferente.

Quando instruídas a imaginar uma dessas imagens de antemão, as pessoas sem afantasia têm maior probabilidade de ver a imagem que haviam imaginado anteriormente. Não havia tal correlação entre a imagem imaginada e a imagem dominante que as pessoas viam.

Essas descobertas sugerem que não é que aqueles com afantasia tenham uma memória pobre de suas imaginações; o problema é que eles literalmente não têm essas imaginações visuais para começar.

Possíveis explicações

Embora as pesquisas sejam limitadas, as descobertas disponíveis oferecem algumas pistas sobre o que pode explicar a afantasia. No caso de MX, as varreduras de ressonância magnética funcional descobriram que os padrões de ativação do cérebro ao olhar para imagens de rostos famosos não tinham diferenças significativas em relação aos controles normais.

No entanto, quando o paciente tentou visualizar imagens, houve uma redução significativa nos padrões de ativação nas redes posteriores , enquanto a atividade da região frontal foi significativamente aumentada em comparação com os controles.

Os pesquisadores sugerem que isso indica que o paciente confiou em uma estratégia cognitiva diferente durante a tarefa de visualização. Eles propõem ainda que tais resultados indicam que o desempenho em tarefas de memória visual e imagens visuais não dependem da experiência real da imagem visual.

Se você suspeita que pode ter afantasia, considere explorar algumas novas estratégias de memória. A incapacidade de visualizar pode tornar alguns tipos de memorização mais difíceis, então você pode precisar experimentar para encontrar uma técnica que funcione para você.

Mesmo que você não consiga visualizar cenas ou pessoas em sua mente, você pode usar fotografia, ilustrações, software de design e outras ferramentas de visualização para preencher essa lacuna.

Pessoas com afantasia parecem ter menos medo de histórias assustadoras

Um estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B testou como pessoas que vivem com afantasia reagem à leitura de cenários angustiantes, como ser perseguido por um tubarão, cair de um penhasco ou estar em um avião que está prestes a cair.

Os pesquisadores foram capazes de medir fisicamente a resposta de medo de cada participante monitorando os níveis de condutividade da pele em mudança. Esse tipo de teste é comumente usado em pesquisas de psicologia para medir a expressão física da emoção no corpo.

De acordo com as descobertas, histórias assustadoras perderam seu fator de medo quando os leitores não conseguiam imaginar visualmente a cena, sugerindo que as imagens podem ter uma ligação mais estreita com as emoções do que os cientistas pensavam anteriormente.

A ideia desse experimento surgiu depois que a equipe de pesquisa notou um sentimento recorrente nos fóruns de discussão sobre afantasia de que muitas pessoas com a doença não gostam de ler ficção. No futuro, a equipe pretende investigar como transtornos como ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático podem ser vivenciados de forma diferente por pessoas com afantasia.


Fontes: Very Well Mind, Medical Xpress e BBC


Veja também: