Economia linear: o que é e por que é preciso mudar

eCycle

A economia linear tem sido considerada uma forma de organização econômica inviável. Entenda e conheça alternativa

economia linear
Imagem editada e redimensionada de Jon Tyson, está disponível no Unsplash

A economia linear é uma forma de organização da sociedade baseada na extração crescente de recursos naturais, em que os produtos feitos a partir desses recursos são utilizados até serem descartados como resíduos. Nessa forma de economia, a maximização do valor dos produtos se dá pela maior quantidade de extração e produção.

A economia linear tem sido considerada uma forma de organização econômica inviável. Isso porque, a longo prazo, os limites planetários terão chegado a um nível insustentável de manutenção desse modelo.

A humanidade já experiencia a insustentabilidade da economia linear com a crescente escassez de recursos, aumento da poluição e vulnerabilidade humana e ambiental à essa poluição. Mas existe uma alternativa à economia linear que tem se apresentado como uma nova forma de organização: a economia circular. Entenda:

Desvantagens da economia linear

Limitação de suprimento

Em uma economia linear, a incerteza sobre a disponibilidade de recursos para a manutenção do sistema é cada vez mais crescente, dadas a existência de limites planetários e aumento da população.

Volatilidade dos preços

A flutuação nos preços das commodities (produtos de base em estado bruto) aumenta significativamente os preços médios. Isso não só causa problemas para os produtores e compradores de matérias-primas, mas também aumenta os riscos no mercado, tornando os investimentos no fornecimento de materiais menos atraentes. Isso pode garantir um aumento de longo prazo nos preços das matérias-primas.

Materiais críticos

Há uma série de indústrias que fazem uso extensivo de materiais críticos para sua produção. Estas são a indústria metalúrgica, a indústria de computadores e eletrônicos, a indústria de equipamentos elétricos e a indústria automotiva e de transporte.

A dependência de materiais críticos faz com que as empresas dependam de flutuações nos preços dos materiais, não sendo capazes de fazer previsões, tornado-se, portanto, menos competitivas do que os concorrentes menos dependentes de material.

Interdependência

Devido ao aumento das atividades comerciais, a interdependência dos produtos tornou-se cada vez mais forte. Por exemplo: países com escassez de água com excesso de petróleo bruto, comércio de petróleo para alimentos, o que resulta em uma ligação entre essas commodities no mercado. Além disso, a produção de muitos produtos depende da água e dos combustíveis. Devido a essa interdependência, a escassez de uma matéria-prima teria um impacto generalizado sobre os preços e a disponibilidade de mais bens.

Aumento de externalidades

Externalidades são os efeitos sociais, econômicos e ambientais indiretamente causados pela venda de um produto ou serviço. O presidente da North American Economic and Finance Association (Associação Norte Americana de Economia e Finanças), Dominick Salvatore, diz que as externalidades se resumem à “diferença entre custos privados e custos sociais ou entre lucros privados e lucros sociais”. Isso significa que as externalidades nascem na economia e podem ser negativas ou positivas para a sociedade.

Se colocássemos em uma balança as externalidades positivas e negativas produzidas pelos efeitos da economia linear; com certeza o peso maior seria das negativas. Elas incluem danos aos ecossistemas, redução na vida útil do produto e o desajuste com a demanda por produtos responsáveis.

Seguir o modelo linear leva à criação de resíduos. Durante os processos de produção e por causa do descarte de produtos são gerados grandes fluxos de material que não são usados, mas queimados ou deixados em um depósito de lixo. Isso acabará por levar ao excesso de montanhas materiais inutilizáveis, sobrecarregando os ecossistemas. Isso garante que o ecossistema seja prejudicado na prestação de serviços ecossistêmicos essenciais (como fornecimento de alimentos, materiais de construção e abrigo e processamento de nutrientes).

Nos últimos anos, a vida dos produtos diminuiu drasticamente. Essa é uma das forças motrizes por trás do crescente consumo de material no mundo ocidental. A vida útil dos produtos ainda está diminuindo, por um processo de obsolescência e feedback positivo: os consumidores querem novos produtos mais rapidamente e estão usando seus produtos “antigos” por um período mais curto. Isso resulta em uma menor necessidade de produtos de qualidade que possam ser usados ​​a longo prazo, o que estimula os consumidores a comprar novos produtos ainda mais rapidamente.

Desajuste com o consumo sustentável

Tanto para os políticos quanto para os consumidores, a conscientização sobre os efeitos negativos da indústria e a demanda por responsabilidade das empresas está aumentando. A pegada ecológica de uma empresa pode reduzir o poder de uma marca quando os consumidores evitam práticas insustentáveis. Além disso, os decisores políticos darão prioridade aos negócios sustentáveis ​​quando os efeitos negativos da economia linear forem perceptíveis.

Sustentabilidade por meio da ecoeficácia ou ecoeficiência

Em uma economia linear, a sustentabilidade é aprimorada pelo foco na ecoeficiência. Isso implica maximizar o ganho econômico que pode ser realizado com um impacto ambiental minimizado. Este impacto negativo por ganho econômico é minimizado, a fim de adiar o momento em que o sistema será sobrecarregado.

Na economia circular, a sustentabilidade é melhorada por meio do reforço da ecoefetividade do sistema. Isso significa que, em vez de minimizar o impacto negativo do sistema, o foco é colocado na maximização do impacto positivo do sistema por inovações radicais e mudanças estruturais.

Economia linear versus economia circular

Uma economia circular parte do pressuposto que o sistema industrial deve ser restaurativo ou regenerativo por princípio. Nesse tipo de economia, a ideia é que não haja "fim da vida do produto" ou de seus componentes. O conceito de "fim de vida" é substituído pelo conceito de restauração e menor geração de impacto, incluindo o uso de energia renovável, substituição de produtos químicos nocivos, e eliminação da geração de resíduos por meio da melhoria do desenho industrial e dos negócios.

Em primeiro lugar, em sua essência, uma economia circular visa "projetar" os resíduos. O desperdício não existe - os produtos são projetados e otimizados para um ciclo de desmontagem e reutilização. Esses ciclos rígidos de componentes e produtos definem a economia circular e a diferenciam do descarte e até da reciclagem, onde grandes quantidades de energia e mão-de-obra incorporadas são perdidas. Em segundo lugar, a circularidade introduz uma diferenciação estrita entre componentes consumíveis e duráveis ​​de um produto.

Ao contrário de como é na economia linear, os consumíveis da economia circular são em grande parte feitos de bases biológicas ou "nutrientes" que não são tóxicos e possivelmente até benéficos, podendo ser devolvidos com segurança à biosfera - diretamente ou em cascatas de usos consecutivos.

Os bens duráveis ​​como motores ou computadores, que são feitos de materiais inadequados para a devolução na biosfera, como metais pesados e plásticos, são projetados desde o início para serem reutilizados.

Em terceiro lugar, a energia necessária para abastecer este ciclo deve ser renovável por natureza, para diminuir a dependência de recursos e aumentar a resiliência do sistema. Para os componentes técnicos, a economia circular substitui amplamente o conceito de consumidor pelo de um usuário. Isso exige um novo contrato entre as empresas e seus clientes com base no desempenho do produto. Ao contrário da economia linear que parte do princípio do "compre e consuma", os produtos duráveis ​​são alugados ou compartilhados sempre que possível. Se eles são vendidos, existem incentivos ou acordos para garantir seu retorno ao sistema e, posteriormente, a reutilização do produto ou de seus componentes e materiais ao final de seu período de uso primário.

Todos esses princípios impulsionam quatro fontes claras de criação de valor que oferecem oportunidades de arbitragem em comparação com o desenho linear de produtos e o uso de materiais: O "poder de circulação interna" minimiza o uso de material em comparação ao sistema linear. Quanto mais forte for o círculo, ou seja, quanto menos um produto precisar ser mudado para a reutilização, reforma e remanufatura e quanto mais rápido ele voltar a ser usado, maior será o potencial de economia em termos materiais, de mão de obra, energia e capital embutido no produto. Esse estreitamento do "círculo" também faz com que haja menos externalidades negativas como poluição.

Uma camisa de algodão orgânico produzida a partir de energia renovável, por exemplo, após o término de sua vida útil como camisa, pode ser utilizada para a indústria moveleira como enchimento de fibra de estofado e, posteriormente reutilizada em isolamento para construção - em cada caso substituindo um influxo de materiais virgens na economia - antes que as fibras de algodão sejam devolvidas com segurança à biosfera.

Uma economia circular funciona de acordo com a abordagem 3R de "Reduzir, Reutilizar e Reciclar". A extração de material é reduzida quando possível usando menos material. Os produtos são feitos de peças e materiais reutilizados e após o descarte de um produto, materiais e peças são reciclados. Em uma economia circular, o valor é criado com foco na retenção de valor. Mantendo os fluxos de material tão puros quanto possível durante toda a cadeia de valor, o valor desse material é retido. Fluxos de materiais puros podem ser usados ​​várias vezes para fornecer uma determinada funcionalidade ou serviço, ao mesmo tempo em que são feitos apenas um investimento.

A principal diferença entre a ecoeficácia e a ecoeficiência reside na qualidade da reutilização.

Numa economia circular, a reutilização destina-se a ser da melhor qualidade possível. Um fluxo residual deve ser reutilizado para uma função que seja igual (reutilização funcional) ou de um valor mais alto (upcycling) do que a função inicial do fluxo de material. Isso garante que o valor do material seja mantido ou aprimorado. Por exemplo: o concreto pode ser triturado em grãos que são usados ​​para criar uma parede similar a anterior. Ou até mesmo um elemento construtivo mais forte.

Dentro de uma economia linear , a reutilização é vista principalmente em práticas de downcycling : um produto é usado para uma finalidade de baixa qualidade que reduz o valor do material. Isso complica as possibilidades de reutilização do material em uma terceira vida. Por exemplo: o concreto é triturado e usado como filamento de estrada.

A segunda lei da termodinâmica e a economia circular

De acordo com a Segunda Lei da Termodinâmica, a tendência da energia é sempre se dissipar. É por isso que em qualquer transformação sempre haverá perda de valor: a qualidade de materiais e energia diminui quando é extraída e usada, porque o grau de ordem diminui (a entropia aumenta).

Por exemplo, um quilo de ouro que é moldado em uma peça pode ser usado diretamente, e é mais valioso que um quilo de ouro distribuído sobre microchips em telefones celulares espalhados por toda a América Latina. Localizar, separar e derreter o ouro desses microchips para juntá-los não é tão fácil. Aumenta o risco de perdas de material, diminui a qualidade e a funcionalidade do material e custa dinheiro e trabalho. Assim, sempre haverá uma perda de 'valor', o que significa que a necessidade de novas 'entradas' ainda é necessária. Em outras palavras: uma economia circular 100% fechada não é possível.

Entretanto, isso não significa que não é urgente partimos do sistema de economia linear, nem que a economia circular é inviável. Mesmo no modelo econômico linear, muitos elementos já são feitos circularmente. Isso inclui a redução da extração de matérias-primas, o aumento da reciclagem, a mudança dos modelos de negócios de produto para serviço e outros métodos de financiamento. Ao circular matéria e energia apor meio da economia, a demanda por “novos” inputs é diminuída e a velocidade com que a entropia aumenta é atrasada.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail