Doença celíaca: sintomas, o que é, diagnóstico e tratamento

eCycle

Conheça os distúrbios associados à ingestão de glúten e dicas para evitar essa proteína em sua dieta

doença celíaca

A doença celíaca é uma intolerância permanente ao glúten, uma patologia autoimune (ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do corpo por engano) congênita que causa danos ao intestino delgado quando o indivíduo ingere glúten, causando má absorção de nutrientes e outros sintomas. O glúten, nos últimos anos, tem causado grande polêmica e os adeptos da dieta sem glúten crescem cada vez mais. Ele é uma proteína presente em cereais como o trigo, o centeio, a aveia (quando contaminada) e a cevada. A elasticidade de alimentos, como a que existe no querido pãozinho, é conferida por ele, garantindo que o produto cresça e fique macio (saiba mais sobre o glúten na matéria "O que é glúten? Vilão ou mocinho?").

Mas será que você precisa adotar uma dieta conhecida como gluten-free? A popularidade dessa dieta se iniciou com a publicação de diversos estudos que relacionam a ingestão da proteína com alergia, dermatite, prisão de ventre, aumento de peso, etc. E é só falar que uma dieta emagrece para ganhar milhões de adeptos, não é mesmo?

Entendendo melhor a doença celíaca, intolerância ao glúten e sensibilidade não celíaca

Em média, uma a cada 133 pessoas possui a doença celíaca, ou 0,75% das pessoas. O único tratamento para a doença celíaca é a não ingestão de glúten. A confirmação da doença celíaca é feita por meio de biópsia do intestino delgado. Caso o paciente continue a ingerir glúten em sua dieta, a doença celíaca pode aumentar o risco do desenvolvimento de outra doença como de tireoide, rins, fígado, pele e até câncer. Como o glúten pode estar escondido em muitos alimentos inesperados, a legislação obriga que os fabricantes incluam essa informação no rótulo para proteger os portadores da doença celíaca.

Contudo, algumas pessoas que não foram diagnosticadas com doença celíaca também podem ser beneficiados por uma dieta sem glúten. Qual a explicação para isso? Existem outros distúrbios relacionados com a ingestão de glúten, como a intolerância ao trigo e a sensibilidade não celíaca ao glúten.

Em média 0,4% das pessoas apresentam alergia ao glúten e são diagnosticadas por médicos. O trigo contém glúten, por esse motivo, ao cortar o glúten de sua dieta, a pessoa pode perceber os benefícios. Os sintomas de alergia ao glúten podem ser dermatológicos, respiratórios e gastrointestinais.

Ainda existe a sensibilidade não celíaca ao glúten. Isso ocorre quando - apesar de não possuir os distúrbios citados acima - a pessoa apresenta dores no abdômen ou nas juntas, erupções na pele, fadiga e confusão mental ao ingerir glúten. Uma dieta sem glúten normalmente elimina esses sintomas. A sensibilidade não celíaca ao glúten pode ser causada por diversos motivos diferentes e o diagnóstico se dá pela observação e exclusão do diagnóstico de doença celíaca ou de alergia ao glúten. Não existe exame específico para determinar essa sensibilidade - ela pode ser causada por uma alergia a frutanos, que são açúcares presentes no trigo e em outros alimentos, por uma ativação do sistema imunológico, ou até mesmo pelo efeito nocebo (o oposto do efeito placebo) - nesse caso, a pessoa acredita que o glúten terá consequências negativas em seu organismo e por esse motivo acaba apresentando-os.

Confira no vídeo (com legendas) uma aula do TED-Ed sobre glúten e as diferentes formas de intolerância como a doença celíaca e a sensibilidade não celíaca.



Autoconhecimento é essencial para uma vida equilibrada, portanto, observar as reações de seu corpo é fundamental. Confira algumas dicas que podem indicar a presença da doença celíaca, alergia a glúten ou sensibilidade não celíaca. Lembrando que é essencial apresentar suas experiências pessoais a um profissional para um diagnóstico adequado e conhecer as alternativas nutricionais para não prejudicar sua saúde.
  • Problemas digestivos, como gases, diarreia e até mesmo prisão de ventre;
  • Queratose pilar, também conhecida como "pele de galinha", que consiste em pequenas bolinhas vermelhas que normalmente aparecem na parte traseira de seus braços;
  • Fadiga, confusão mental ou cansaço após comer uma refeição que contenha glúten;
  • O diagnóstico de outra doença autoimune, como tiroidite de Hashimoto, artrite reumatoide, colite ulcerativa, lúpus, psoríase, esclerodermia ou esclerose múltipla;
  • Tonturas ou sensação de estar fora de equilíbrio;
  • Desequilíbrios hormonais, tais como TPM e síndrome do ovário policístico;
  • Dores de cabeça e enxaqueca;
  • Diagnóstico de fadiga crônica ou fibromialgia;
  • Inflamação, inchaço ou dor nas articulações, como dedos, joelhos ou quadris;
  • Problemas de humor, como ansiedade, depressão e alterações de humor;

Se você já excluiu a possibilidade de doença celíaca ou alergia ao glúten com seu médico, e mesmo assim considerar que apresenta sintomas negativos, converse com seu nutricionista sobre a possibilidade de fazer um período de testes para identificar uma sensibilidade não celíaca. Uma boa opção para verificar a sensibilidade não celíaca é fazer um período de testes com uma dieta sem glúten e após isso reintroduzi-lo. Você pode ficar um mês sem ingerir glúten e observar os efeitos. Mas como a proteína leva tempo para ser eliminada de seu organismo, é bom você ficar um tempo considerável sem ingeri-lo até reintroduzir-lo. Mantenha um diário de sintomas durante a dieta, anotando todas as mudanças ao longo do período, e relate-os novamente para seu médico, conversando sobre possibilidades de adaptação na dieta de forma permanente, se houver necessidade.

Confira algumas dicas para evitar a ingestão de glúten

Reduzir o consumo de glúten, de trigo (de modo mais geral) e de alimentos processados pode ser benéfica para a saúde se realizada de forma equilibrada. Pessoas que possuem disfunções graves decorrentes da ingestão de glúten devem procurar um nutricionista especializado em doença celíaca. O profissional saberá indicar a melhor dieta de acordo com suas necessidades. Mas se você está em fase de testes, as dicas a seguir podem ser muito úteis:

Sempre verifique os rótulos

Alguns alimentos aparentemente inofensivos, como hambúrgueres vegetais ou molhos de salada podem conter glúten. Ele também pode estar oculto em alguns suplementos ou medicamentos. O café, normalmente, não possui glúten, mas em alguns casos o pó está misturado com cevada em pó (cereal que apresenta a proteína). Alguns tipos de requeijão ou de queijos cremosos apresentam farinha de trigo na composição para a obtenção da consistência. Alcaçuz é um doce feito com farinha de trigo - outros doces podem conter trigo ou cevada.

Bebidas também podem conter glúten

Quem adora uma cervejinha ficará chateado em saber que a versão comum da bebida possui glúten. Contudo, existem opções gluten-free do produto no mercado e bebidas como o vinho e o saquê são naturalmente isentos da proteína. O Laboratório de Cereais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) analisou amostras de dez marcas de bebidas destiladas, confira uma lista das bebidas sem glúten.

Muitos alimentos saudáveis ​​e deliciosos são naturalmente sem glúten

Feijões, sementes e nozes em sua forma natural, ovos frescos, carnes frescas, peixes e aves (não à milanesa, massa revestida ou marinados), frutas e vegetais e a maioria dos produtos lácteos. Vinagres destilados também não apresentam glúten.

Faça substituições

O simples fato de ser um grão não significa que contenha glúten. Há muitas opções possíveis: arroz sob todas as formas (branco, negro, selvagem, basmati, etc.), soja, milho, trigo-sarraceno e quinoa. A farinha de trigo pode ser substituída por farinha de arroz, fécula de batata, polvilho de mandioca, farinha de abóbora, tapioca, farinha de soja, etc.

Leve lanches de casa

Quando você precisar comer fora de casa e não tiver certeza que encontrará um restaurante com refeições sem glúten, leve seu próprio alimento. Não vale passar fome, né? Então se prepare.

Leve um prato sem glúten em eventos sociais

Em eventos ou reuniões na casa de alguém você não pode garantir que a comida servida conte com opções sem glúten. Por esse motivo, é delicado levar algum prato sem glúten para ser compartilhado ou perguntar com antecedência sobre o cardápio. Assim você evita constrangimentos.

Receba em sua casa

Uma preocupação na cabeça de quem adere à uma dieta sem glúten é não ser considerado "o chato" da ocasião, aquele que não come nada. Uma ótima maneira de controlar os alimentos que ingere e se manter no círculo social é organizar alguns dos seus encontros de amigos. Prepare um menu com receitas sem glúten e peça às pessoas que levem uma bebida de sua escolha. Assim elas provarão coisas novas e você pode comer tudo sem se preocupar.

Retirar o glúten da dieta é saudável?

doença celíaca

Retirar o glúten de sua alimentação de forma equilibrada pode trazer benefícios. Eliminar carboidratos refinados, macarrão e bolachas e comer menos alimentos processados reduz os carboidratos em excesso.



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail