Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Prioridade no combate ao avanço do aquecimento global continua sendo a rápida eliminação dos combustíveis fósseis, que contribuíram com 86% de todas as emissões de CO₂ na última década

Restaurar os ambientes degradados utilizando reflorestamento com árvores nativas, por exemplo, é um dos meios necessários para evitar o colapso ambiental. Entretanto, uma pesquisa mostrou que isso não é o suficiente para compensar as emissões da queima de combustíveis fósseis no contexto de aquecimento global.

Os pesquisadores calcularam o potencial máximo de absorção de dióxido de carbono da restauração ambiental e descobriram que até 2030, combinada com o fim do desmatamento, ela poderia reduzir o aquecimento global em 0,18°C até 2100. Em comparação, as promessas atuais dos países nos colocam no caminho para um aquecimento de 1,9-2°C.

Isso está longe do que é necessário para mitigar os impactos catastróficos das mudanças climáticas e está bem acima da meta de 1,5 ℃ do Acordo de Paris. É um “balde de água fria” na ideia de que é possível escapar do aquecimento global em andamento.

A prioridade continua sendo a rápida eliminação dos combustíveis fósseis, que contribuíram com 86% de todas as emissões de CO₂ na última década. O desmatamento também deve acabar, com o uso da terra , o desmatamento e a degradação florestal contribuindo com 11% das emissões globais.

Monocultura não é reflorestamento

Compromissos crescentes com metas climáticas líquidas zero viram um foco crescente na restauração da natureza para remover o CO₂ da atmosfera, com base em alegações de que a natureza pode fornecer mais de um terço da mitigação climática necessária até 2030.

No entanto, o termo “restauração” geralmente abrange uma ampla gama de atividades, algumas das quais realmente degradam a natureza. Isso inclui plantações de monoculturas de árvores, que destroem a biodiversidade, aumentam a poluição e removem a terra disponível para a produção de alimentos.

O uso do termo “restauração” tende a obscurecer a importância de restaurar paisagens degradadas e conservar as florestas existentes e outros ecossistemas que já armazenam carbono.

É por isso que os cientistas do estudo defendem a ideia de “desenvolvimento responsável”, em vez de simplesmente “restaurar a natureza”. Em termos gerais, isso significa que as atividades de restauração devem seguir princípios ecológicos, respeitar os direitos à terra e minimizar as mudanças no uso do solo.

Isso requer a diferenciação entre atividades que restauram terras e florestas degradadas (como acabar com a colheita de florestas nativas ou aumentar a vegetação em pastagens), em comparação com o plantio de uma nova floresta.

A distinção importa. Criar novas plantações de árvores significa mudar a forma como a terra é usada. Isso apresenta riscos para a biodiversidade e tem potenciais compensações, como a remoção de terras agrícolas importantes.

Por outro lado, a restauração de terras degradadas não desloca os usos da terra existentes. A restauração aumenta, em vez de mudar, a biodiversidade e a agricultura existente.

Os benefícios de restaurar a natureza

Os cientistas descobriram que o potencial máximo de restauração “responsável” da terra disponível para mitigação do clima é equivalente a uma média de 378 bilhões de toneladas métricas de CO₂ removidas da atmosfera entre 2020 e 2100.

Isso pode parecer muito, mas, em perspectiva, as emissões globais equivalentes de CO₂ foram de 59 bilhões de toneladas métricas somente em 2019. Isso significa que as remoções potenciais da restauração da natureza até o fim do século são as mesmas que apenas seis anos de emissões atuais.

Desse modo, a restauração da natureza reduz o aquecimento global apenas marginalmente – e quaisquer benefícios climáticos são ofuscados pela escala das emissões contínuas de combustíveis fósseis, que podem ser mais de 2.000 bilhões de toneladas métricas de CO₂ entre hoje e 2100, sob as políticas atuais.

Em um cenário de descarbonização intensa, onde a energia renovável é ampliada rapidamente e as atividades humanas atingem as emissões líquidas zero globalmente até 2050, o planeta excederia brevemente um aumento de temperatura de 1,5 ℃, antes de cair para 1,25-1,5 ℃ em 2100.

É claro que a eliminação gradual dos combustíveis fósseis e a restauração de terras e florestas degradadas também devem ser combinadas com o fim do desmatamento. Caso contrário, as emissões do desmatamento eliminarão quaisquer ganhos com a remoção de carbono.

Assim como acontece com a restauração,  interromper o desmatamento até 2030 tem um impacto muito pequeno nas temperaturas globais e reduziria o aquecimento em apenas cerca de 0,08 ℃ ao longo do século. 

Juntas, a restauração da natureza e a interrupção do desmatamento pode reduzir o aquecimento do final do século pode em 0,18 ℃.

Quanto tempo temos?

É improvável que a restauração da natureza seja feita com rapidez suficiente para compensar as emissões fósseis e reduzir notavelmente as temperaturas de pico globais, embora ela seja importante. Mas, devido à urgência em mitigar as mudanças climáticas, cada fração de grau de aquecimento possível de evitar, conta.

Restaurar paisagens degradadas também é crucial para a saúde planetária – a ideia de que a saúde humana e os sistemas naturais estão inextricavelmente ligados.

Além disso, proteger os ecossistemas existentes – como florestas intactas, turfeiras e pântanos – tem um importante benefício climático imediato, pois evita a liberação do carbono que eles armazenam.

Manter a possibilidade de limitar o aquecimento a 1,5 ℃ requer reduções rápidas nas emissões de combustíveis fósseis antes de 2030 e emissões líquidas globais zero até 2050, com alguns estudos até 2040.

As nações ricas, como a Austrália, devem atingir emissões líquidas zero de CO₂ antes da média global com base em suas emissões históricas mais altas.

Precisamos agora de nova cooperação e acordos internacionais para impedir a expansão global de combustíveis fósseis e que os governos reforcem suas promessas climáticas nacionais sob o mecanismo de catraca dos Acordos de Paris. Promessas de remoções de dióxido de carbono por via terrestre não podem justificar atrasos nessas ações necessárias.