Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A historiadora Andrea Duffy explica, em artigo no portal The Conversation, que lições podemos aprender com as crises sociais, políticas e ambientais do passado

Por Andrea Duffy para o The Conversation – No final do século 16, centenas de bandidos a cavalo invadiram o interior da Anatólia otomana invadindo vilas, incitando a violência e desestabilizando o controle do sultão no poder.

Quatrocentos anos depois e algumas centenas de quilômetros de distância, no antigo território otomano da Síria, protestos generalizados se transformaram em uma sangrenta guerra civil em 2011, que persiste até hoje.

Esses episódios sombrios da história do Mediterrâneo compartilham características-chave que oferecem um aviso para o futuro: ambos forçaram ondas de pessoas de suas casas. Ambos estavam enraizados na política e tiveram consequências políticas dramáticas. E ambos foram alimentados por condições meteorológicas extremas associadas às mudanças climáticas.

Como historiadora ambiental, pesquisei e escrevi extensivamente sobre conflitos e pressões ambientais na região do Mediterrâneo Oriental. Embora secas severas, furacões, aumento dos oceanos e migração climática possam parecer novos e únicos em nosso tempo, crises passadas como essas e outras trazem lições importantes sobre como as mudanças climáticas podem desestabilizar as sociedades humanas. Vamos olhar mais de perto.

A seca no coração de um império

Vivemos em uma era de aquecimento global em grande parte devido a práticas humanas insustentáveis. Geralmente conhecida como Antropoceno, considera-se que essa era tenha surgido no século 19, na esteira de outro período de grande mudança climática global, chamado de Pequena Idade do Gelo.

A Pequena Idade do Gelo trouxe temperaturas mais frias do que a média e clima extremo a muitas partes do globo. Ao contrário do aquecimento antropogênico atual, provavelmente foi desencadeada por fatores naturais, como a atividade vulcânica, e afetou regiões diferentes em momentos diferentes, em graus diferentes e de maneiras muito diferentes.

Seu início no final do século 16 foi particularmente notável na Anatólia, uma região predominantemente rural que já formou o coração do Império Otomano e é quase contígua com a Turquia moderna. Grande parte da terra era tradicionalmente usada para o cultivo de grãos ou para o pastoreio de ovelhas e cabras. Forneceu uma fonte crítica de alimento para a população rural, bem como para os residentes da movimentada capital otomana, Constantinopla (atual Istambul).

As duas décadas em torno de 1600 foram especialmente difíceis. A Anatólia experimentou alguns de seus anos mais frios e secos da história, como sugerem os anéis de árvores e outros dados paleoclimatológicos. Esse período também foi abundante em secas, geadas e inundações frequentes. Ao mesmo tempo, os habitantes da região cambalearam sob pragas, infestações e políticas estatais opressivas, incluindo a requisição de grãos e carne para uma guerra custosa na Hungria.

Safras prolongadas, guerras e adversidades expuseram as principais deficiências do sistema de provisionamento otomano. Enquanto o mau tempo paralisou os esforços do Estado para distribuir suprimentos limitados de alimentos, a fome se espalhou pelo interior de Constantinopla, acompanhada por uma epidemia mortal.

Em 1596, uma série de revoltas conhecidas coletivamente como a Rebelião Celali irrompeu, tornando-se o desafio interno mais duradouro ao poder estatal nos seis séculos de existência do Império Otomano.

Camponeses, grupos seminômades e líderes provinciais contribuíram para esse movimento por meio de uma onda de violência, banditismo e instabilidade que durou até o século 17. Com a persistência da seca, doenças e derramamento de sangue, as pessoas abandonaram fazendas e vilas, fugindo da Anatólia em busca de áreas mais estáveis, enquanto a fome matou muitos que não tinham recursos para partir.

O enfraquecimento do Império Otomano

Antes desse ponto, o Império Otomano havia sido um dos regimes mais poderosos do início do mundo moderno. Incluía grandes áreas da Europa, Norte da África e Oriente Médio e controlava os locais mais sagrados do Islã, Cristianismo e Judaísmo. Durante o século anterior, as tropas otomanas invadiram a Ásia Central, anexaram a maior parte da Hungria e avançaram pelo Império Habsburgo para ameaçar Viena em 1529.

O governo otomano conseguiu restabelecer a relativa calma na Anatólia rural em 1611, mas a um custo. O controle do sultão sobre as províncias foi irreversivelmente enfraquecido, e esse controle interno sobre a autoridade otomana ajudou a conter a tendência de expansão otomana.

A Rebelião Celali fechou a porta para a “Idade de Ouro” otomana, enviando este império monumental a uma espiral de descentralização, contratempos militares e fraqueza administrativa que perturbaria o estado otomano durante seus três séculos de existência restantes.

Mudanças climáticas como multiplicador de ameaças

Quatrocentos anos depois, o estresse ambiental coincidiu com a agitação social para lançar a Síria em uma guerra civil duradoura e devastadora.

Este conflito surgiu no contexto da opressão política e do movimento da Primavera Árabe, e no final de uma das piores secas da Síria na história moderna.

A magnitude do papel do meio ambiente na guerra civil síria é difícil de avaliar porque, assim como na Rebelião Celali, seu impacto esteve inevitavelmente ligado a pressões sociais e políticas. Mas a combinação brutal dessas forças não pode ser ignorada. É por isso que especialistas militares hoje falam sobre as mudanças climáticas como um “multiplicador de ameaças”.

Agora entrando em sua segunda década de existência, a guerra na Síria expulsou mais de 13 milhões de sírios de suas casas. Cerca de metade dessa população está deslocada internamente, enquanto o restante buscou refúgio em estados vizinhos, na Europa e além, intensificando muito a crise global de refugiados.

Lições para hoje e para o futuro

A região do Mediterrâneo pode ser particularmente propensa aos efeitos negativos do aquecimento global, mas essas duas histórias estão longe de ser casos isolados.

À medida que as temperaturas da Terra sobem, o clima dificultará cada vez mais os assuntos humanos, exacerbando o conflito e impulsionando a migração. Nos últimos anos, países de baixa altitude como Bangladesh foram devastados por enchentes, enquanto a seca afetou vidas no Chifre da África e na América Central, enviando um grande número de migrantes para outros países.

A história do Mediterrâneo oferece três lições importantes para abordar as questões ambientais globais atuais.

Em primeiro lugar, os efeitos negativos das mudanças climáticas recaem desproporcionalmente sobre os indivíduos pobres e marginalizados, aqueles que são menos capazes de responder e se adaptar.

Em segundo lugar, os desafios ambientais tendem a atingir mais duramente quando combinados com as forças sociais, e os dois estão frequentemente conectados de forma indistinguível.

Terceiro, a mudança climática tem o potencial de estimular a migração e o reassentamento, estimular a violência, derrubar regimes e transformar dramaticamente as sociedades humanas em todo o mundo.

A mudança climática, em última análise, afetará a todos – de maneiras dramáticas, angustiantes e imprevistas. Ao contemplar esse futuro, podemos aprender muito com nosso passado.