Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Especialista em aquecimento global afirma que os polos estão sofrendo os efeitos do aumento da temperatura da Terra e as estações estão mais longas e instáveis

Se preferir, vá direto ao ponto Esconder

Por Sandra Capomaccio, do Jornal da USP | Durante as últimas décadas, muito se discutiu sobre as possíveis consequências do aquecimento global por conta do aumento de emissões de gases causadores do efeito estufa, e como a elevação da temperatura média do planeta é uma ameaça para o futuro da humanidade. Em 2018, a Nasa (Agência Espacial dos Estados Unidos) identificou que a temperatura média do planeta foi a quarta mais alta em 140 anos.

Países da Europa, Estados Unidos e Ásia, estão enfrentando uma onda de altas temperaturas nunca antes registradas. A França fez um alerta à população sobre o calor extremo e incêndios mortais varreram Portugal, Espanha e outros países, forçando milhares de pessoas a deixar suas casas. Em meio às mudanças climáticas, as ondas de calor vêm ficando cada vez mais frequentes e intensas. 

O professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física da USP e especialista em mudanças climáticas globais, confirma que as temperaturas aumentaram em função do aquecimento global.  Outro fato observado por especialistas é que as estações estão mais longas, sejam com ondas de calor, frio ou chuva, mostrando que o clima está cada vez mais instável.

Sérios problemas à saúde

Como têm potencial para se expandir por grandes áreas, essas ondas de calor acabam submetendo grande quantidade de pessoas a temperaturas que podem causar problemas sérios para a saúde que vão da desidratação à morte, como aconteceu este ano na Europa. 

O corpo é o primeiro a sofrer, com as temperaturas elevadas, colocando em risco a vida de quem vive em locais onde existe o calor extremo. A queima de combustíveis fósseis e o desmatamento são as principais fontes de gases na atmosfera. Por isso essa emissão precisa ser reduzida imediatamente. 

Artaxo explica que os polos Ártico e Antártica são as pontas mais frágeis do planeta, por isso são os que mais sentem os efeitos do aquecimento global, com o derretimento das geleiras. O especialista em mudanças climáticas globais da USP alerta para o futuro do planeta. As ondas de calor vão ser cada vez mais fortes e intensas, por isso é necessário imediatismo no controle da derrubada de florestas e matas, além de um conjunto de esforços para conter a redução da emissão da queima de combustíveis fósseis. Vale lembrar que o Brasil é signatário do Acordo de Paris e outros compromissos internacionais para diminuir a emissão de carbono e gases prejudiciais.

Este texto foi originalmente publicado pelo Jornal da USP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original. Este artigo não necessariamente representa a opinião do Portal eCycle.