Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda mais sobre o glaucoma, quais suas causas, sintomas e possíveis tratamentos

O glaucoma é uma condição ocular caracterizada pelo dano do nervo óptico que pode resultar na perda total e irreversível da visão. A doença é geralmente diagnosticada em idosos acima de 70 anos e raramente apresenta sintomas. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo, depois da catarata. 

A perda de visão resultante da doença é gradual e, por conta da falta de sintomas, muitas pessoas não percebem que estão perdendo a visão. 

A condição não tem cura, mas pode ser tratada.

Causas

Especialistas não conseguem apontar uma causa certa para o glaucoma, porém ele é resultado do acúmulo de líquido (humor aquoso) nos olhos. Esse acúmulo pode ser desenvolvido por algum problema de drenagem de líquido nos olhos ou pela superprodução do humor aquoso, que causa pressão nos órgãos, danificando o nervo óptico. 

Na maioria dos casos, o glaucoma é hereditário. Contudo, infrequentemente, ele pode ser a resposta de infecções, lesões contundentes ou químicas, condições inflamatórias ou o bloqueio dos vasos sanguíneos dos olhos. 

Uma pesquisa publicada no Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America revelou uma possível causa para o bloqueio de fluxo sanguíneo em casos de glaucoma. De acordo com os cientistas do estudo, a resposta é o cálcio. 

A entrada do cálcio nos pericitos (células que revestem os vasos sanguíneos) é excessiva em pacientes de glaucoma, o que diminui o fluxo sanguíneo. Nesses casos, se o fluxo fosse equilibrado, as funções neurais e vasculares podem ser recuperadas. 

Tipos de glaucoma

Existem diversos tipos de glaucoma e eles podem afetar pessoas diferentes de formas diferentes, porém, todos podem resultar na perda total da visão. Geralmente, ambos os olhos são afetados pela doença. Seus tipos mais comuns são:

Glaucoma de ângulo aberto

O tipo mais comum da doença, geralmente não apresenta sintoma nenhum, apenas a perda gradual da visão. Esse tipo de glaucoma ocorre pelo bloqueio da malha trabecular, local de drenagem do humor aquoso.

Glaucoma de ângulo fechado

Ocorre quando a íris se projeta para frente e interrompe a drenagem e o fluxo do humor aquoso. Esses casos são emergenciais e devem ser examinados o mais rápido possível. Seus sintomas são dor nos olhos e na cabeça, náusea e visão embaçada. 

Glaucoma de tensão normal

Não é derivado da pressão decorrente do acúmulo de líquido, e sim do dano do nervo óptico. Embora não exista uma causa específica para isso, ele pode ser resultado de um nervo óptico sensível ou da menor circulação sanguínea da área. 

Glaucoma secundária

Resultante de outra doença ou condição, como catarata, diabetes ou tumor nos olhos. 

Glaucoma congênito

Uma condição rara, onde a doença é desenvolvida em crianças que apresentam algum defeito no ângulo dos olhos. É hereditário e seus sintomas incluem olhos turvos, lacrimejamento excessivo e sensibilidade à luz. 

Riscos

O glaucoma pode ser desenvolvido por qualquer pessoa, porém apresentam mais riscos: 

  • Idosos acima dos 60 anos
  • Negros, asiáticos e hispânicos
  • Pessoas com histórico familiar da doença
  • Pacientes de doenças ou condições como diabetes, doenças cardiovasculares, pressão alta ou anemia falciforme
  • Pessoas com inflamação ocular crônica ou córneas finas
  • Pessoas com algum trauma ou lesão nos olhos

Sintomas 

Como já mencionado, o glaucoma não apresenta muitos sintomas, principalmente em casos de glaucoma de ângulo aberto. Porém, ocasionalmente, ele pode ser manifestado nos seguintes sintomas: 

  • Dor nos olhos intensa
  • Dor de cabeça
  • Visão embaçada
  • Náusea e vômito
  • Olhos vermelhos

Diagnóstico

Por conta da falta de sintomas, o diagnóstico do glaucoma geralmente é feito em exames oculares de rotina.

Tratamento

A perda de visão derivada do glaucoma é irreversível, portanto, a condição não apresenta cura. Entretanto, o tratamento da doença é recomendado e pode retardar ou evitar a perda de visão. Entre os tratamentos conhecidos estão a prescrição de um colírio específico, tratamento a laser ou cirurgia.