Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Dia Nacional do Ciclista reforça a importância do combate à violência no trânsito

O Dia Nacional do Ciclista entrou para o calendário oficial do Brasil em homenagem ao biólogo brasiliense Pedro Davison, de 25 anos, que morreu atropelado em 2006 enquanto pedalava em uma via expressa da capital federal. O propósito dessa data é estimular o uso da bicicleta, a cidadania e a mobilidade sustentável e plural, além de aprimorar e criar novas oportunidades para promover a educação para a paz no trânsito.

Desde o acidente, as autoridades têm se mobilizado cada vez mais para punir crimes desse tipo. Além disso, os próprios ciclistas se articulam e já criaram movimentos para conscientizar os motoristas e também a eles mesmos. Estima-se que, a cada seis horas, um ciclista perde a vida em algum acidente de trânsito no Brasil. Segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde, entre 2001 e 2019 foram registrados 33.782 óbitos de ciclistas em todo o país.

Todo ciclista contribui para o meio ambiente de maneira sustentável. As bicicletas não poluem, dinamizam o trânsito nas grandes cidades e são um dos maiores símbolos da cidadania dentro do espaço público urbano. Se durante décadas esses espaços foram direcionados para os automóveis, aos poucos esse modelo de planejamento das vias públicas está sendo repensado para democratizar o direito de ir e vir. Cidades como Toronto e Amsterdã são referências mundiais no assunto.

Não existem contraindicações para quem é ciclista. A prática de pedalar faz bem para a saúde e melhora as condições físicas, além de promover uma sensação de liberdade que reduz o estresse e aumenta o bom humor. Cada vez mais pessoas estão se tornando ciclistas e, por conta disso, cidades e bairros inteiros se adaptam para oferecer ciclovias e espaços seguros para que se possa pedalar. O Dia Nacional do Ciclista também é o dia de quem busca qualidade de vida!

Benefícios da bicicleta para o meio ambiente e para a saúde

  • Evita a emissão de CO2: dentre os principais responsáveis pela emissão de CO2 na atmosfera estão os veículos automotores. Ao optar pela bicicleta como meio de transporte, você deixa de emitir qualquer gás do efeito estufa e outros componentes dos combustíveis fósseis, já que o único combustível necessário é a força de quem pedala;
  • Evita trânsito e poupa tempo: para curtas e médias distâncias – sem grandes inclinações e em percursos mais ou menos planos – é mais rápido e prático utilizar uma bicicleta do que um automóvel. A bicicleta permite fugir dos engarrafamentos, reduzindo o tempo de deslocamento. Mas é preciso ficar atento às normas de segurança para circular no meio do trânsito;
  • Reforça valores sociais como companheirismo, respeito, tolerância e o sentimento de pertencimento ao lugar;
  • Auxilia na perda de peso: combinadas a uma dieta saudável e com baixas calorias, as pedaladas são um excelente aliado contra o sobrepeso e a obesidade;
  • Previne doenças: andar de bicicleta estimula os sistemas cardiopulmonar e muscular, prevenindo o aparecimento de várias doenças, tais como diabetes, infarto agudo do miocárdio e AVC, entre outras;
  • Promove um bom estado de saúde e, por consequência, diminui a necessidade de recorrer a medicamentos;
  • Reduz a ansiedade e o estresse: quando pedalamos, o nosso corpo libera endorfina, que provoca o relaxamento, e serotonina, que ajuda a manter o bom humor. Isso significa que, ao final de uma boa pedalada, você vai estar menos estressado e se sentindo muito bem;
  • Reduz a poluição sonora: as bicicletas não produzem poluição sonora, especialmente nas grandes cidades e na hora do rush;
  • Reduz custos: o custo de compra e manutenção de uma boa bicicleta é dezenas de vezes menor do que o de um carro médio popular e ela minimiza a parte do orçamento familiar dedicado ao transporte.

Dicas para pedalar com segurança

A bicicleta está ganhando cada vez mais espaço no cotidiano das grandes cidades. Utilizada como meio de transporte, por lazer ou para a prática de exercícios e competições, os usuários defendem que, além de trazer benefícios para a saúde, ela contribui para a fluidez do trânsito e, consequentemente, para reduzir a poluição do ar nos centros urbanos.

Acidentes podem ocorrer por descuido, imprudência dos motoristas e do próprio ciclista e desrespeito às leis de trânsito. Para pedalar com segurança, preste atenção nas seguintes recomendações:

  1. Escolha o modelo da bicicleta de acordo com seu tipo físico e a forma como pretende usá-la. Coloque equipamentos que ajudem os motoristas a enxergar você e sua bicicleta em movimento. Os acessórios que vêm de fábrica, em geral, não são suficientes. Para sua segurança, a bicicleta precisa ter placas refletivas também nos pedais, espelho retrovisor, indicador de direção e lanterna com luz branca na frente e luz vermelha atrás, especialmente se você pretende pedalar à noite, ao entardecer ou sob chuva ou neblina, quando sua visão e a dos outros motoristas ficam muito prejudicadas;
  2. Use sempre capacete adequado ao tipo de ciclismo que vai praticar: transporte, recreação, competições, atividade física, entre outros;
  3. Proteja as mãos com luvas especiais para evitar lesões ou mantê-las aquecidas nos dias frios. Óculos também são importantes porque, além de protegerem os olhos contra os raios ultravioletas, impedem a entrada de corpos estranhos que podem prejudicar a visão e o equilíbrio;
  4. Prefira roupas claras, se possível com faixas refletivas e fluorescentes na frente do corpo e nas costas;
  5. Verifique as condições mecânicas da bicicleta com regularidade — pressão dos pneus, funcionamento do freio, ajuste do selim, da manopla e do guidão;
  6. Obedeça as regras de trânsito: se não houver espaço reservado para os ciclistas, trafegue sempre pela direita, não muito próximo do meio-fio e nunca na contramão. Na contramão, o tempo que separa você e sua bicicleta do veículo em sentido contrário é menor, uma vez que a velocidade relativa entre ambos fica muito aumentada;
  7. Evite transitar por vias expressas, avenidas e ruas muito movimentadas. Fuja dos horários de pico. Dê preferência a percursos mais tranquilos, mesmo que mais longos e demorados;
  8. Siga o conselho dos mais experientes. Pare nos cruzamentos e esquinas e olhe para os dois lados antes de começar a atravessá-los. Redobre a atenção nas saídas de garagem e de estacionamentos. Não utilize as faixas exclusivas de ônibus;
  9. Desça da bicicleta para atravessar cruzamentos muito movimentados e só utilize as calçadas se for absolutamente necessário. Nos dois casos, vire pedestre e vá empurrando sua bicicleta;
  10. Não mude de faixa ou de direção sem antes sinalizar as suas manobras;
  11. Mantenha o foco no que tem pela frente. Só olhe para trás quando necessário. Não use fones de ouvido para ouvir música ou o celular enquanto estiver pedalando.

O Código Nacional de Trânsito diz que os motoristas devem “guardar a distância lateral de um metro e cinquenta centímetros ao passar ou ultrapassar uma bicicleta” e que os ciclistas, assim como os pedestres, têm preferência de passagem sobre os veículos motorizados. Não confie que essa lei será sempre respeitada. Faça a sua parte. Conduzir uma bicicleta com segurança, considerando as características das ruas e avenidas por onde passa, deve ser preocupação constante de todos os ciclistas.


Veja também: