Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Alto-falantes feitos à base de hydrogel podem reproduzir sons de alta frequência e são os primeiros a usar íons no lugar de elétrons.

Quais são as utilidades do gel? Além de usá-lo para pentear os cabelos, para massagear alguém carinhosamente ou para curar um hematoma, ele também pode ser usado para escutar música. Estranho? Mas é verdade. Dê uma olhada no vídeo abaixo: 

Pesquisadores de Universidade de Harvard, nos EUA, desenvolveram uma espécie de geleia quase invisível que pode ser ligada a um laptop para reproduzir músicas. O “Gel alto-falante”, que pode reproduzir sons de alta frequência, é o primeiro a usar íons no lugar de elétrons. Essa tecnologia pode ser usada no futuro em janelas à prova de som e em players de música nas telas dos smartphones.

A equipe responsável pelo desenvolvimento do gel se inspirou na forma como os sinais elétricos são transmitidos no corpo humano, em que o fluxo de átomos carregados (chamados íons) – ao contrário dos elétrons que transportam cargas em dispositivos elétricos – faz com que os neurônios compartilhem informações ou “mandem” o coração bater.

Para criar o gel (que é uma substância sólida, mas flexível) a equipe combinou água salgada – que é embalada com íons dissolvidos e em movimento – com polímeros. A substância foi batizada de hydrogel.  O alto-falante foi criado através da compressão de uma fina camada de isolantes de borracha entre duas camadas de gel, ambas conectadas a eletrodos de cobre. Mas como toda essa gororoba toca música?

Tocando Música

Os sinais de áudio elétricos vindos do computador, alimentados pelo gel via eletrodos, fazem com que os íons fluam em ambas as camadas. Esse movimento faz com que os isolantes de borracha que estão no meio vibrem em frequências específicas, produzindo diferentes sons.

Apesar de todas as aparentes vantagens, o gel não dura muito tempo. Assim que a água contida neles evapora, eles secam. A equipe de pesquisadores de Harvard que desenvolveu o conceito tem agora um novo desafio pela frente: descobrir condutores iônicos que não evaporam facilmente.

Veja também: