Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Os pesquisadores acreditam que converter plásticos em produtos químicos de alto valor comercial pode ajudar a tornar a reciclagem mais atraente e combater a poluição global por plásticos

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, conseguiram transformar garrafas de plástico em essência de baunilha usando bactérias geneticamente modificadas. É a primeira vez que um produto químico valioso foi fabricado a partir destes resíduos. O estudo foi publicado no Journal Green Chemistry.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, a transformação de garrafas plásticas em materiais mais lucrativos pode tornar o processo de reciclagem muito mais atraente e eficaz. Atualmente, os plásticos perdem cerca de 95% de seu valor como material após um único uso. Incentivar uma melhor coleta e uso de tais resíduos é a chave para enfrentar o problema global da poluição do plástico.

Em 2016, uma equipe de pesquisadores japoneses descobriu que a bactéria Ideonella sakaiensis possui duas enzimas especiais, PETase e MHETase. A PETase decompõe o plástico em blocos de construção de PET menores, principalmente o MHET, e a MHETase divide esse MHET em dois blocos precursores básicos do PET, o ácido tereftálico (AT) e o etilenoglicol.

Agora, os cientistas da Universidade de Edimburgo estão usando bactérias E. coli geneticamente modificadas para converter o ácido tereftálico em vanilina, principal componente do extrato da semente de baunilha. O processo é capaz de converter 79% do AT em vanilina.

A equipe pretende fazer ajustes nas bactérias para aumentar ainda mais a taxa de conversão, além de ampliar o processo para converter grandes quantidades de plástico. Outras moléculas valiosas também podem ser fabricadas a partir de TA, como algumas usadas em perfumes.

A vanilina tem ampla aplicação na indústria de alimentos e cosméticos, mas cerca de 85% do produto é sintetizado a partir de combustíveis fósseis. E, para piorar, sua demanda global está crescendo.

Ao The Guardian, Joanna Sadler, principal autora do estudo, afirmou que “este é o primeiro exemplo de uso de um sistema biológico para transformar resíduos de plástico em um produto químico industrial valioso, com implicações muito interessantes para a economia circular”.

Para Ellis Crawford, da Royal Society of Chemistry, “este é um uso realmente interessante da ciência microbiana para melhorar a sustentabilidade. Usar microrganismos para transformar resíduos plásticos, que são prejudiciais ao meio ambiente, em uma mercadoria importante é uma bela demonstração de química verde”.

Cerca de 1 milhão de garrafas de plástico são vendidas a cada minuto em todo o mundo, e apenas 14% delas são recicladas. Atualmente, mesmo as garrafas recicladas só podem ser transformadas em fibras opacas para roupas ou tapetes.

Pesquisas recentes mostraram que as garrafas são o segundo tipo de poluição de plástico mais comum nos oceanos, depois das sacolas plásticas. Por isso, iniciativas como essa são fundamentais para combater a poluição por plásticos, um dos problemas ambientais mais críticos do nosso tempo.