Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Conheça os tipos de câncer de pele, aprenda a reconhecer os possíveis sinais da doença e confiras dicas de prevenção

O câncer de pele, provocado pelo crescimento anormal das células da pele, se desenvolve mais frequentemente na pele exposta ao sol. No entanto, essa forma comum de câncer também pode ocorrer em áreas da pele normalmente não expostas à luz solar.

Existem quatro tipos principais de câncer de pele: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma. O câncer de pele não melanoma se refere a um grupo de cânceres que se desenvolvem lentamente nas camadas superiores da pele. O melanoma costuma ser mais grave do que os outros tipos.

No Reino Unido, cerca de 147 mil  novos casos de câncer de pele não melanoma são diagnosticados a cada ano. A condição afeta mais homens do que mulheres e é mais frequente em idosos. Em todo o mundo, as maiores taxas de incidência de câncer de pele ocorrem em países como Austrália e Nova Zelândia, entre pessoas com cores de pele mais claras.

No Brasil, o câncer de pele responde por 33% de todos os cânceres diagnosticados, e o Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra cerca de 180 mil novos casos a cada ano. Por isso, políticas de saúde voltadas para a prevenção e o tratamento precoce do câncer de pele tornam-se cada vez mais necessárias. A doença tem altas chances de cura se diagnosticada no início.

O câncer de pele se desenvolve principalmente em áreas da pele exposta ao sol, incluindo couro cabeludo, rosto, lábios, orelhas, pescoço, tórax, braços e mãos e nas pernas nas mulheres. Mas também pode se formar em áreas que raramente veem a luz do dia, como as palmas das mãos, sob as unhas das mãos ou dos pés e sua área genital.

O câncer de pele afeta pessoas de todos os tons de pele, incluindo aquelas com pele mais escura. Quando o melanoma ocorre em pessoas com tons de pele escuros, é mais provável que ocorra em áreas normalmente não expostas ao sol, como as palmas das mãos e as solas dos pés.

Sintomas

As manifestações do câncer de pele podem se assemelhar a eczemas, lesões ou pintas comuns. Por isso, é fundamental inspecionar a sua pele frequentemente para detectar possíveis anomalias. Os sintomas podem incluir:

  • Lesão elevada e brilhante, que pode ser castanha, avermelhada, roséa, multicolorida ou translúcida, com sangramento frequente;
  • Pinta preta ou castanha que muda de cor, tamanho e textura;
  • Ferida que não se cicatriza em até 4 semanas ou mancha crescente, acompanhada de coceira, sangramento, erosão ou crostas;
  • Nódulos na pele;
  • Falta de ar ou tosse;
  • Dor de cabeça ou dor abdominal;
  • Inchaço nos gânglios linfáticos.

Como reconhecer uma mancha ou pinta maligna

Simestria

  • Assimétrico: maligno
  • Simétrico: benigno

Borda

  • Irregular: maligno
  • Regular: benigno

Cor

  • Dois tons ou mais: maligno
  • Tom único: benigno

Dimensão

  • Superior a 6 mm: provavelmente maligno
  • Inferior a 6 mm: provavelmente benigno

Evolução

  • Cresce e muda de cor: provavelmente maligno
  • Não cresce nem muda de cor: provavelmente benigno

Carcinoma basocelular

O carcinoma basocelular geralmente ocorre em áreas do corpo expostas ao sol, como pescoço ou rosto. Pode se manifestar como:

  • Uma protuberância perolada ou cerosa
  • Lesão plana, cor de carne ou parecida com uma cicatriz marrom
  • Uma ferida sangrando ou com crostas que cura e retorna
  • Sinais e sintomas de carcinoma de células escamosas

Carcinoma de células escamosas

Na maioria das vezes, o carcinoma de células escamosas ocorre em áreas do corpo expostas ao sol, como rosto, orelhas e mãos. É mais comum em pessoas com pele mais escura, em áreas que não costumam ser expostas ao sol. Pode se manifestar como:

  • Um nódulo vermelho e firme
  • Lesão plana com superfície escamosa e formação de crosta

Melanoma

O melanoma pode se desenvolver em qualquer parte do corpo, na pele normal ou em uma mancha existente que se torna cancerosa. O melanoma aparece com mais frequência no rosto ou no tronco dos homens afetados. Nas mulheres, esse tipo de câncer se desenvolve com mais frequência na parte inferior das pernas. Em homens e mulheres, o melanoma pode ocorrer na pele que não foi exposta ao sol.

O melanoma pode afetar pessoas com qualquer tom de pele. Em pessoas com tons de pele mais escuros, o melanoma tende a ocorrer nas palmas das mãos ou plantas dos pés, ou sob as unhas dos pés ou dos pés. Os sinais de melanoma incluem:

  • Uma grande mancha acastanhada com manchas mais escuras
  • Uma toupeira que muda de cor, tamanho ou toque ou que sangra
  • Uma pequena lesão com uma borda irregular e porções que aparecem em vermelho, rosa, branco, azul ou preto-azulado
  • Uma lesão dolorosa que coça ou queima
  • Lesões escuras nas palmas das mãos, plantas dos pés, pontas dos dedos das mãos ou dos pés, ou nas membranas mucosas que revestem a boca, nariz, vagina ou ânus

Sinais e sintomas de cânceres de pele menos comuns

Outros tipos menos comuns de câncer de pele incluem:

Sarcoma de Kaposi

Esta forma rara de câncer de pele se desenvolve nos vasos sanguíneos da pele e causa manchas vermelhas ou roxas na pele ou nas membranas mucosas. O sarcoma de Kaposi ocorre principalmente em pessoas com sistema imunológico enfraquecido, como pessoas com AIDS, e em pessoas que tomam medicamentos que suprimem sua imunidade natural, como pessoas que se submeteram a transplantes de órgãos.

Outras pessoas com risco aumentado de sarcoma de Kaposi incluem homens jovens que vivem na África ou homens mais velhos com ascendência judaica italiana ou do Leste Europeu.

Carcinoma de células de Merkel

O carcinoma de células de Merkel causa nódulos firmes e brilhantes que ocorrem na pele ou logo abaixo dela e nos folículos capilares. O carcinoma de células de Merkel é mais frequentemente encontrado na cabeça, pescoço e tronco.

Carcinoma da glândula sebácea

Este câncer incomum e agressivo se origina nas glândulas sebáceas da pele. Os carcinomas das glândulas sebáceas – que geralmente aparecem como nódulos duros e indolores – podem se desenvolver em qualquer lugar, mas a maioria ocorre na pálpebra, onde são frequentemente confundidos com outros problemas palpebrais.

Causas e fatores de risco

Muitos dos danos ao DNA nas células da pele resultam da radiação ultravioleta (UV) encontrada na luz do sol e nas luzes usadas em camas de bronzeamento. Mas a exposição ao sol não explica os cânceres de pele que se desenvolvem na pele normalmente não exposta ao sol.

Isso indica que outros fatores podem contribuir para o risco de câncer de pele, como exposição a substâncias tóxicas ou ter uma condição que enfraquece o sistema imunológico. Fatores que podem aumentar o risco de câncer de pele incluem:

  • Pele clara: Qualquer pessoa, independentemente da cor da pele, pode ter câncer de pele. No entanto, ter menos pigmento (melanina) na pele oferece menos proteção contra a radiação UV prejudicial. Se você tem cabelos loiros ou ruivos e olhos claros, e tem sardas ou queimaduras de sol com facilidade, é muito mais provável que desenvolva câncer de pele do que uma pessoa com pele mais escura.
  • Histórico de queimaduras solares: Ter sofrido uma ou mais queimaduras solares com bolhas quando criança ou adolescente aumenta o risco de desenvolver câncer de pele na idade adulta. As queimaduras solares na idade adulta também são um fator de risco.
  • Exposição excessiva ao sol: Qualquer pessoa que passa um tempo considerável ao sol pode desenvolver câncer de pele, especialmente se a pele não estiver protegida por filtro solar ou roupas. O bronzeamento, incluindo a exposição a lâmpadas e camas de bronzeamento, também o coloca em risco. O bronzeado é a reação de lesão da pele à radiação ultravioleta excessiva
  • Climas ensolarados ou de alta altitude: As pessoas que vivem em climas quentes e ensolarados estão expostas a mais luz do sol do que as pessoas que vivem em climas mais frios. Viver em altitudes mais elevadas, onde a luz do sol é mais forte, também o expõe a mais radiação
  • Excesso de manchas e pintas: Pessoas com muitas pintas ou manchas anormais chamadas apresentam risco aumentado de câncer de pele. Essas manchas anormais, que parecem irregulares e geralmente são maiores que as normais, têm maior probabilidade de se tornarem cancerosas do que outras. Se você tiver um histórico de manchas anormais, observe-as regularmente para verificar se há alterações.
  • Lesões cutâneas pré-cancerosas: Ter lesões cutâneas conhecidas como ceratoses actínicas pode aumentar o risco de desenvolver câncer de pele. Esses crescimentos cutâneos pré-cancerosos geralmente aparecem como manchas ásperas e escamosas que variam em cor do marrom ao rosa escuro. Eles são mais comuns no rosto, cabeça e mãos de pessoas de pele clara cuja pele foi danificada pelo sol.
  • Histórico familiar de câncer de pele: Se um de seus pais ou irmão teve câncer de pele, você pode ter um risco maior de contrair a doença.
  • Histórico pessoal de câncer de pele: Se você desenvolveu câncer de pele uma vez, corre o risco de desenvolvê-lo novamente.
  • Sistema imunológico enfraquecido. Pessoas com sistema imunológico enfraquecido têm maior risco de desenvolver câncer de pele. Isso inclui pessoas que vivem com HIV e aqueles que tomam medicamentos imunossupressores após um transplante de órgão.
  • Exposição à radiação: Pessoas que receberam radioterapia para doenças de pele como eczema e acne podem ter um risco aumentado de câncer de pele, particularmente carcinoma basocelular.
  • Exposição a certas substâncias. A exposição a certas substâncias, como o arsênico, pode aumentar o risco de câncer de pele.

Prevenção

A maioria dos cânceres de pele pode ser prevenida. Para se proteger, siga estas dicas de prevenção do câncer de pele:

Evite o sol durante o meio do dia

Você absorve a radiação ultravioleta o ano todo, e as nuvens oferecem pouca proteção contra os raios nocivos. Evitar o sol forte ajuda a evitar as queimaduras solares e bronzeadores que causam danos à pele e aumenta o risco de desenvolver câncer de pele. A exposição ao sol acumulada ao longo do tempo também pode causar câncer de pele.

Use protetor solar o ano todo

O protetor solar não filtra toda a radiação ultravioleta prejudicial, especialmente a radiação que pode levar ao melanoma. No entanto, ele desempenha um papel importante em um programa geral de proteção.

Use um filtro solar de amplo espectro com FPS 30, no mínimo, mesmo em dias nublados. Aplique protetor solar generosamente e reaplique a cada duas horas, ou com mais frequência se você estiver nadando ou transpirando. Use uma quantidade generosa de protetor solar em toda a pele exposta, incluindo os lábios, a ponta das orelhas e a parte de trás das mãos e do pescoço.

Use roupas de proteção

Os protetores solares não oferecem proteção completa contra os raios ultravioleta. Portanto, cubra sua pele com roupas escuras e bem tecidas, que cubram seus braços e pernas, e um chapéu de aba larga, que oferece mais proteção do que um boné de beisebol ou viseira. Algumas empresas também vendem roupas fotoprotetoras. Um dermatologista pode recomendar uma marca apropriada.

Não se esqueça dos óculos de sol

Procure aqueles que bloqueiam os dois tipos de radiação UV: raios UVA e UVB.

Evite câmaras de bronzeamento artificial

As luzes usadas em camas de bronzeamento emitem raios ultravioleta e podem aumentar o risco de câncer de pele.

Esteja ciente dos medicamentos sensibilizantes do sol. Alguns medicamentos comuns e não controlados, incluindo antibióticos, podem tornar sua pele mais sensível à luz solar. Pergunte ao seu médico ou farmacêutico sobre os efeitos colaterais de quaisquer medicamentos que você toma. Se eles aumentarem sua sensibilidade à luz solar, tome precauções extras para ficar longe do sol para proteger sua pele.

Verifique sua pele regularmente e relate as alterações ao seu médico

Examine frequentemente a sua pele em busca de novos crescimentos ou alterações nas manchas, sardas, inchaços e marcas de nascença existentes. Com a ajuda de espelhos, verifique seu rosto, pescoço, orelhas e couro cabeludo. Examine seu peito e tronco, e as partes superior e inferior de seus braços e mãos.

Examine a frente e a parte de trás das pernas e os pés, incluindo as solas e os espaços entre os dedos dos pés. Verifique também sua área genital e entre as nádegas.

Um medicamento comum pode ajudar a prevenir o câncer de pele, segundo estudo

Um estudo conduzido por uma equipe da Ohio State University, nos EUA, descobriu que um medicamento oral usado para tratar doenças neuromusculares também pode ajudar a prevenir uma forma comum de câncer de pele causada por danos da radiação ultravioleta-B (UVB) do sol.

Neste estudo, a equipe descobriu que o neurotransmissor dopamina, ao ativar seus receptores D2, pode interromper o desenvolvimento e a progressão de certos cânceres de pele escamosos pré-cancerosos induzidos por UVB.

Os pesquisadores também descrevem a sequência molecular de eventos que leva à supressão do câncer. A descoberta sugere que uma droga comumente usada que ativa receptores específicos de dopamina poderia ajudar a reduzir a recorrência do câncer de pele de células escamosas e possivelmente até prevenir a doença por completo.

Os resultados são especialmente animadores, porque se trata de uma droga que já é prontamente usada em ambientes clínicos e é relativamente acessível. O estudo foi publicado na revista científica Cancer Prevention Research