Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Você está em uma relação abusiva? Aprenda a reconhecer os sinais de violência doméstica

Imagem de Sydney Sims em Unsplash

A violência doméstica ocorre entre pessoas em um relacionamento íntimo e pode assumir muitas formas, incluindo violência física e psicológica, bem como ameaças de abuso. Ela pode acontecer em relacionamentos homo ou heterossexuais, mas estatísticas globais a respeito do problema apontam que as mulheres são as maiores vítimas da violência doméstica, praticada preponderantemente por seus parceiros homens.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a violência doméstica contra as mulheres, especialmente a violência praticada pelo parceiro íntimo e a violência sexual, é um grande problema de saúde pública e uma violação dos direitos humanos. Estimativas mundiais publicadas pela organização indicam que cerca de 1 em 3 (35%) das mulheres em todo o mundo sofrem violência física e/ou sexual por parceiro íntimo ou violência sexual por não parceiros durante a vida.

Em escala global, até 38% dos assassinatos de mulheres são cometidos por um parceiro íntimo do sexo masculino. A violência doméstica pode afetar negativamente a saúde física, mental, sexual e reprodutiva das mulheres, acarretando ainda em aumento do risco de contrair DSTs em alguns ambientes.

Ainda segundo a OMS, homens são mais propensos a perpetrar violência se tiverem baixa escolaridade, histórico de maus-tratos infantis, exposição à violência doméstica contra suas mães, uso prejudicial de álcool, normas de gênero desiguais, incluindo atitudes de aceitação da violência e um senso de direito sobre as mulheres.

As mulheres são mais propensas a sofrer violência pelo parceiro íntimo se tiverem baixa escolaridade, exposição a mães sendo abusadas por um parceiro, abuso durante a infância e atitudes de aceitação da violência, privilégio masculino e status de subordinação das mulheres.

As Nações Unidas definem a violência doméstica contra as mulheres como “qualquer ato de violência de gênero que resulte ou possa resultar em dano ou sofrimento físico, sexual ou mental às mulheres, incluindo ameaças de tais atos, coerção ou privação arbitrária de liberdade, seja na vida pública ou na vida privada. “

Violência sexual é “qualquer ato sexual, tentativa de obter um ato sexual ou outro ato dirigido contra a sexualidade de uma pessoa por meio de coerção, por qualquer pessoa, independentemente de sua relação com a vítima, em qualquer ambiente. Inclui estupro, definido como fisicamente forçado ou penetração forçada da vulva ou ânus com um pênis, outra parte do corpo ou objeto.”

Tipos de violência doméstica

Violência física

A violência física é qualquer comportamento fisicamente agressivo ou ameaça de abuso físico. Isso pode incluir bater, chutar, morder, dar um tapa, sacudir, empurrar, puxar, socar, sufocar, coçar, beliscar, puxar cabelo, esfaquear, atirar, afogar, queimar, bater com um objeto, ameaçar com uma arma ou ameaçar, entre outros.

Retenção de necessidades físicas, como interrupção do sono ou das refeições, negação de dinheiro, comida, transporte ou ajuda se a vítima estiver doente ou ferida, também é um exemplo de violência doméstica.

Além disso, abusar, ferir ou ameaçar ferir outras pessoas, como crianças, animais de estimação ou propriedades especiais, bem como conter fisicamente a vítima em um local contra a sua vontade, se enquadram na categoria de violência física.

Violência sexual

O abuso sexual é usar o sexo de forma exploradora ou forçar o sexo a outra pessoa. Ter consentido com a atividade sexual no passado não indica consentimento atual. O abuso sexual pode envolver comportamento verbal e físico. Isso pode incluir usar força, coerção, culpa e manipulação para fazer sexo. Além disso, também são exemplos de violência sexual:

  • Explorar uma vítima que é incapaz de tomar uma decisão informada sobre o envolvimento na atividade sexual por estar adormecida, intoxicada, drogada, incapacitada, muito jovem, muito velha, ou dependente ou com medo do perpetrador.
  • Rir ou zombar da sexualidade ou do corpo de outra pessoa, fazer declarações ofensivas, insultantes ou xingamentos em relação às preferências / comportamentos sexuais da vítima.
  • Fazer contato com a vítima de qualquer forma não consensual, incluindo penetração indesejada (oral, anal ou vaginal) ou tocar (acariciar, beijar, lamber, chupar ou usar objetos) em qualquer parte do corpo da vítima.
  • Exibir ciúme excessivo, resultando em falsas acusações de infidelidade e comportamentos controladores para limitar o contato da vítima com o mundo exterior.
  • Ter casos com outras pessoas e usar essas informações para insultar a vítima.
  • Negar sexo à vítima como mecanismo de controle.

Violência psicológica

A violência psicológica é qualquer comportamento que explore a vulnerabilidade, insegurança ou caráter de outra pessoa. Tais comportamentos incluem degradação contínua, intimidação, manipulação, lavagem cerebral ou controle de outrem em detrimento do indivíduo. Atitudes comuns que caracterizam a violência psicológica são:

  • Insultar ou criticar para minar a autoconfiança da vítima. Isso inclui humilhação pública, bem como rejeição real ou ameaçada.
  • Ameaçar ou acusar, direta ou indiretamente, com a intenção de causar danos ou perdas emocionais ou físicas. Por exemplo, ameaçar matar a vítima ou a si mesma, ou ambos.
  • Usar declarações ou comportamentos que distorcem a realidade que criam confusão e insegurança na vítima, como dizer uma coisa e fazer outra, declarar fatos falsos como verdade e negligenciar o cumprimento das intenções declaradas. Isso pode incluir negar o abuso ocorrido e / ou dizer à vítima que ela está inventando o abuso. Também pode incluir comportamentos loucos, como esconder as chaves da vítima e repreendê-la por perdê-las.
  • Desconsiderar, ignorar ou negligenciar as solicitações e necessidades da vítima.
  • Usar ações, declarações ou gestos que ataquem a autoestima e o valor próprio da vítima com a intenção de humilhar.
  • Dizer à vítima que ela é mentalmente instável ou incompetente.
  • Forçar a vítima a consumir drogas ou álcool.
  • Não permitir que a vítima pratique suas crenças religiosas, isolando-a da comunidade religiosa ou usando a religião como desculpa para o abuso.
  • Usar qualquer forma de coerção ou manipulação que enfraqueça a vítima.

Como reconhecer a violência doméstica?

Relacionamentos abusivos sempre envolvem um desequilíbrio de poder e controle. O agressor usa palavras e comportamentos intimidadores e ofensivos para controlar o parceiro.

Pode não ser fácil identificar a violência doméstica no início. Embora alguns relacionamentos sejam claramente abusivos desde o início, o abuso geralmente começa sutilmente e piora com o tempo. Você pode estar sofrendo violência doméstica se estiver em um relacionamento com alguém que:

  • Xinga, insulta ou rebaixa você
  • Impede ou desencoraja você a ir para o trabalho ou escola, bem como encontrar parentes ou amigos
  • Tenta controlar como você gasta dinheiro, aonde vai, que remédios toma ou o que veste
  • Age com ciúme ou possessividade ou constantemente acusa você de ser infiel
  • Fica com raiva quando bebe álcool ou usa drogas
  • Tenta controlar se você pode consultar um profissional de saúde
  • Faz ameaças 
  • Bate, chuta, empurra, dá tapas, sufoca ou machuca você, seus filhos ou seus animais de estimação
  • Força você a fazer sexo ou praticar atos sexuais contra a sua vontade
  • Culpa você por seu comportamento violento ou diz que você merece
  • Ameaça contar a amigos, familiares, colegas ou membros da comunidade sua orientação sexual ou identidade de gênero

Você não tem culpa

A manipulação para atribuir culpa ou responsabilidade pela agressão à própria vítima é uma das características de um relacionamento abusivo. Parceiros abusivos raramente assumem a responsabilidade por suas ações. Muitas vezes, a vítima é levada a acreditar que, de fato, é a responsável pelo conflito, por várias razões:

Seu parceiro só exibe comportamento abusivo com você

Os abusadores geralmente se preocupam com as aparências externas e podem parecer charmosos e estáveis ​​para quem está fora de seu relacionamento. Isso pode fazer com que você acredite que as ações dele só podem ser explicadas por algo que você fez.

Seu terapeuta e/ou médico não detectou nenhum problema

Se você não contou ao seu médico ou outros profissionais de saúde sobre o abuso, eles podem apenas notar os padrões não saudáveis ​​em seu pensamento ou comportamento, o que pode levar a um diagnóstico incorreto.

Por exemplo, sobreviventes de violência praticada pelo parceiro íntimo podem desenvolver sintomas que se assemelham a transtornos de personalidade. A exposição à violência doméstica também aumenta o risco de problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Você agiu verbalmente ou fisicamente contra seu agressor, gritando, empurrando ou batendo nele durante os conflitos

Você pode acreditar que é uma pessoa abusiva, mas, em uma situação de violência doméstica, é muito mais provável que tenha agido em autodefesa ou sob sofrimento emocional intenso. Seu agressor pode usar tais incidentes para manipulá-lo, descrevendo-os como prova de que você é o parceiro abusivo da relação.

Se você estiver tendo problemas para identificar o que está acontecendo, dê um passo para trás e observe os padrões maiores em seu relacionamento. Em seguida, reveja os sinais de violência doméstica. Em um relacionamento abusivo, a pessoa que usa rotineiramente esses comportamentos é o agressor. 

Quebre o ciclo

Quanto mais tempo você permanecer em um relacionamento abusivo, maiores serão os danos físicos e emocionais. Se precisar de ajuda, ligue para a Central de Atendimento à Mulher (180) ou procure uma delegacia especializada de atendimento à mulher. Denuncie. A Lei nº 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, é reconhecida pela ONU como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência doméstica contra as mulheres. Faça uso dela.

Arrume uma sacola de emergência com itens de que você precisará ao sair, como roupas extras e chaves. Deixe a bolsa em um local seguro. Mantenha papéis pessoais importantes, dinheiro e medicamentos prescritos à mão para que você possa levá-los com você em curto prazo.

Saiba exatamente para onde você irá e como chegará lá e proteja sua comunicação e localização. O agressor pode usar a tecnologia para monitorar seu telefone e comunicação online e para rastrear sua localização. Se você está preocupado com sua segurança, procure ajuda. Para manter sua privacidade:

Use os telefones com cautela. Seu agressor pode interceptar ligações e ouvir suas conversas. Ele(a) pode usar o identificador de chamadas, verificar seu telefone celular ou pesquisar os registros de faturamento do seu telefone para ver seu histórico de chamadas e mensagens de texto.

Use o computador com cautela. Seu agressor pode usar um spyware para monitorar seus e-mails e os sites que você visita. Considere usar o computador no trabalho, na biblioteca ou na casa de um amigo para buscar ajuda.

Remova os dispositivos GPS do seu veículo. Seu agressor pode usar um dispositivo GPS para identificar sua localização. Altere sua senha de e-mail com frequência, escolhendo opções que sejam impossíveis para o seu agressor adivinhar. Limpe seu histórico de exibições. Siga as instruções do seu navegador para deletar qualquer registro de sites ou gráficos que você visualizou.


Fontes: United Nations, Help Guide, Arizona Coalition to End Sexual and Domestic Violence, Mayo Clinic, World Health Organization, Lei Maria da PenhaViolência Doméstica e Familiar Contra a Mulher


Veja também: